Variação da produtividade do trabalho numa perspectiva evolucionária: aplicação da equação de Price para análise da indústria de transformação no Brasil entre 2007 e 2011

Autores

  • Ivette Luna Universidade Estadual de Campinas
  • Manuel Ramón de Souza Luz Universidade de São Paulo
  • Célio Hiratuka Universidade Estadual de Campinas
  • Paulo Sérgio Fracalanza Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v14i2.8649113

Palavras-chave:

Produtividade do trabalho. Economia evolucionária. Equação de price. Darwinismo generalizado. Análise estatística.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar a equação de Price e sua aplicação para a economia brasileira, tendo como embasamento teórico a abordagem neo-schumpeteriana da concorrência, dinâmica e inovação, assim como a concepção do darwinismo generalizado. Um modelo inspirado na equação de Price é utilizado para decompor a variação da produtividade do trabalho na indústria de transformação brasileira, bem como nos setores que a compõem, considerando as classes da Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE) para o período de 2007 a 2011. A decomposição da variação da produtividade do trabalho, neste estudo pioneiro no Brasil, permitirá observar, de maneira desagregada, os efeitos de seleção e inovação no curto prazo sobre a variação da produtividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivette Luna, Universidade Estadual de Campinas

Nasceu em 1978 em Lima, Perú. Possui mestrado e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (2003/2007). Atualmente é professora do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Inteligência computacional, atuando principalmente nos seguintes temas: sistemas nebulosos e tratamento de incerteza, séries temporais, previsão e modelos dinâmicos aplicados à Economia e Engenharia.

Manuel Ramón de Souza Luz, Universidade de São Paulo

Realiza pesquisa de Pós-Doutorado no Departamento de Economia da FEA/USP (2013-2015) sob a supervisão do Prof. Eleutério Fernando da Silva Prado. É Doutor em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP 2009-2013) com estágio doutoral na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS 2012-2013). Possui Mestrado em Teoria Econômica pelo Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE/UNICAMP 2007-2009). Atua principalmente nos seguintes temas: economia evolucionária, institucionalismo original, história do pensamento econômico e metodologia da economia.

Célio Hiratuka, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1992), mestrado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Atualmente é professor doutor da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Internacional e Economia Industrial, atuando principalmente nos seguintes temas: comércio internacional, empresas transnacionais, investimento direto estrangeiro e competitividade industrial.

Paulo Sérgio Fracalanza, Universidade Estadual de Campinas

Possui Bacharelado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1991), Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1993), Mestrado em Economia pela Universidade de São Paulo (1995), Doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2001), com Doutorado Sanduíche na Université Louis Pasteur em Strasbourg, França (1997 - 1998). Em 2008, participou do Entrepreneurship Research Conference na Babson College (MA - EUA) e em 2006, do CAPORDE (Cambridge Advanced Programme on Rethinking the Development Economics) na University of Cambridge, UK. Atualmente é Professor Doutor e Coordenador Geral da Pós-Graduação do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. É pesquisador do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia (NEIT) e do Centro de Estudos Sindicais e do Trabalho (CESIT). Nessa instituição leciona na graduação e na pós-graduação nas disciplinas de Teoria Econômica. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Organização Industrial, Economia do Trabalho e Políticas Públicas, atuando principalmente nos seguintes temas: redução da jornada de trabalho, políticas ativas de emprego, estudos setoriais, economia da inovação, regulação econômica, abordagem evolucionária e economia política.

Referências

ALCHIAN, A. Uncertainty, evolution, and economic theory. Journal of Political Economy, n. 58, p. 211-21, June 1950.

ALDRICH, H.; HODGSON, G.; HULL, D.; KNUDSEN, T.; MOKYR, J.; VANBERG, V. In defence of generalized Darwinism. Journal of Evolutionary Economics, v. 18, n. 5, p.577-596, Springer 2008.

ANDERSEN E. S. Population thinking, Price’s equation and the analysis of economic evolution. Evolutionary and Institutional Economics Review, n. 1, p. 127-148, 2004.

BONELLI, R.; BACHA, E. L. Crescimento brasileiro revisitado. In: VELOSO, F. et al. Desenvolvimento econômico: uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

BOWLER, P. Evolution: the history of an idea. Berkley: University of California Press, 2003.

BOWLES, S. Microeconomics: behaviour, institutions and evolution. Princeton: Princeton University Press, 2004.

BUICAN, D. Darwin dans l’histoire de la pensée biologique. Paris: Editions Ellipses, 2008.

CAMPBELL, D. Variation, selection and retention in sociocultural evolution. In: BARRINGER, H.; BLANKSTEN, G.; MACK, R. (Ed.). Social change in developing areas: a reinterpretation of evolutionary theory. Cambridge MA: Schenkman, 1965.

CANÊDO-PINHEIRO, M.; BARBOSA FILHO, F. H. Produtividade e convergência entre estados brasileiros: exercícios de decomposição setorial. Economia Aplicada, v. 15, n. 3, p. 417-442, 2011.

CANTNER, U.; KRUGER, J. J. Micro-heterogeneity and aggregate productivity development in the German manufacturing sector. Journal of Evolutionary Economics, v. 18, n. 2, p. 119-133, 2008.

CARVALHEIRO, N. Uma decomposição do aumento da produtividade do trabalho no Brasil durante os anos 90. Revista de Economia Contemporânea, n. 7, p.81-109, 2003.

CORDES, C. Darwinism in economics: from analogy to continuity. Journal of Evolutionary Economics, v.16, n. 5, p. 529-541, 2006.

CORDES, C. Can a generalized Darwinism be criticized? A rejoinder to Geoffrey Hodgson. Journal of Economic Issues, v. 41, n. 1, p. 277-281, 2007.

DAWKINS, R. Universal Darwinism. In: BENDALL, D. (Ed.). Evolution from molecules to man. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. Evolução recente dos indicadores de produtividade no Brasil. Boletim Radar, Brasília, Ipea, 2013.

DISNEY, R.; HASKEL, J.; HEDEN, Y. Restructuring and productivity growth in UK manufacturing. The Economic Journal, v. 113, n. 489, p. 666-694, 2003.

ENKE, S. On maximizing profits: a distinction between Chamberlin and Robinson. The American Economic Review, v. 41, n. 4, p. 566- 578, Sep. 1951

Ferreira, P. C.; Ellery Jr., R.; Gomes, v. Produtividade agregada brasileira (1970-2000): declínio robusto e fraca recuperação. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 31-53, 2008.

FISHER, R. A. The genetical theory of natural selection. Oxford: Oxford University Press, 1930.

FOSS, N. J. The biological analogy and the theory of the firm: Marshall and Monopolistic competition. In: HODGSON, G. M. The foundations of evolutionary economics: 1890-1973. Cheltenham: Edward Elgar, 1998.

FOSTER, L.; HALTIWANGER, J.; KRIZAN, C. J. Aggregate productivity growth: lessons from microeconomic evidence. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 1998 (NBER Working Paper Series, n. 6803).

FRANK, S. George Price’s contribution to evolutionary genetics. Journal of Theoretical Biology, n. 175, p. 373-388, 1995.

FRIEDMAN, M. Essays in positive economics. Chicago: Chicago University Press, 1953.

HAYEK, F. A. Degrees of explanation. The British Journal for the Philosophy of Science, v. 6, n. 23, p. 209-225, 1955.

HODGSON, G. The Mecca of Alfred Marshall. Economic Journal, n. 103, p. 406-15, 1993.

HODGSON, G. Darwinism in economics: from analogy to ontology. Journal of Evolutionary Economics, v. 12, n. 3, p. 259-281, 2002.

HODGSON, G. Darwinism, causality and the social sciences. Journal of Economic Methodology, v. 11, n. 2, p. 175-194, 2004.

HODGSON, G. A response to Christian Cordes and Clifford Poirot. Journal of Economic Issues, v. 41, n. 1, p. 265-276, 2007.

HODGSON, G.; KNUDSEN, T. Why we need a generalized Darwinism and why a generalized Darwinism is not enough. Journal of Economic Behavior, v. 61, n. 1, p. 1-19, 2006.

HODGSON, G. Darwin’s conjecture. Chicago: University of Chicago Press, 2010.

HOLM, J. R. Applying Price’s equation in empirical research. In: LEM SEMINAR SERIES, n. 10, Pisa, Italia, 2010.

KNUDSEN, T. General selection theory and economic evolution: the Price equation and the replicator/interactor distinction. Journal of Economic Methodology, v. 11, n. 2, p. 147-173, 2004.

LEVIT, S.; HOSSFELD, U.; WITT, U. Can Darwinism be “generalized” and of what use would this be? Jena, Germany: Max Planckt Institute of Economics, 2010 (Papers on Economics and Evolution, n. 1007).

LUZ, M. R. S.; FRACALANZA, P. S.From T(h)e(le)ology to evolution: the typological legacy and the Darwinian possibility of economic theorizing. Journal of Economic Issues, v. 47, n. 1, p. 193-218, 2013.

MARINHO, E.; BITTENCOURT, A. Produtividade e crescimento econômico na América Latina: a abordagem da fronteira de produção estocástica. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 5-33, 2007.

MARSHALL, A. Principles of economics. 8. ed. Londres: Macmillan, 1980.

METCALFE, J. S. Competition, Fisher’s principle and increasing returns in the selection process. Journal of Evolutionary Economics, v. 4, n. 4, p. 327-346, 1994.

METCALFE, J. S. Evolutionary economics and creative destruction. Routledge, London and New York, 1998.

METCALFE, J. S. Evolutionary approaches to population thinking and the problem of growth and development. In: DOPFER, K. (Ed.). Evolutionary Economics: program and scope. New York: Springer Science e Business Media, LLC, 2001. p.141-164 (Recent economic thought series, n. 74).

METCALFE, J. S.; RAMLOGAN, R. Creative destruction and the measurement of productivity change. Revue de l’OFCE, v. 95, n. 5, p. 373-397, 2006.

MICHOD, R. Darwinian dynamics. Princeton: Princeton University Press, 1999.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1982.

PENROSE, E. Biological analogies in the theory of the firm. The American Economic Review, v. 42, n. 5, p. 804-819, 1952.

POSSAS, M. L.; KOBLITZ, A.; LICHA, A.; OREIRO, J. L.; DWECK, E. Um modelo evolucionário setorial. Revista Brasileira de Economia, v. 55, n. 3, p. 333-377, 2001.

PRADO, E. Microeconomia reducionista e microeconomia sistêmica. Nova Economia, v. 16, n. 2, p. 303-322, 2006.

PRADO, E. Reducionismo e dialética. 2010. Disponível em: http://eleuterioprado.files.wordpress.com/2010/07/baixar-texto-212.pdf. Acesso em: 02 fev. 2014.

PRICE, G. R. Selection and covariance. Nature, n. 227, p. 520-521, 1970.

PRICE, G. R. Extension of covariance selection mathematics. Annals of Human Genetics, n. 35, p. 485-490, 1972.

PRICE, G. R. The nature of selection. Journal of Theoretical Biology, v. 175, n. 3, p. 389-396, 1995.

ROCHA, F. Produtividade do trabalho e mudança estrutural das indústrias extrativa e de transformação brasileira, 1970-2001. Revista de Economia Política, v. 27, n. 2, p. 221-241, 2007.

SAFARZYNSKA, K.; VAN DEN BERGH, J. C. J. M. Evolutionary models in economics: a survey of methods and building blocks. Journal of Evolutionary Economics, v. 20, n. 3, p. 329-373, 2010.

SCARPETTA, S.; HEMMINGS, P.; TRESSEL, T.; WOO, J. The role of policy and institutions for productivity and firm dynamics: evidence from micro and industry data. OECD Publishing, 2002 (OECD Economics Department Working Papers, n. 329).

SILVERBERG, G.; DOSI, G.; ORSENIGO, L. Innovation, diversity and diffusion: a self-organizing model. Economic Journal, n. 98, p. 1032-1054, 1988.

STOELHORST, J. Darwinian foundations for evolutionary economics. Journal of Economic Issues, v. 42, n. 2, p. 415-423, 2008.

SOLOW, R. A contribution to the theory of economic growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 70, n. 1, p. 65-94, 1956.

VEBLEN, T. B. Why is economics not an evolutionary science? The Quarterly Journal of Economics, v. 4, n. 12, p. 373-397, 1898.

WINTER, S. Economic “natural” selection and the theory of the firm. In: HODGSON, G. M. The foundations of evolutionary economics: 1890-1973. Cheltenham: Edward Elgar, 1998.

WITT, U. On the proper interpretations of “evolution” in economics and its implications for production theory. Journal of Economic Methodology, v.11, n. 1, p. 125-146, 2004.

ZINOVYEVA, N. Multilevel population thinking: the history and the use of the concept in economics. Danish Research Unit for Industrial Dynamics, 2004 (DRUID working paper, n. 04-08).

Downloads

Publicado

2015-09-10

Como Citar

LUNA, I.; LUZ, M. R. de S.; HIRATUKA, C.; FRACALANZA, P. S. Variação da produtividade do trabalho numa perspectiva evolucionária: aplicação da equação de Price para análise da indústria de transformação no Brasil entre 2007 e 2011. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 383–418, 2015. DOI: 10.20396/rbi.v14i2.8649113. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649113. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos