Dimensões da capacidade de absorção, qualificação da mão de obra, P&D e desempenho inovativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v15i1.8649123

Palavras-chave:

Capacidade de absorção. P&D. Qualificação da mão de obra. Inovação.

Resumo

O objetivo do artigo é compreender a relação entre capacidade de absorção da empresa (CA), qualificação da mão de obra, P&D interno e o desempenho inovativo de empresas que interagem com universidades. Para tanto, foram utilizadas informações coletadas em um survey com empresas localizadas no Rio Grande do Sul que interagiram com universidades, de acordo com o Censo 2010 do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Por meio do método de componentes principais categóricos, foi possível inferir as dimensões da CA e relacioná-las ao desempenho inovativo da empresa, à atividade interna de P&D e à qualificação da mão de obra. Os principais resultados são: o P&D não deve ser tratado como sinônimo de CA; mão de obra mais qualificada (pós-graduados) está relacionada a uma maior CA potencial e realizada; o predomínio de técnicos associa-se a uma maior CA realizada; empresas com maior CA são mais inovadoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz da Silva Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Economia pelo CEDEPLAR/UFMG e doutorando na mesma área e instituição.

Andréia Cunha da Rosa, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Mestre em Economia pela UNISINOS. Tutora em cursos de Educação a distância da mesma instituição.

Janaina Ruffoni, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutorado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Adjunta da Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Márcia Siqueira Rapini, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Adjunto II da Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

AROCENA, R.; SUTZ, J. Weak knowledge demand in the South: learning divides and innovation policy. Science & Public Policy, v. 37, n. 8, p. 571-582, 2010.

BITTENCOURT, P.; GIGLIO, R. An empirical analysis of technology absorption capacity of the Brazilian industry. Cepal Review, n. 111, p. 175-190, Dec. 2013.

BISHOP, K.; D’ESTE, P.; NEELY, A. Gaining from interactions with universities: multiple methods for nurturing absorptive capacity. Research Policy, v. 40, n. 1, p. 30-40, Feb. 2011.

BRUNEEL, J.; D’ESTE, P.; SALTER, A. Investigating the factors that diminish the barriers to university-industry collaboration. Research Police, v. 39, p. 858-868, 2010.

CAMISÓN, C.; FÓRES, B. Knowledge absorptive capacity: new insights for its conceptualization and measurement. Journal of Business Research, v. 63, n. 7, p. 707-715, 2010.

CHEN, C. J. The effects of knowledge attribute, alliance characteristics, and absorptive capacity on knowledge transfer performance. R&D Management, v. 34, n. 3, p. 311-321, 2004.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569-596, 1989.

COHEN, W. M. Absorptive-capacity – a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990.

COHEN, W. M. Fortune favors the prepared firm. Management Science, v. 40, n. 2, p. 227-251, 1994.

COSTA, A. B.; RUFFONI, J.; PUFFAL, D. Interação universidade-empresa no Rio Grande do Sul: o caso do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e Materiais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. In: SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO, S. F. (Org.). Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p. 199-334.

DE NEGRI, F. Determinantes da capacidade de absorção das firmas brasileiras: qual a influência do perfil da mão-de-obra. In: DE NEGRI, J. A.; DE NEGRI, F.; COELHO, D. (Org.). Tecnologia, exportação e emprego. 1. ed. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2006. p. 101-122. Disponível em: http://migre.me/poxBR. Acesso em: 21 dez. 2014.

EBERS, M.; MAURER, I. Connections count: how relational embeddedness and relational empowerment foster absorptive capacity. Research Policy, v. 43, n. 2, p. 318-332, 2014.

ESCRIBANO, A.; FOSFURI, A.; TRIBÓ, J. A. Managing external knowledge flows: the moderating role of absorptive capacity. Research Policy, v. 38, n. 1 p. 96-105, 2009.

FLATTEN, T. C.; ENGELEN, A.; ZAHRA, S. A.; BRETTEL, M. A measure of absorptive capacity: scale development and validation. ESCP Europe, v. 29, n. 2, p. 98-116, 2011.

GARCIA, R.; ARAUJO, V. C.; MASCARINI, S.; SANTOS, E. G. Efeitos da qualidade da pesquisa acadêmica sobre a distância geográfica das interações universidade-empresa. Estudos Econômicos, v. 44, n. 1, p. 105-132, 2014.

HAIR, J. R.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

JIMÉNEZ-BARRIONUEVO, M.; GARCÍA-MORALES, V.; MOLINA, L. M. Validation of an instrument to measure absorptive capacity. Technovation, v. 31, n. 5, p. 190-202, 2011.

KLEVORICK, A. K.; LEVIN, R.; NELSON, R.; WINTER, S. On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p. 185-205, 1995.

LANE, P. J.; LUBATKIN, M. Relative absorptive capacity and interorganizational learning. Strategic Management Journal, v. 19, n. 5, p. 461-477, May 1998.

LINTING, M.; MEULMANN, J. J.; GROENEN, P. J. F.; VAN DER KOOJJ, A. J. Nonlinear principal components analysis: introduction and application. Psychological Methods, v. 12, n. 3, p. 336-358, 2007.

MANGEMATIN, V.; NESTA, L. What kind of knowledge can a firm absorb? International Journal of Technology Management, v. 37, n. 3, p. 149-172, 1999.

METCALFE, J. S. Equilibrium and evolutionary foundations of competition and technology policy: new perspectives on the division of labour and the innovation process. Revista Brasileira de Inovação, v. 2, n. 1, p. 111-146, 2003.

MEULMAN, J. J.; VAN DER KOOIJ, A. J.; HEISER, W. J. Principal components analysis with nonlinear optimal scaling transformations for ordinal and nominal data. In: KAPLAN, D. (Org.). The Sage handbook of quantitative methodology for the social sciences. Thousand Oaks: Sage Publications, 2004. p. 49-70.

MUROVEC, N.; PRODAN, I. Absorptive capacity, its determinants, and influence on innovation output: cross-cultural validation of the structural model. Technovation, v. 29, n. 12, p. 859-872, 2009.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. 1 ed. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

ROSA, A. C. Capacidade absortiva de empresas que possuem interação com universidades. 2013. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo-RS, 2013.

SCHMIDT, T. Absorptive capacity: one size fits all? Firm-level analysis of absorptive capacity for different kinds of knowledge. Mannheim: Centre for European Economic Research, 2005 (ZEW Discussion Papers, n. 05-72). Disponível em: http://migre.me/poxEg. Acesso em: 5 ago. 2014.

SILVA, R. R. Características da interação universidade-empresa no Rio Grande do Sul: um estudo comparado das bases de dados do Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq de 2002 a 2010. 2014. Monografia (Graduação em Economia) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo-RS, 2014.

STATACORP. Stata 11 base reference manual. College Station: Stata Press, 2009.

TODOROVA, G.; DURISIN, B. Absorptive capacity: valuing a reconceptualization. Academy of Management Review, v. 32, n.3, p. 774-786, Jul. 2007.

VAN DEN BOSCH, F. A. J.; VOLBERDA, H. W.; DE BOER, M. Coevolution of firm absorptive capacity and knowledge environment: organizational forms and combinative capabilities. Organization Science, v. 10, n. 5, p. 551-568, 1999.

VEGA-JURADO, J.; GUTIÉRREZ-GRACIA, A.; FERNÁNDEZ-DE-LUCIO, I. Analyzing the determinants of firm’s absorptive capacity: beyond R&D. R&D Management, v. 18, n. 4, p. 392-405, 2008.

VERSIANI, A. F.; CRUZ, M. A.; CASTRO, J. M.; FERRREIRA, M. A. T.; GUIMARÃES, L. O. Mensuração da capacidade absortiva: até que ponto a literatura avançou? In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 34., Rio de Janeiro, 2010. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2010. p. 25-29.

VOLBERDA, H. W.; FOSS, N. J.; LYLES, M. Perspective – Absorbing the concept of absorptive capacity: how to realize its potential in the organization field. Organization Science, v. 21, n. 4, p. 931-951, 2010.

ZAHRA, S. A.; GEORGE, G. Absorptive capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, v. 24, n. 2, p. 185-203, 2002.

Downloads

Publicado

2016-03-16

Como Citar

TEIXEIRA, A. L. da S.; DA ROSA, A. C.; RUFFONI, J.; RAPINI, M. S. Dimensões da capacidade de absorção, qualificação da mão de obra, P&D e desempenho inovativo. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 15, n. 1, p. 139–163, 2016. DOI: 10.20396/rbi.v15i1.8649123. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649123. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)