Evolução do grau de sofisticação das exportações brasileiras (2000-2013)

  • Ariane Danielle Baraúna Universidade Federal de Alagoas
  • Álvaro Barrantes Hidalgo Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Exportações. Intensidade tecnológica. Sofisticação.

Resumo

O objetivo do presente artigo é analisar a evolução do nível de sofisticação das exportações brasileiras, fazendo uso do índice de sofisticação proposto por Hausmann et al. (2007). Examina- se o grau de sofisticação das exportações brasileiras de forma desagregada, no período 2000 a 2013. O indicador de sofisticação calculado leva em conta também as disparidades existentes entre países desenvolvidos e em desenvolvimento, bem como as diferenças de qualidade dos produtos conforme sugerido por Xu (2010). Os resultados indicam que a sofisticação das exportações brasileiras vem se deteriorando ao longo dos anos, em especial no segmento de alta intensidade tecnológica. A análise desagregada constata algumas diferenças entre setores. O aumento de produtividade mais notável ocorreu no setor de bens primários, enquanto o comportamento mais estável se deu no segmento de baixa intensidade tecnológica, sendo que os demais setores apresentaram desempenho oscilatório, com tendência decrescente no período recente. Feito o ajustamento para a qualidade dos produtos, a ordenação entre os setores ficou mais evidente, ressaltando as diferenças tecnológicas e de qualidade entre eles. Os valores mínimos (máximos) de produtividade apresentaram expressiva(o) redução (aumento) nos dois grupos de países considerados. Também se constataram diferenças significativas entre os setores de países com distintos níveis de renda. Países em desenvolvimento mostram comportamento mais homogêneo do índice de sofisticação das exportações brasileiras entre os setores do que os desenvolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariane Danielle Baraúna, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Economia (PIMES/UFPE). Pós-Doutoranda em Economia (CCSA/UFAL).

Álvaro Barrantes Hidalgo, Universidade Federal de Pernambuco
Professor Titular do Departamento de Economia PIMES/UFPE

Referências

BALASSA, B. Trade liberalization and revealed comparative advantage. The Manchester School, v. 33, n. 2, p. 99-123, 1965.

DOSI, G.; PAVITT, K.; SOETE, L. The economics of technical change and international trade. Londres: Harvester Wheatsheaf, 1990.

FURTADO, A.; CARVALHO, R. Padrões de intensidade tecnológica da indústria brasileira: um estudo comparativo com os países centrais. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 70-84, 2005.

GRIMALDI, D. Padrão de sofisticação exportados e crescimento na economia brasileira: uma abordagem em equilíbrio geral computável. 2011, 74 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade de São Paulo –USP, São Paulo, 2011.

HAUSMANN, R.; KLINGER, B. Structural transformation and patterns of comparative advantage in the product space. Cambridge, MA: Harvard University, 2008 (Working paper, n. 128).

HAUSMANN, R.; HWANG, J.; RODRIK, D. What you export matters. Journal of Economic Growth, v. 12, p. 1-25, 2007.

HAUSMANN, R.; HIDALGO, C. A. Country diversification, product ubiquity, and economic divergence. Cambridge, MA: Harvard University, 2010 (Working paper, n. 201).

KUME, H.; PIANI, G.; MIRANDA, P. O grau de sofisticação relativa das exportações brasileiras: 1996-2007. Brasília: Ipea, 2012 (Texto para discussion n. 1792).

LALL, S.; WEISS, J.; ZHANG, J. K. The “sophistication” of export: a new trade measure. World Development, v. 34, n. 2, p. 222-237, 2005.

POSNER, M. V. International trade and technical change. Oxford Economic Papers, v. 13, n. 3, p. 323-341, 1961.

RICARDO, D. On the principles of political economy and taxation. London: J. Murray, 1817.

RODRIK, D. What is so special about China’s Exports? China & World Economy, v. 14, n. 5, p. 1-19, 2006.

SCHOTT, P. The relative sophistication of Chinese exports. Economic Policy, v. 1, p. 5-49, 2008.

UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development. Growth and classification of world merchandise. Trade and development report. New York e Geneva: United Nations, 2002.

UNITED NATIONS. UN Comtrade Database. –Disponível em: http://comtrade.un.org/data/. Acesso em: 22 jun. 2014.

VAN ASSCHE, A.; GANGNES, B. Electronics production upgrading: is China exceptional? Montreal: Centre Interuniversitaire de Recherche en Analyse des Organisations – Cirano, 2007 (Série Scientifique, Scientific Series, n. 16).

VERNON, R. International investment and international trade in the product cycle. The Quarterly Journal of Economics, v. 80, n. 2, p. 190-207, May 1966.

XU, B. The sophistication of exports: is China special? China Economic Review, v. 21, n. 3, p. 482-493, 2010.

WORLD BANK. Trade outcomes indicator. Disponível em: http://wits.worldbank.org/trade_outcomes.html. Acesso em: 05 jun. 2014.

Publicado
2016-08-28
Como Citar
Baraúna, A. D., & Hidalgo, Álvaro B. (2016). Evolução do grau de sofisticação das exportações brasileiras (2000-2013). Revista Brasileira De Inovação, 15(2), 305-334. https://doi.org/10.20396/rbi.v15i2.8649132
Seção
Artigos