Inovação e geração de conhecimento científico e tecnológico no Brasil: uma análise dos dados de cooperação da Pintec segundo porte e origem de capital

Palavras-chave: Cooperação universidade-indústria. Pintec-cooperação. Sistema nacional de inovação. Interação e cooperação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo central a avaliação quantitativa das relações cooperativas desenvolvidas entre a estrutura produtiva brasileira envolvida com atividade inovativa, universidades e centros tecnológicos. A análise aborda essas relações tanto em termos de sua evolução no tempo como segundo características específicas das empresas, tais como porte e origem de capital. O trabalho empírico utiliza tabulações especiais da Pesquisa de Inovação (Pintec), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As evidências apresentadas reforçam a constatação de que esse padrão de interação é bastante complexo e multifacetado, confirmando que variáveis como porte e origem de capital têm impacto relevante sobre a intensidade das relações de cooperação. Na análise temporal constatou-se uma perceptível melhoria dos indicadores que apontam para intensificação de práticas cooperativas na última Pintec (2011). Ainda que outros fatores, tanto micro como macroeconômico, conjunturais devam ser considerados, sugere-se que essa tendência pode representar um vetor positivo no que se refere às perspectivas de desenvolvimento da indústria brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Pinkusfeld Bastos, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Mestre pela UFRJ, PhD pela new School for Social Research, áreas de Desenvolvimento, Histórioa Econômica e Finanças Públicas
Jorge Britto, Universidade Federal Fluminense

Economista pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestre em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988) e doutor em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998), com Doutorado-sanduiche no SPRU (Scicene Policy Research Unit) da Universidade de Sussex (Inglaterra). Atualmente é professor associado da Universidade Federal Fluminense e pesquisador colaborador da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ALBUQUERQUE, E. M.; SILVA, L. A.; PÓVOA, L. Diferenciação intersetorial na interação entre empresas e universidades no Brasil. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 95-104, 2005.

ALBUQUERQUE, E. M.; SILVA, L.; RAPINI, M.; SOUZA, S. Interactions between firms and universities in on immature system of innovation: a survey of R&D performer firms in Minas Gerais, Brazil. In: III GLOBELICS CONFERENCE Pretoria, South Africa, 2005. Disponível em: http://www.globelics2005africa.org.za/papers/p0050/index.php.

ALBUQUERQUE, E. M.; SUZIGAN, W.; CARIO, S.; FERNANDES, A.; SHIMA, W.; BRITTO, J.; BARCELOS, A.; RAPINI, M. An investigation on the contribution of universities and research institutes for maturing the Brazilian innnovation system: preliminary results. In: IV GLOBELICS CONFERENCE. Mexico City, 22-24 September 2008.

ALBUQUERQUE, E. M.; SUZIGAN, W.; KRUSS, G.; LEE, K. (Ed.). Developing National Systems of Innovation – university–industry interactions in the global south. [S.l.]: Edward Elgar Publishing, 2015.

ARCHIBUGI, D.; IAMMARINO, S. The globalization of technological innovation: definition and evidence. Review of International Political Economy, v. 9, n. 1, p. 98-122, 2002.

AROCENA, R.; SUTZ, J. Knowledge, innovation and learning: system and policies in the north and in the south. In: CASSIOLATO, J. et al. (Org.). System of innovation and development – Evidences from Brazil. Northampton, MA: Edward Elgar, 2003.

ARZA, V. Chanel, benefits and risks of public-private interactions for knowledge transfer: a conceptual framework inspired by Latin America. Science and Public Police, v.37, n. 7, p. 499-511, 2010.

AZEVEDO, P.; CARIO, S. A. F.; MELO, P. A. As relações universidade e empresa para o desenvolvimento inovativo sob nova perspectiva: a abordagem institucionalista-evolucionária. In: V COLÓQUIO INTERNACIONAL DE GESTÃO UNIVERSITÁRIA – CIGU. Mar del Plata – Argentina, 2, 3 e 4 de dezembro de 2015.

BEKKERS, R.; FREITAS, I. Analysing knowledge transfer channels between universities and industry: to what degree do sectors also matter? Research Policy, v. 37, n. 10, p,1838-1553, 2008.

BERNARDES, A. T.; ALBUQUERQUE, E da M. Cross-over, thresholds, and interactions between science and technology: lessons for less-developed countries, Research Policy, v. 32, p. 865-885, 2003.

BONACCORSI, A.; PICCALUGA, A. A. Theoretical framework for the evaluation of university-industry relationships. R&D Management, v. 24, n. 3, p. 229-240, 1994.

BRASCOMB, L. M.; KODAMA, F.; FLORIDA, R. Industrializing knowledge – university-industry linkages in Japan and the United States. Cambridge-Londres: The MIT Press, 1999.

BRITO, J.; DEL-VECCHHIO, R. Patterns of university-industry interactions in Brazil: an explanatory analysis using the instrumental of graph theory. Quality & Quantity, v. 48, n. 4, p. 1867-1892, July 2014.

BRITTO, J.; OLIVEIRA, B. F. Padrões setoriais de interação universidade-empresa no Brasil: um mapeamento de competências a partir de informações da pesquisa “Brazil Survey”. Revista de Economia, v. 37, número especial, p. 167-212, 2011.

BRITTO, J.; VARGAS, M. A. A systemic innovation policy with an inclusive perspective: the evolution of the Brazilian policy to the pharmaceutical sector. [S.l.], 2015 (Globelics Working Paper Series, n. 2015-07).

BRITTO, J. N. P.; STALLIVIERI, F. Innovation Policy in Brazil at a Crossroads: Institutional Hysteresis and the Need of Coordination., In: IX GLOBELICS INTERNATIONAL CONFERENCE. Buenos Aires, November 15-17 2011.

CASSIOLATO, J. E.; BRITTO, J.; VARGAS, M. A. Arranjos cooperativos e inovação na indústria brasileira. In: DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S. (Org.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: Ipea, 2005. p. 511-576.

COHEN, W. et al. Links and impacts: the influence of public R&D on industrial research. Management Science, v. 48, n. 1, p. 1-23, 2002.

COSTA, A.; RUFFONI, J.; PUFFAL, D. Proximidade geográfica e interação universidade-empresa no Rio Grande do Sul. Revista de Economia, v. 37, n. 3, p. 213-238, 2011.

CUNICO, E.; CIRANI, C. B. S.; TEIXEIRA, C. E.; FREITAS, W. R. S. A estrutura do SNI brasileiro e a cooperação tecnológica como instrumento para geração de inovação na indústria nacional. In: XVI SEMEAD, SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO. Anais...São Paulo: FEA-USP, 2013.

DAGNINO, R. A relação universidade-empresa no Brasil e o “argumento da hélice tripla”. Convergencía Revista de Ciencias Sociales, v. 11, n. 35, p. 253-291, 2004.

DUTRÉNIT, G.; ARZA, V. Channels and benefits of interactions between public research organisations and industry: comparing four Latin American countries. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 473-484, 2010.

ETZKOWITZ, H. Hélice tríplice: universidade-industria-governo-inovação em movimento. 1. ed. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2013.

ETZKOWITZ, H.; LEYDERSDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems “mode 2” to a tripe helix of university-industry-government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

FERNANDES, A. C.; CAMPELO DE SOUZA, B.; STANFORD SILVA, A.; SUZIGAN, W.; CHAVES, C. V.; ALBUQUERQUE, E, M. Academy-industry links in Brazil: evidence about channels and benefits for firms and researchers. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 485-498, 2010.

FUENTES, C.; DUTRÉNIT, G. Best channels of academia–industry interaction for long-term benefit. Research Policy, v. 41, n. 9, p. 1666-1682, 2012.

GARCIA, R.; ARAÚJO, V. C.; MASCARINI, S.; SANTOS, E.G. Os efeitos da proximidade geográfica para o estímulo da interação universidade-empresa. Revista de Economia, v. 37, n. 3, p. 307-330,2011.

GONÇALO, C.; ZANLUCHI, J. B. Relacionamento entre empresa e universidade: uma análise das características de cooperação em um setor intensivo em conhecimento. Base (UNISINOS), v. 8, n. 3, p. 261-272, 2011.

KLEVORICK, A.; LEVIN, R.; NELSON, R.; WINTER, S On the sources and significance of interindustry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p.185-205, 1995.

KUPFER, D.; AVELLAR, A. P. Innovation and cooperation: evidences from the Brazilian innovation survey. In: XXXVII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA. Anais... Foz do Iguaçu: Anpec, 2009.

LUNDVALL, B. A. Introduction. In: LUNDVALL, B. A. National Systems of Innovation: towards a Theory of Innovation and Interactive Learning. London: Printer Publishers, 1992.

LUNDVALL, B. The university in the learning economy. [S.l.], 2002 (DRUID Working Paper n. 02-06).

MACHADO, D. Q.; CABRAL, J. E. O.; MATOS, F. R. N. Padrões na utilização de agentes de cooperação para a inovação na indústria de transformação brasileira. Brazilian Business Review, v. 12, n. 1, p. 105-128, jan.-fev. 2015.

MARQUES, R. A.; FREITAS, I. M. B.; SILVA, E. M. P. Colaboração com universidade e as atividades para inovação de empresas brasileiras. Engevista, v. 9, n. 2, p. 112-128, dezembro 2007.

MAZZOLENI, R. Catching up and academic institutions: a comparative study of past national experiences. Journal of Development Studies, v. 44, n. 5, p. 678-700, 2008.

MAZZOLENI, R.; NELSON, R. Public research institutions and economic catch-up. Research Policy, v. 36. p. 1512-1528, 2007.

MELO, L. M.; RAPINI, M. Financing innovation in Brazil: empirical evidence and implicit S&T. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2012.

MOWERY, D.; NELSON, R.; SAMPAT, B.; ZIEDONIS, A. Ivory tower and industrial innovation: university-industry technology transfer before and after the Bayh-Dole Act. Stanford: Stanford University, 2004.

NARIN et al. The increase linkage between U.S. technology and public science. Research Policy,v 26, p. 317-330, 1997.

NOVELI, M.; SEGATTO, A. P. Processo de cooperação universidade-empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 1, p. 81-105, 2012.

PARANHOS, J.; HASENCLEVER, L. Industry-university interactions in the pharmaceutical system of innovation: Brazilian and international data. In: DRUID-DIME ACADEMY WINTER PhD CONFERENCE. Aalborg: DRUID-DIME, 2009.

PERKMANN, M.; WALSH, K. Engaging the scholar: three types of academic consulting and their impact on university and industry. Research Policy, v 37, n. 10, p. 1884-1891, 2008.

PINHO, M. A visão das empresas sobre a relação entre universidade e empresas no Brasil: uma análise baseada nas categorias de intensidade tecnológica. Revista de Economia, v. 37, n. 3, p. 279-306, 2011.

PINHO, M.; TORKOMIAN, A. L.V.; SANTOS, M. E. R. As relações entre universidades e empresas no Brasil: mais do que se supõe, menos do que se precisa. In: XIV CONGRESSO IBERO-LATINOAMERICANO DE GESTÃO DA TECNOLOGIA – ALTEC 2015. Porto Alegre, outubro 2015.

PÓVOA, L.; MONSUETO, S. Tamanho das empresas, interação com as universidades e inovação. Revista de Economia, v. 37, n. 3, p. 7-21, 2011.

RAPINI, M.; CASSIOLATO, J. E.; BITTENCOURT P. A relação universidade-indústria no Sistema Nacional de Inovação brasileiro: uma síntese do debate e perspectivas recentes. Rio de Janeiro: IE-UFRJ, 2007 (BRICS Projetc, Research Paper 11/07).

RAPINI, M.; CHIARINI, T.; BITTENCOURT, P. F. Innovation system and development in Latin America: university-industry interactions in Brazil. In: XVIII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA. Anais... Belo Horizonte: Sociedade Brasileira de

Economia Política, 2013.

RAPINI, M. Interação universidade-empresa no Brasil: evidência do diretório dos grupos do CNPq. Estudos Econômicos, v 37, n. 1, p. 211-233, 2007.

RIBEIRO, L.; RUIZ, R. M.; BERNARDES, A. T.; ALBUQUERQUE, E. M. Matrices of science and technology interactions and patterns of structured growth: implications for development. Scientometrics, v 83, n. 1, p. 55-75, 2010.

RIGHI, H. M. O panorama da interação entre universidade e indústria no Brasil. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.RIGHI, H. M.; RAPINI, M. S. Interação universidade-empresa no Brasil em 2002 e 2004: uma aproximação a partir dos grupos de pesquisa do CNPq. Revista Economia, v. 8, n. 2, p. 248-268, 2007.

ROSENBERG, N. Inside the balck box: technology and economics. Cambridge: Cambridge University, 1982.

SCHARTINGER, D.; RAMMER, C.; FRÖHLICH, J. Knowledge interactions between universities and industry in Austria: sectorial patterns and determinants. Research Policy, v. 31, n. 3, p.303-328, Mar. 2002.

SEGATTO, A. P. M.; SBRAGIA, R. O processo de cooperação universidade-empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração, v. 37, n. 4, p. 58-71, out./dez. 2002.

SILVA NETO, F.; SANTOS, U. P.; OLIVEIRA, V. P.; CASTRO, P. G.; FRANCO, L. T. M.; NEGRI, F. A interação universidade/instituto público de pesquisa e empresa no Brasil: resultados comparativos entre o relacionamento com empresas nacionais e multinacionais. Revista de Economia, v. 37, n. 3, p. 117-140, 2011.

SILVA, L. A. Padrões de interação entre ciência e tecnologia: uma investigação a partir de estatísticas de artigos e patentes. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Belo Horizonte, 2003.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E.; CARIO, S. Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2011.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. A interação entre universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 2008 (Texto para discussão n. 329).

SUZIGAN, W. The underestimated role of universities for the Brazilian system of innovation. Revista de Economia Política, v. 31, n. 1, p. 3-30, 2011.

SUZIGAN, W.; RAPINI, M.; ALBUQUERQUE, E. A changing role for universities in the periphery. Belo Horizonte: Cedeplar-UFMG, 2011 (Textos para discussão, 420).

TETHER, B. S. Who co-operates for innovation, and why. An empirical analysis. Research Policy, v. 31, n. 6, p. 947-967, 2002.

TIJSSEN, R. Universities and industrially relevant science: toward mensurement models and indicators of enterpreneurial orientation. Research Policy, v. 35, n. 10, p. 1569-1585, 2006.

VELHO, L.; SAENZ, T. W. R&D in the public and private sector in Brazil: complements or substitutes? Maastricht, The Netherland: UNU/INTECH, 2002 (UNU/INTECH Discussion Paper, 2002-8).

Publicado
2017-02-21
Como Citar
Bastos, C. P., & Britto, J. (2017). Inovação e geração de conhecimento científico e tecnológico no Brasil: uma análise dos dados de cooperação da Pintec segundo porte e origem de capital. Revista Brasileira De Inovação, 16(1), 35-62. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i1.8649139
Seção
Artigos