Competitividade e gap tecnológico – uma análise comparativa entre Brasil e países europeus selecionados

Palavras-chave: Capacitações tecnológicas. Competitividade. Gap tecnológico. Indicadores de inovação.

Resumo

Este artigo analisa os padrões de comportamento inovativo de diferentes países, com o propósito de verificar a existência de um gap tecnológico entre o Brasil e os países tecnologicamente mais dinâmicos desta amostra, os quais serão chamados de fronteira tecnológica. A metodologia proposta consiste na análise de correspondência, realizada por meio um conjunto de indicadores de inovação elaborados a partir da Pesquisa de Inovação Tecnológica (Pintec), do IBGE, e do Community Innovation Survey (CIS). Com base em quatro indicadores de inovação setoriais construídos para o Brasil e um conjunto de dez países europeus, foram elaboradas as análises de correspondência, considerando as dimensões país-indicador e setor-indicador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Massaroli Melo, Universidade Estadual Paulista

Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002), mestrado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006) e doutorado em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Atualmente é professora da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

André Luiz Correa, Universidade Estadual Paulista
Doutor em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2008). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. 
Enéas Gonçalves Carvalho, Universidade Estadual Paulista
Graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1981), mestrado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (1993) e doutorado em Ciência Econômica pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Atualmente é professor assistente doutor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.
Mario Luiz Possas, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Graduação em Engenharia de Comunicacões pelo Instituto Militar de Engenharia (1970), mestrado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1977) e doutorado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1983). Atualmente Professor Colaborador Voluntário e Professor Emérito do Instituto de Economia da UFRJ.

Referências

AMENDOLA, G.; DOSI, G.; PAPAGNI, E. The dynamics of industrial competitiveness. Weltwirtschaftliches Archiv, v. 129, n. 3, p. 451-471, Feb., 1993.

ANTIMIANI, A.; CONSTANTINI, V. Trade performances and technology in the enlarged European Union. Journal of Economic Studies, v. 40, n. 3, p. 355-389, 2013.

BELDERBOS, R.; DUVIVIER, F.; WYNEN, J. Innovation and export competitiveness: evidence from Flemish firms. [S.l.]: Steunpunt Ondernemen en Internationaal Ondernemen (STOIO), 2009 (Working paper).

BELL, M.; PAVITT, K. Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries. Industrial and Corporate Change, v. 2, n. 2, p. 157-210, 1993.

BELL, M.; PAVITT, K. The development of technological capabilities. In: HAQUE, I. U. (Ed.). Trade, technology and international competitiveness. Washington: The World Bank, 1995. p. 69-101.

CANTWELL, J. Inovation and competitiveness. In: FAGERBERG, J. et al. The Oxford handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press 2005.

CASTELLACCI, F. Innovation and the competitiveness of industries: comparing the mainstream and the evolutionary approaches. Technological Forecasting & Social Change, v. 75, p. 984-1006, 2008.

DAMIJAN, J. P.; KOSTEVC, C.; POLANEC, S. From innovation to exporting or vice versa? Causal link between innovation activity and exporting in Slovenian microdata. [S.l.]: MICRO-DYN.EU Sixth Framework Programme, 2008. (Working paper n. 05/08).

DOSI, G.; SOETE, L. Technology gaps and cost-based adjustment: some explorations on the determinants of international competitiveness. Metroeconomica, v. 35, n. 3, p. 197-222, outubro 1983.

DOSI, G. Technical change and international trade. In: DOSI, G.; FREEMAN, C.; NELSON, R. R.; SILVERBERG, G.; SOETE, L. (Ed.) Technical change and economic theory. Londres: Pinter Publishers, 1988. p. 401-431.

DOSI, G.; PAVITT, K.; SOETE, L. The economics of technical change and international trade. London: Harvester Wheatsheaf, 1990.

DOSI, G.; GRAZZI, M.; MOSCHELLA, D. Technology and costs in international competitiveness: from countries and sectors to firms. Sant’Anna School, April, 2014 (LEM Working Paper, n. 2014/10).

EUROSTAT. Community Innovation Survey 2010. Luxemburgo: Eurostat, 2013.

FAGERBERG, J. Technology and international differences in growth rates. Journal of Economic Literature, v. 32, n. 3, p. 1147-1175, Sep. 1994.

FAGERBERG, J. Technology, grow and competitiveness: selected essays. Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing, 2002.

FAGERBERG, J.; SRHOLEC, M. National innovation systems, capabilities and economic development. Research Policy, v. 37, n. 9, p. 1417-1435, Oct. 2008.

FAGERBERG, J.; SRHOLEC, M.; KNELL, M. The competitiveness of nations: why some countries prosper while others fall behind. World Development, v. 35, n. 10, p. 1595-1620, Oct., 2007.

FAGERBERG, J.; VERSPAGEN, B. One Europe or several? Causes and consequences of the European stagnation. In: WORKSHOP THE CHALLENGE FOR EUROPE IN A NEW AGE. Alborg, Mar. 2013.

GREENACRE, M; HASTIE, T. The geometric interpretation of correspondence analysis. Journal of the American Statistical Association, v. 82, p. 437-447, 1987.

GREENACRE, M. La pratica del análisis de correspondências. Bilbao: Fundación BBVA, 2008.

HAIR JR., J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BACK, W. C. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Inovação: instruções para o preenchimento do questionário. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica 2011. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

LALL, S. Competitiveness, technology and skills. Cheltenham, UK: Edward Elgar Publishing, 2001.

LALL, S. Technological capabilities and industrialization. World Development, v. 20, n. 2, p. 165-186, Feb. 1992.

MOREWY, D.; NELSON, R. Sources of industrial leadership: studies of seven industries. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1999.

NELSON, R. R. National Innovation Systems: a retrospective on a study. Industrial and Corporate Change, v. 1, n. 2, p. 347-374, 1993.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge, MA: Belknap Press of Harvard University Press, 1982.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Technology and the Economy: the key relationships. Paris: OECD, 1992.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Frascati manual: proposed standard practice for surveys on research and experimental development. Paris: OECD Publications Service, 2002.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. OECD science, technology and industry scoreboard. Paris: OECD Publishing, 2005.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Perspectives on global development 2013 – Industrial policy in a changing world. Paris: OECD Publishing, 2013.

PELAEZ, V.; MELO, M.; HOFMANN, R.; AQUINO, D. Fundamentos e microfundamentos da capacidade dinâmica da firma. Revista Brasileira de Inovação, v. 7, n. 1, p. 101-125, jan./ jun. 2008.

POSNER, M. V. International trade and technical change. Oxford Economic Papers, v. 13, n. 3, p. 323-341, Oct. 1961.

POSSAS, M. L. Estruturas de mercado em oligopólio. Economia e planejamento. São Paulo: Editora Hucitec, 1987.

POSSAS, S. Concorrência e competitividade. Notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. São Paulo: Hucitec, 1999.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper & Row, 1942.

TEECE, D. J.; PISANO, G. Dynamic capabilities of firms: an introduction. Industrial and Corporate Change, v. 3, n. 3, p. 537-556, 1994.

TEECE, D. Explicating dynamic capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, v. 28, n. 13, p. 1319-1350, 2007.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, P. B. O papel da política tecnológica na promoção das exportações. In: PINHEIRO, A. C.; MARKWALD, R.; PEREIRA, L. V. (Org.) O desafio das exportações. Rio de Janeiro: BNDES, 2002. p. 245-282.

Publicado
2017-02-21
Como Citar
Melo, T. M., Correa, A. L., Carvalho, E. G., & Possas, M. L. (2017). Competitividade e gap tecnológico – uma análise comparativa entre Brasil e países europeus selecionados. Revista Brasileira De Inovação, 16(1), 129-156. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i1.8649142
Seção
Artigos