Hierarquia e concentração na distribuição regional brasileira de invenções por tipos de tecnologias

Palavras-chave: Hierarquia urbana. Concentração. Patentes. Regiões inventivas. Brasil

Resumo

Este artigo propõe uma classificação das regiões brasileiras em função de suas competências tecnológicas, as quais são identificadas por classes tecnológicas, segundo a International Patent Classification – IPC, presentes nos depósitos de patentes (BADEPI/INPI) no período 2000-2011. A classificação é baseada em três indicadores: coeficiente de Zipf, índice de Gini e estatística I de Moran. Os resultados indicam que o grau de hierarquia e concentração em regiões é menor em tecnologias de química de alimentos, engenharia mecânica e civil, sendo tais tecnologias mais presentes em regiões menos centrais. Por outro lado, as tecnologias de engenharia elétrica e telecomunicações, biológicas e nanotecnologias apresentam um grau de hierarquia e concentração maior, sendo dominadas por São Paulo, Campinas e Rio de Janeiro. Os padrões de aglomeração indicam a existência de associação espacial positiva destas tecnologias no Sudeste e Sul do Brasil, em particular nas capitais dos estados e na região de Campinas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Siqueira Rodriguez, Universidade Federal de Juiz de Fora
Bacharel em C. Econômicas pela Universidade Federal Fluminense (2013), mestre em Economia Aplicada no PPGEA/UFJF (economia regional e urbana) e atualmente doutorando em Economia no PPGE/UFF, com ênfase em economia política.
Eduardo Gonçalves, Universidade Federal de Juiz de Fora
Doutor em Economia Regional e Urbana (2007) e Mestre em Economia (1998) pelo CEDEPLAR/UFMG. Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1995). É professor da Faculdade de Economia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) desde 2000, sendo responsável pelas disciplinas História do Pensamento Econômico I e II e Economia da Tecnologia. No mestrado em Economia Aplicada, leciona Economia da Tecnologia. Pesquisa nas áreas de Economia da Tecnologia e Economia Regional e Urbana

Referências

ACS, Z. J.; ANSELIN, L.; VARGA, A. Patents and innovation counts as measures of regional production of new knowledge. Research Policy, v. 31, n. 7, p. 1069-1085, 2002.

ALBUQUERQUE, E. da M. Domestic patents and developing countries: arguments for their study and data from Brazil (1980-1995). Research Policy, v. 29, n. 9, p. 1047-1060, 2000.

ANSELIN, L. Spatial econometrics: methods and models. Springer Science & Business Media, 1988.

ANSELIN, L. Local indicators of spatial association – LISA. Geographical Analysis, v. 27, n. 2, p. 93-115, 1995.

ARAÚJO, V. de C. Dimensão local da inovação no Brasil: determinantes e efeitos de proximidade. 2014. 188 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

ARAÚJO, V. de C.; GARCIA, R. Local determinants of innovation and spatial dependence – A Spatial Tobit model applied to Brazilian Micro-regions. In: 42° ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA. Anais... Natal: Anpec, 2014.

ARAÚJO, B. C.; CAVALCANTE, L. R.; ALVES, P. Variáveis proxy para os gastos empresariais em inovação com base no pessoal ocupado técnico-científico disponível na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, v. 5, p. 16-21, 2009.

AUDRETSCH, D. B.; FELDMAN, M. P. R&D spillovers and the geography of innovation and production. The American Economic Review, v. 86, n. 3, p. 630-640, 1996.

AUDRETSCH, D. B.; STEPHAN, P. E. Company-scientist locational links: the case of biotechnology. The American Economic Review, v. 86,n. 3, p. 641-652, 1996.

BARCELOS, V; et al. The use of intellectual property in Brazil. World Intellectual Property Organization, 2014 (Economic Research Working Paper, n. 23).

BAUMONT, C.; ERTUR, C.; GALLO, J. Spatial analysis of employment and population density: the case of the agglomeration of Dijon 1999. Geographical Analysis, v. 36, n. 2, p. 146-176, 2004.

CARLINO, G. A., CHATTERJEE, S.; HUNT, R. M. Urban density and the rate of invention. Journal of Urban Economics, v. 61, n. 3, p. 389-419, 2007.

CARLINO, G,; KERR, W, R. Agglomeration and innovation. National Bureau of Economic Research, 2014.

CEH, B. Regional innovation potential in the United States: evidence of spatial transformation. Papers in Regional Science, v. 80, n, 3, p. 297-316, 2001.

CHRISTALLER, W. Central places in southern Germany. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1966.

DINIZ, C. C.; GONÇALVES, E. Economia do conhecimento e desenvolvimento regional no Brasil. In: DINIZ, C. C.; LEMOS, M. B. (Org.). Economia e território. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005. p. 131-170.

EUROSTAT. High-tech industry and knowledge intensive services (htec). 2016. Disponível em http://ec.europa.eu/eurostat/cache/metadata/DE/htec_esms.htm. Acesso em: 12 set. 2016.

FELDMAN, M. P. The new economics of innovation, spillovers and agglomeration: a review of empirical studies. Economics of Innovation and New Technology, v. 8, n. 1-2, p. 5-25, 1999.

FELDMAN, M. P.; FLORIDA, R. The geographic sources of innovation: technological infrastructure and product innovation in the United States. Annals of the Association of American Geographers, v. 84, n. 2, p. 210-229, 1994.

FUJITA, M.; KRUGMAN, P. R.; VENABLES, A. J. The spatial economy: cities, regions, and international trade. Cambridge, MA, London, England: MIT Press, 2001.

GARCIA, R. Geografia da inovação. In: RAPINI, M. S.; SILVA, L. A.; ALBUQUERQUE, E. da M. (Org.). Economia da ciência, tecnologia e inovação. População e Economia (UFMG), 2016.

GLAESER E. L.; KALLAL, H. D.; SCHEINKMAN, J. A.; SHLEIFER, A. Growth in cities. Journal of Political Economy, v. 100, n. 6, p. 1126-1152, 1992.

GÓIS SOBRINHO, E. M. G.; AZZONI, C. R. Potencial inovativo da indústria nas regiões brasileiras. Revista Brasileira de Inovação, v. 15, n. 2, p. 275-304, jul./dez. 2016.

GONÇALVES, E. O padrão espacial da atividade inovadora brasileira: uma análise exploratória. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 37, n. 2, p. 405-433, 2007.

GONÇALVES, E.; ALMEIDA, E. Innovation and spatial knowledge spillovers: evidence from Brazilian patent data. Regional Studies, v. 43, n. 4, p. 513-528, 2009.

GONÇALVES, E.; LEMOS, M, B,; NEGRI, J, A, de. The role of firm and territory in innovative activities in Brazilian post-opening economy. Economia Aplicada, v. 15, n. 1, p. 103-130, 2011.

GUERRIERO, V. Power law distribution: method of multi-scale inferential statistics. Journal of Modern Mathematics Frontier, v. 1,n. 1, p. 21-28, 2012.

HIGGS, R. American inventiveness, 1870-1920. The Journal of Political Economy, v. 79, n. 3, p. 661-667, 1971.

HOLMES, T. J.; LEE, S. Cities as six-by-six-mile squares: Zipf ’s law? Agglomeration Economics. Chicago, IL: University of Chicago Press, 2010. p. 105-131.

HSU, W.‐T. Central place theory and city size distribution. The Economic Journal, v. 122, n. 563, p. 903-932, 2012.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de influência das cidades 2007. Rio de Janeiro, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão urbano-regional. Rio de Janeiro, 2013.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Arranjos populacionais e concentrações urbanas no Brasil. Rio de Janeiro, 2015.

JAFFE, A. B. Real effects of academic research. The American Economic Review, v. 79, n. 5, p. 957-970, 1989.

JAFFE, A.; TRAJTENBERG, M. HENDERSON, R. M.; Geographic localization of knowledge spillovers as evidenced by patent citations. The Quarterly Journal of Economics, v. 108, n. 3, p. 578-598, 1993.

JOHANSSON, B. Generation and diffusion of innovation. In: FISCHER, M. M. Handbook of regional science. Heidelberg: Springer, 2014.

KRUGMAN, P. R. Geography and trade. Cambridge, MA: MIT Press, 1991.

LE GALLO, J.; CHASCO, C. Spatial analysis of urban growth in Spain, 1900-2001. Empirical Economics, v. 34, n. 1, p. 59-80, 2008.

LEMOS, M. B.; CAMPOS, B.; BIAZI, E.; SANTOS, F. Capacitação tecnológica e catching up: o caso das regiões metropolitanas emergentes brasileiras. Revista de Economia Política, v. 26, n. 1, p. 95-118, 2006.

LESAGE, J. P. Spatial econometrics. Regional research institute. Morgantown,WV: West Virginia Univ., 1999.

MALISZEWSKI, P. J.; HUALLACHAIN, B. O. Hierarchy and concentration in the American urban system of technological advance. Papers in Regional Science, v. 91, n. 4, p. 743-758, 2012.

MARSHALL, A. Princípios de economia. São Paulo: Nova Cultural, 1983 (Os Economistas).

MASCARINI, S. Fatores territoriais da inovação: uma análise empírica das relações entre os insumos inovativos e os resultados da inovação aplicada às microrregiões paulistas. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Geociências – Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, Campinas, 2012.

MCCANN, P.. Schools of thought on economic geography, institutions, and development. In: FISCHER, M. M. Handbook of regional science. Heidelberg: Springer, 2014.

MONTENEGRO, R. L.; GONÇALVES, E.; ALMEIDA, E. Dinâmica espacial e temporal da inovação no estado de São Paulo: uma análise das externalidades de diversificação e especialização. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 41, n. 4, p. 743-776, 2011.

MORENO, R.; PACI, R.; USAI, S. Spatial spillovers and innovation activity in European regions. Environment and Planning A, v. 37, p. 1793-1812, 2005.

MUKIM, M. Does agglomeration boost innovation? An econometric evaluation. Spatial Economic Analysis, v. 7, n. 3, p. 357-380, 2012.

MULLIGAN, G. F. Agglomeration and central place theory: a review of the literature. International Regional Science Review, v. 9, n. 1, p. 1-42, 1984.

NAKAMURA, R.; PAUL, C. J. M. Measuring agglomeration. In: CAPELLO, R.; NIJKAMP, P. (Ed.). Handbook of regional growth and development theories. Cheltenham, UK; Northampton, MA: Edward Elgar Publishing, 2010.

NEWMAN, M. E. J. Power laws, Pareto distributions and Zipf ’s law. Contemporary Physics, v. 46, n. 5, p. 323-351, 2005.

OHLIN, B. International and interregional trade. Harvard Economic Studies, Cambridge, MA: Harvard University Press, 1933.

O’HUALLACHÁIN, B. Patent places: size matters. Journal of Regional Science, v. 39, n. 4, p. 613-636, 1999.

RUIZ, R. M. Estruturas urbanas comparadas: Estados Unidos e Brasil. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 35, n. 4, p. 715-737, 2005.

SCHMOCH, U. Concept of a technology classification for country comparisons. Final report to the world intellectual property organization (WIPO). WIPO, 2008.

SIMÕES, R. F. et al. Centralidades e hierarquia urbana em Minas Gerais: uma visão prospectiva. In: XIV SEMINÁRIO SOBRE A ECONOMIA MINEIRA. Anais... Belo Horizonte: Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

SIMMIE, J. Innovative cities. New York: Routledge, 2003a.

SIMMIE, J. Innovation and urban regions as national and international nodes for the transfer and sharing of knowledge. Regional Studies, v. 37, n. 6-7, p. 607-620, 2003b.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J.; GARCIA, R.; SAMPAIO, S. E. K. Inovação e conhecimento: indicadores regionalizados e aplicação a São Paulo. Revista de Economia Contemporânea, v. 10, n. 2, p. 323-356, 2006.

WIPO – World International Pattent Office. International Patent Classification (IPC). Disponível em: http://www.wipo.int/classifications/ipc/en/. Acesso em: 16 jun. 2015.

Publicado
2017-08-21
Como Citar
Rodriguez, R. S., & Gonçalves, E. (2017). Hierarquia e concentração na distribuição regional brasileira de invenções por tipos de tecnologias. Revista Brasileira De Inovação, 16(2), 225-266. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i2.8650107
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)