A interação universidade-empresa na indústria de petróleo brasileira: o caso da Petrobras

Palavras-chave: Interação Universidade-Empresa. Coautoria. Análise de Redes Sociais. Brasil. Indústria do Petróleo

Resumo

Este artigo analisa a colaboração em pesquisa entre a empresa estatal petrolífera brasileira, Petrobras, e universidades no período de 1980 a 2014. Apesar da importância da interação universidade-empresa na indústria de petróleo brasileira, há poucos estudos temporalmente abrangentes sobre o tema. Este trabalho ajuda a preencher uma lacuna na literatura, provendo dados comparativos de longo prazo sobre a colaboração em pesquisa entre a Petrobras e universidades. Baseando-se nas publicações da Petrobras em coautoria com universidades, são analisadas as mudanças na intensidade e orientação geográfica da colaboração, no nível de relação interorganizacional e na base de conhecimentos da empresa. Além disso, o trabalho também aborda os efeitos da recente política de financiamento à pesquisa e desenvolvimento na interação. Os resultados mostram uma crescente interação entre a Petrobras e as universidades brasileiras, levando a um alargamento da rede de colaborações científicas da empresa e reforçando sua base de conhecimentos.

Biografia do Autor

Giovanna Guimarães Gielfi, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2010) e mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (2013). Atualmente é bolsista de doutorado CNPq no Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia da Inovação, atuando principalmente nos seguintes temas: inovação, relação usuário-produtor, indústria do petróleo e universidades.
André Tosi Furtado, Universidade Estadual de Campinas
Andre Tosi Furtado concluiu o doutorado em Ciências Econômicas - Université de Paris I (Pantheon-Sorbonne) em 1983. Atualmente é Professor Titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Publicou 79 artigos em periódicos especializados e 101 trabalhos em anais de eventos. Possui 32 capítulos de livros e 3 livros publicados. Orientou 26 dissertações de mestrado e 12 teses de doutorado na área de Política Científica e Tecnológica, Planejamento Energético e Geografia. Recebeu 2 prêmio e/ou homenagem. Atua na área de Economia, com ênfase em Mudança Tecnológica. Em suas atividades profissionais interagiu com 65 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, tecnológica e artístico-cultural são: Avaliação de Grandes Programas Tecnológicos, Petrobras, Industria do Petróleo, Economia da Inovação, Política Científica e Tecnológica, Capacitação Tecnológica, Fornecedores da Indústria de Petróleo, Avaliação de P&D, Inovação Tecnológica e Petróleo.
André Sica de Campos, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Professor de políticas públicas da Faculdade de Ciências Aplicadas da Unicamp. Professor homenageado pelos formandos das turmas de 2012 de Gestão de Políticas Públicas, Gestão de Comércio Internacional, Gestão de Agronegócios e Gestão de Empresas. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas (1993), mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Estudos de Política Científica e Tecnológica pelo Science Policy Research Unit - SPRU, University of Sussex, Reino Unido (2007). Realizou pós-doutorados no Centre for Research in Innovation Management da University of Brighton e no Research Councils UK, ambos no Reino Unido (2008/2009). Foi Faculty Fellow da Brighton Business School (University of Brighton - Reino Unido 2012-2014). É parecerista de periódicos nacionais (Revista Brasileira de Inovação) e internacionais (Research Policy). Foi parecerista do Economic and Social Research Council (Reino Unido), entre 2010 e 2015. Tem experiência na área de pesquisa em Política Científica e Tecnológica com financiamento pelo Economic and Social Research Council e pela European Commission. Tem ainda experiência docente em economia e administração de empresas (University of Sussex e University of Brighton). Atua principalmente nos seguintes temas: avaliação, inovação, ciência, indicadores e impactos.
Robert Tijssen, Centre for Science and Technology Studies
Presidente da Ciência e Estudos de Inovação da Universidade de Leiden . Ele lidera o programa de pesquisa Ciência, Tecnologia e Inovação (STIS) no CWTS.

Referências

ALBUQUERQUE, E. M. et al. (Ed.). Developing national systems of innovation: university industry interactions in the Global South. Cheltenham, UK and Northampton, MA: Edward Elgar, 2015.

ANP. Boletim ANP Petróleo e P&D, n. 1, p. 1-22, ago. 2013.

ARROW, K. Economic welfare and the allocation of resources for invention. The rate and direction of inventive activity: economic and social factors. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 1962. v. I, p. 609-626.

ARZA, V. Channels, benefits and risks of public-private interactions for knowledge transfer: conceptual framework inspired by Latin America. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 473-484, Aug. 2010.

BEKKERS, R.; BODAS FREITAS, I. M. Analysing knowledge transfer channels between universities and industry: to what degree do sectors also matter? Research Policy, v. 37, n. 10, p. 1837-1853, Dec. 2008.

BODAS FREITAS, I. M.; MARQUES, R. A.; SILVA, E. M. D. P. E. University-industry collaboration and innovation in emergent and mature industries in new industrialized countries. Research Policy, v. 42, n. 2, p. 443-453, Mar. 2013.

BRASIL. Ministério da Ciência e Tecnologia. Plano de Ação 2007-2010: ciência, tecnologia e inovação para o desenvolvimento nacional. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2007.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015. Brasília: MCTI, 2012.

CALVERT, J.; PATEL, P. University-industry research collaborations in the UK: bibliometric trends. Science and Public Policy, v. 30, n. 2, p. 85-96, 2003.

CHAVES, C. V. et al. The point of view of firms in Minas Gerais about the contribution of universities and research institutes to R&D activities. Research Policy, v. 41, n. 9, p. 1683-1695, 2012.

COCKBURN, I. M.; HENDERSON, R. M. Absorptive capacity, coauthoring behavior, and the organization of research in drug discovery. The Journal of Industrial Economics, v. 46, n. 2, p. 157-182, 1998.

COHEN, W. M.; NELSON, R. R.; WALSH, J. P. Links and impacts: The influence of public research on industrial R&D. Management Science, v. 48, n. 1, p. 1-23, 2002.

DANTAS, E.; BELL, M. The co-evolution of firm-centered knowledge networks and capabilities in late industrializing countries: the case of Petrobras in the offshore oil innovation system in Brazil. World Development, v. 39, n. 9, p. 1570-1591, Sep. 2011.

DUTRÉNIT, G. Interactions between public research organisations and industry in Latin America: a study on channels and benefits from the perspective of firms and researchers. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 471-472, Aug. 2010.

DUTRÉNIT, G.; ARZA, V. Channels and benefits of interactions between public research organisations and industry: comparing four Latin American countries. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 541-553, Aug. 2010.

EUROPEAN COMMISSION. Innovation Union Scoreboard. Brussels: [s.n.].

EUROPEAN COMMISSION. Innovation Union Scoreboard 2015. Brussels: [s.n.].

FAPESP. Science, Technology & innovation indicators in the State of São Paulo/Brazil 2010. São Paulo: [s.n.].

FERNANDES, A. C. et al. Academy-industry links in Brazil: evidence about channels and benefits for firms and researchers. Science and Public Policy, v. 37, n. 7, p. 485-498, Aug. 2010.

FERREIRA, M. L. A.; RAMOS, R. R. Making university-industry technological partnerships work: a case study in the Brazilian oil innovation system. Journal of Technology Management & Innovation, v. 10, n. 1, p. 173-187, 2015.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The economics of industrial innovation. Cambridge, MA: The MIT Press, 1997.

FURTADO, A. T. Mudança institucional e inovação na indústria brasileira de petróleo. Revista Brasileira de Energia, v. 9, p. 1-12, 2003.

FURTADO, A. T. Institutional arrangements and science and technology policies in the energy sector. In: PRIME-LATIN AMERICA CONFERENCE. Anais...Cidade do México, 2008. v. 1, p. 1-24.

FURTADO, A. T.; FREITAS, A. G. The catch-up strategy of Petrobras through cooperative R&D. The Journal of Technology Transfer, v. 25, n. 1, p. 23-36, 2000.

GARCIA, R. et al. Looking at both sides: how specific characteristics of academic research groups and firms affect the geographical distance of university–industry linkages. Regional Studies, Regional Science, v. 2, n. 1, p. 517-533, 2015.

GIELFI, G. G. et al. User-producer interaction in the Brazilian oil industry: the relationship between Petrobras and its suppliers of wet christmas tree. Journal of Technology Management & Innovation, v. 8, Special Issue ALTEC, p. 117-127, 2013.

GIULIANI, E.; ARZA, V. What drives the formation of “valuable” university-industry linkages? Insights from the wine industry. Research Policy, v. 38, n. 6, p. 906-921, Jul. 2009.

IBGE. Pesquisa de Inovação – PINTEC. Brasília, [s.n.]. Disponível em: www.ipea.gov.br.

JACKSON, M. O. Social and economic networks. New Jersey: Princeton Univerity Press, 2008.

KATZ, J. S.; MARTIN, B. R. What is research collaboration? Research Policy, v. 26, n. 1, p. 1-18, Mar. 1997.

KLEVORICK, A. K. et al. On the sources and significance of interindustry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p. 185-205, Mar. 1995.

LAURSEN, K.; SALTER, A. Searching high and low: what types of firms use universities as a source of innovation? Research Policy, v. 33, n. 8, p. 1201-1215, 2004.

LIMA, M. F. C.; SILVA, M. A. Inovação em petróleo e gás no Brasil: a parceria Cenpes-Petrobras e Coppe-UFRJ. Sociedade e Estado, v. 27, n. 1, p. 97-115, 2012.

MANSFIELD, E. Academic research underlying industrial innovations: sources, characteristics, and financing. The Review of Economics and Statistics, v. 77, n. 1, p. 55-65, 1995.

MAZZOLENI, R.; NELSON, R. R. Public research institutions and economic catch-up. Research Policy, v. 36, n. 10, p. 1512-1528, Dec. 2007.

MAZZUCATO, M. The entrepreneurial state: debunking the public vs. private myth in risk and innovation. London: Anthem Press, 2013.

MEYER-KRAHMER, F.; SCHMOCH, U. Science-based technologies: university-industry interactions in four fields. Research Policy, v. 27, n. 8, p. 835-851, Dec. 1998.

MOWERY, D. C.; SAMPAT, B. N. Universities in National Innovation Systems. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. R. (Ed.). The Oxford handbook of innovation. Oxford: Oxford University Press, 2005. p. 209-239.

OECD. University-enterprise relations in OECD member countries. Paris: [s.n.].

OECD. Commercialising Public Research. [s.l: s.n.].

OECD. Brazil. In: OECD Science, Technology and Industry Outlook 2014. Paris: OECD Publishing, 2014. p. 280-283.

PAVITT, K. What makes basic research economically useful? Research Policy, v. 20, n. 2, p. 109-119, Apr. 1991.

PEREIRA, N. M. Fundos setoriais: avaliação das estratégias de implementação e gestão. Brasília: Ipea, 2005 (Texto para discussão, n.1136).

PEREIRA, N. M.; FIGUEIREDO, S. P. Experiências de apoio à inovação tecnológica setorial. Journal of Technology Management & Innovation, v. 1, n. 3, p. 74-80, 2006.

PERKMANN, M.; WALSH, K. The two faces of collaboration: impacts of university-industry relations on public research. Industrial and Corporate Change, v. 18, n. 6, p. 1033-1065, Jun. 2009.

POLETTO, C. A.; ARAÚJO, M. A. D. de; MATA, W. da. Gestão compartilhada de P&D: o caso da Petrobras e a UFRN. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, p. 1095-1117, ago. 2011.

RAPINI, M. S. Interação universidade-empresa no Brasil: evidências do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq. Revista de Economia Contemporânea, v. 11, n. 1, p. 99–117, 2007.

RAPINI, M. S. et al. University-industry interactions in an immature system of innovation: evidence from Minas Gerais, Brazil. Science and Public Policy, v. 36, n. 5, p. 373-386, 2009.

RAPINI, M. S.; OLIVEIRA, V. P. de; SILVA NETO, F. C. C. A natureza do financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil? Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 77-108, 2014.

RIBEIRO, C. G.; FURTADO, A. T. Government procurement policy in developing countries: the case of Petrobras. Science Technology & Society, v. 19, n. 2, p. 161-197, 2014.

ROCHA, F. Does governmental support to innovation have positive effect on R&D investments? Evidence from Brazil. Revista Brasileira de Inovação, v. 14, n. especial, p. 37-60, 2015.

SALTER, A. J.; MARTIN, B. R. The economic benefits of publicly funded basic research: a critical review. Research Policy, v. 30, n. 3, p. 509-532, 2001.

SCHARTINGER, D. et al. Knowledge interactions between universities and industry in Austria: sectoral patterns and determinants. Research Policy, v. 31, n. 3, p. 303-328, Mar. 2002.

SUSLICK, S. B. Strategic university-industry partnership in petroleum: the case of Cepetro/Unicamp as a Brazilian innovative experience. Brazilian Journal of Petroleum and Gas, v. 1, n. 2, p. 59-66, 2007.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M. The underestimated role of universities for the Brazilian system of innovation. Revista de Economia Política, v. 31, n. 1, p. 3-30, 2011a.

SUZIGAN, W. A interação entre universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil.In: SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. DA M. E; CARIO, S. A. F. (Ed.). Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2011b. p. 17-43.

TIJSSEN, R. J. W. Measuring and evaluating science-technology connections and interactions. In: MOED, H. F.; GLÄNZEL, W.; SCHMOCH, U. (Ed.). Handbook of quantitative science and technology research: the use of publication and patent statistics in studies of S&T systems. New York: Kluwer Academic Publisher, 2005. p. 695-715.

TIJSSEN, R. J. W. Co-authored research publications and strategic analysis of public-private collaboration. Research Evaluation, v. 21, n. 3, p. 204-215, 28 Jul. 2012.

TIJSSEN, R. J. W.; VAN LEEUWEN, T. N.; VAN WIJK, E. Benchmarking university industry research cooperation worldwide: performance measurements and indicators based on co-authorship data for the world’s largest universities. Research Evaluation, v. 18, n. 1, p. 13-24, Mar. 2009.

TURCHI, L.; DE NEGRI, F.; DE NEGRI, J. A. (Ed.). Impactos tecnológicos das parcerias da Petrobras com universidades, centros de pesquisa e firmas brasileiras. Brasília: Ipea, 2013.

VELHO, L.; VELHO, P.; SAENZ, T. W. P&D nos setores público e privado no Brasil: complementares ou substitutos? Parcerias Estratégicas, v. 19, p. 87-127, 2004.

VIEIRA, C. L. Brazil: new industry taxes boost science budget. Science, v. 291, n. 5509, p. 1685-1685, Mar. 2001.

YUSUF, S.; NABESHIMA, K. How universities promote economic growth. Washington: The World Bank, 2006.

Publicado
2017-08-21
Como Citar
Gielfi, G. G., Furtado, A. T., Campos, A. S. de, & Tijssen, R. (2017). A interação universidade-empresa na indústria de petróleo brasileira: o caso da Petrobras. Revista Brasileira De Inovação, 16(2), 325-350. https://doi.org/10.20396/rbi.v16i2.8650114
Seção
Artigos