Dinâmica da difusão de inovações no contexto brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v16i4.8650852

Palavras-chave:

Difusão de inovações. Teoria de Rogers. Modelo de Bass. Economias emergentes. Brasil

Resumo

Inovação e difusão são conceitos imbricados. Compreender a difusão de inovações significa avançar no entendimento do progresso tecnológico. Há na literatura o entendimento de que a difusão é contexto-dependente. O objetivo do estudo é analisar a difusão de inovações no Brasil, considerando suas particularidades socioeconômicas. Com dados de consumo retirados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) para seis produtos em diferentes períodos, estimaram-se curvas de difusão, baseadas em Rogers (1962), e calcularam-se coeficientes, conforme Bass (1969). Os principais resultados foram: o modelo mostrou-se útil para a análise da difusão no Brasil, demonstrando que as teorias de Rogers e Bass são relevantes também para este contexto; a difusão dos produtos investigados encontra-se em diferentes estágios e caracteriza-se por ser, essencialmente, um processo de imitação; e devem-se considerar as peculiaridades da difusão para a economia brasileira, pois há fatores endógenos que a tornam diferenciada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jamila Lopes Ferreira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS (2016/1). Foi bolsista de Iniciação Científica UNIBIC e integrante do Grupo de Pesquisa em Dinâmica Econômica da Inovação (GDIN) durante um ano e meio, atuando nas áreas de Economia da Tecnologia, Industrial e Inovação. Atualmente, é Auxiliar Administrativo e Financeiro em um escritório de advocacia.

Janaina Ruffoni, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Política Científica e Tecnológica pelo DPCT/UNICAMP. Professora do Programa de Pós-Graduação em Economia da UNISINOS.Tem experiência de ensino e pesquisa na UNICAMP, UFRGS e UNISINOS. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Dinâmica Econômica da Inovação (GDIN - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8825742320581605). Pesquisadora parceira no Núcleo de Gestão da Inovação Tecnológica (NITEC/UFRGS - http://www.ufrgs.br/nitec). Atua principalmente nas áreas de Economia da Tecnologia e Industrial. Temas de interesse: dinâmica de inovação da firma, proximidade geográfica e transferência de conhecimento entre firmas e instituições, interação universidade-empresa e capacidade inovativa da firma.

Alexsandro Marian Carvalho, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Possui licenciatura em Física pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2004), mestrado (2008) e doutorado (2012) em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência em física estatística, física computacional e sistemas complexos, atuando principalmente em dinâmica de sistemas sociais usando técnicas analíticas e numéricas. Atualmente trabalha na Universidade do Vale do Rio dos Sinos exercendo as funções de professor e pesquisador.

Referências

AUBERT, J-E. Promoting innovation in developing countries: a conceptual framework. Washington DC: World Bank Institute, 2005. (World Bank Policy Research Working Paper, n. 3554). Disponível em:

wps3554.pdf?sequence=1&isAllowed=y >. Acesso em: 06 jun. 2015.

BASS, F. A new product growth for model consumer durables. Management Science, Maryland, v. 15, n. 8, p. 215-227, 1969.

BATTHI, S. H.; NAUMAN, S.; EHSAN, N. The dominant patterns of innovation. Journal of Quality and Technology Management, Islamabad, v. 9, n. 1, p. 31-55, 2013.

BEMMAOR, A. C.; LEE, J. The impact of heterogeneity and ill-conditioning on diffusion model parameter estimates. Marketing Science, Maryland, v. 21, n. 2, p. 209-220, 2002.

BOALCH, G. A preliminary model of internet diffusion within developing countries. In: THIRD AUSTRALIAN WORLD WIDE WEB CONFERENCE. Proceedings… Queensland, Austrália, 1997. Disponível em: <http://ausweb.scu.edu.au/aw97/papers/boalch/paper.htm>. Acesso em: 06 jun. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Sistema Educativo Nacional de Brasil. Portal do MEC, 2016.

CONSUL. Quem é a Consul. 2015. Disponível em: <https://www.consul.com.br/sobreaconsul/>. Acesso em 18 ago. 2017.

DAVID, P. A. A contribuition to the theory of diffusion. 1. ed. Stanford: Stanford University,

DAVIES, S. The diffusion of process innovations. 1. ed. Cambridge: Cambridge University

Press, 1979.

EARP, F. de S.; PAULANI, L. M. Mudanças no consumo de bens culturais no Brasil após a estabilização da moeda. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 469-490, 2014.

EMMANOUILIDES C. J.; DAVIES, R. B. Modelling and estimation of social interaction effects in new product diffusion. European Journal of Operational Research, v. 177, n. 2, p. 1253-1274, 2007.

FERRARI, C. G. M. R. S. O surgimento da informática e sua chegada ao Brasil. Portal Educação, 2013. Disponível em: <https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/

iniciacao-profissional/o-surgimento-da-informatica-e-sua-chegada-ao-brasil/47410>. Acesso

em: 20 jul. 2017.

FIGUEIREDO, J. C. B. de. Modelo de difusão de Bass: uma aplicação para a indústria de motocicleta no Brasil. 1. ed. São Paulo: Centro de Altos Estudos da ESPM, 2014.

FILHO, G. G.; GOULART, E. E.; CAPRINO; M. P. Difusão de inovações: apreciação crítica dos estudos de Rogers. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 33, p.41-47, 2007.

FUCK, M. P. Ideias fundadoras. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 12, n. 2, p. 241-250, 2013.

FURTADO, A. Difusão tecnológica: um debate superado? In: PELAEZ, V.; SZMRECSÁNYI, T. Economia de inovação tecnológica. 1. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

GOLDENBERG, J.; LIBAI, B.; SOLOMON, S.; JAN N, S. D. Marketing percolation. Physical A: Statistical Mechanics and its Applications, v. 284, n. 1-4, p. 335-347, 2000.

GRILICHES, Z. Hybrid corn: an exploration in the economics of technological change. Econometrica, New York, v. 25, n. 4, p. 501-522, 1957.

HALL, B. H. Innovation and diffusion. Cambridge, MA: The National Bureau of Economic Research, 2004. (Working paper, n. 10212). Disponível em: <http://www.nber.org/papers/

w10212.pdf>. Acesso em: 05 maio 2015.

HAMANN, R. O preço da informática: o computador já custou mais que um carro. Tecmundo, 2011. Disponível em: <https://www.tecmundo.com.br/infografico/9210-o-precoda-

informatica-o-computador-ja-custou-mais-que-um-carro.htm>. Acesso em: 20 jul. 2017.

HISTÓRIA da Internet no Brasil. Wikipedia, a enciclopédia livre, [S.l., 2017?]. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_Internet_no_Brasil>. Acesso em: 20 ago. 2017.

HOHNISCH, M.; PITTNAUER, S.; STAUFFER, D. A percolation-based model explaining delayed takeoff in new-product diffusion. Industrial and Corporate Change, Oxford, v. 17, n. 5, p. 1001-1017, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/popul/default.asp?z=t&o=25&i=P>. Acesso em: 29 maio 2016.

_________. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Rio de Janeiro, [2016?].

Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/pnad/pnadpb.asp?o=3&i=P> e . Acesso em: 25 mar. 2016.

KAPUR, P. K.; SINGH, O.; CHANDA, U.; BASIRZADEH, M. Determining adoption pattern with pricing using two-dimensional innovation diffusion model. Journal of High Technology Management Research, v. 21, p.136-146, 2010.

KOHLI, R.; LEHMANN D. R.; PAE, J. Extent and impact of incubation time in new product diffusion. Journal of Product Innovation Management, Hanover, v. 16, n. 2, p. 134-144, 1999.

KONZEN, G. Difusão de sistemas fotovoltaicos residenciais conectados à rede no Brasil: uma simulação via modelo de Bass, 2014, 109 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

LECHMAN, E. ICTs diffusion trajectories and economic development – an empirical evidence for 46 developing countries. Gdańsk, Polônia, 2013 (GUT FME Working Paper Series A, n. 18/2013). Disponível em: <http://www.researchgate.net/profile/Ewa_Lechman/publication/

_ICTs_DIFFUSION_TRAJECTORIES_AND_ECONOMIC_DEVELOPMENT__AN_EMPIRICAL_EVIDENCE_FOR_46_DEVELOPING_COUNTRIES/links/00b7d52cdcfdd236c8000000.pdf>. Acesso em: 05 maio 2015.

LEE, T-T. Nurses’ adoption of technology: application of Rogers’ innovation-diffusion model. Applied Nursing Research, v. 17, n. 4, p. 231-238, 2004.

LIMA, S. de C. Da substituição de importações ao Brasil potência: concepções do desenvolvimento 1964-1979. Revista Aurora, São Paulo, v. 5, n. 7, p. 34-44, 2011.

MAIENHOFER, D.; FINHOLT, T. Finding optimal targets for change agents: a computer simulation of innovation diffusion. Computational and Mathematical Organization Theory, Pittsburgh, v. 8, n. 4, p. 259-280, 2002.

MANSFIELD, E. Technical change and the rate of imitation. Econometrica, Nova York, v.29, n. 4, p. 741-766, 1961.

MATSUYAMA, K. The rise of mass consumption societies. Journal of Political Economy, Chicago, v. 110, p. 1035 -1070, 2002.

METCALFE, J. S. Impulse and diffusion in the study of technical change. Futures, v. 13, n. 5, p. 347359, 1981.

MOLINA FILHO, J. Difusão de inovações: críticas e alternativas ao modelo dominante. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 6, n. 1, p. 101-115, 1989.

NANDAKUMAR, A. K.; BESWICK, J.; THOMAS, C. P.; WALLACK, S. S.; KRESS, D. Pathways of health technology diffusion: the United States and low-income countries. Health Affairs, Maryland, v. 28, n. 4, p. 986-995, 2009.

NOGUEIRA-CAMPOS, M. A.; GAMA, J. L. C. N. da; PINTO, M. de M. O processo de adoção e difusão de novas tecnologias nas edificações: uma revisão bibliográfica. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 17. Anais... Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia de Produção – Agepro, 2008. Disponível em:

<http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2008_tn_sto_087_569_11729.pdf>. Acesso

em: 04 abr. 2016.

PAULICS, V. A. T. Disseminação do Programa de Garantia de Renda Mínima no Brasil (1991 – 1997), 2003, 170 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública e Governo) – FGV/ EAESP, São Paulo, 2003.

PEREIRA, L. C. B. A estratégia brasileira de desenvolvimento entre 1967 e 1973. Revista de Administração Empresarial, São Paulo, v. 17, n. 4, p. 17-26, 1977.

RAHMANDAD, H.; STERMAN, J. Heterogeneity and network structure in the dynamics of diffusion: comparing agent-based and differential equation models. Management Science, Maryland, v. 54, n. 5, p. 998-1014, 2008.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovations. 1. ed. New York: The Free Press, 1962.

ROSENBERG, N. Perspectives on technology. 1. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.

SAMPAIO, D. C.; HATEM, F. A relação entre efeitos de rede e ciclos de feedback – aplicação prática em uma rede de apostadores, 2013, 90 f. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: <http://monografias.poli.ufrj.br/monografias/monopoli10008257.pdf >. Acesso em: 20 ago. 2017.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. 1. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1912.

SILVERBERG, G. Modeling economic dynamics and technical change: mathematical approaches to self-organization and evolution. In: DOSI, G.; FREEMAN, C.; NELSON, R.; SILVERBERG, G.; SOETE, L. Technical change and economic theory. 1. ed. Londres: Pinter, 1988.

SOARES, D. de Q. Inovação tecnológica: desafios e perspectivas dos países subdesenvolvidos. Desigualdade & Diversidade – Revista de Ciências Sociais da PUC-Rio, Rio de Janeiro, v. 8, p. 101-117, 2011.

STONEMAN, P. The economic analysis of technologial change. 1. ed. New York: Oxford University Press, 1983.

STRANG, D.; MACY, M. W. In search of excellence: fads, success stories, and adaptive emulation. American Journal of Sociology, Chicago, v. 107, n. 1, p. 147-182, 2001.

SULTAN, F.; FARLEY, J. U.; LEHMANN, D. R. A meta-analysis of

applications of diffusion models. Journal of Marketing Research, Chicago, v. 27, n. 1, p. 70-77, 1990.

TELEVISOR. Wikipedia, a enciclopédia livre, [S.l., 2017?]. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Televisor>. Acesso em 20-08-2017.

TELLIS, G. J.; STREMERSCH, S.; YIN, E. The international takeoff of new products: the role of economics, culture, and country innovativeness. Marketing Science, Maryland, v. 22, n. 2, p. 188-208, 2002.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. História dos computadores no Brasil. Portal do Projeto Museu do Computador da UEM, [2017?].

Disponível em: <http://www.din.uem.br/museu/hist_nobrasil.htm>. Acesso em: 20 jul. 2017.

VAN DEN BULTE, C.; LILIEN, G. L. Bias and systematic change in the parameter estimates of macro-level diffusion models. Marketing Science, Maryland, v. 16, n. 4, p. 338-353, 1997.

VAN DEN BULTE, C.; STREMERSCH, S. Social contagion and income heterogeneity in new product diffusion: a meta-analytic test. Marketing Science, Maryland, v. 23, n. 4, p. 530-544, 2004.

VIEIRA FILHO, J. E. R.; SILVEIRA, J. M. F. J. da. Mudança tecnológica na agricultura: uma revisão crítica da literatura e o papel das economias de aprendizado. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 50, n. 4, p. 721-742, 2012.

WHIRLPOOL. Whirlpool atinge a marca de 150 milhões de lavadoras produzidas. Site institucional, Joinville, 2017. Disponível em: <https://www.whirlpool.com.br/2011/09/whirlpool-atinge-a-marca-de-150-milhoes-de-lavadoras-produzidas>. Acesso em: 18 ago. 2017.

WILSON, E. J. Liderança e difusão da internet: o caso do Brasil. DataGramaZero, João Pessoa, v. 1, n. 2, 2000. Disponível em: <http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/787>. Acesso em: 05 maio 2015.

ZETTELMEYER, F.; STONEMAN, P. L. Testing alternative models of new product diffusion. Economics of Innovation and New Technology, Montana, v. 2, p. 283-308, 1993.

Downloads

Publicado

2018-03-14

Como Citar

LOPES FERREIRA, J.; RUFFONI, J.; MARIAN CARVALHO, A. Dinâmica da difusão de inovações no contexto brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 175–200, 2018. DOI: 10.20396/rbi.v16i4.8650852. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8650852. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)