Financiamento à inovação e interação entre atividades científicas e tecnológicas: uma análise do Pappe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v16i4.8650854

Palavras-chave:

Inovação. Políticas públicas. Subvenção econômica. Sistemas Nacionais de Inovação

Resumo

A partir do enfoque de Sistemas Nacionais de Inovação, este trabalho tem como objetivo analisar o Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (Pappe). Por meio de pesquisa direta em 65 empresas beneficiadas pelos recursos do programa, são analisadas as características das empresas participantes, as relações de cooperação previamente estabelecidas à participação no Pappe, bem como as relações geradas após a participação com diferentes agentes de inovação, e os resultados obtidos com o projeto aprovado em termos de inovação. Como resultado principal, destaca-se que o programa tem se mostrado importante na criação de inovações de produto para o mercado nacional e processos para o setor de atuação, embora sua incidência seja mais relevante sobre um conjunto de empresas que já eram inovativas e cooperativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Torres, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre em Economia (02/2016), área de concentração em Desenvolvimento Econômico, linha de pesquisa em Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico, pelo Programa de Pós-graduação em Economia (PPGE) do Instituto de Economia (IE) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Uberlândia (MG), Brasil. Bacharel em Ciências Econômicas (02/2014) pela Faculdade de Ciências Econômicas (FCE) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Marisa dos Reis Azevedo Botelho, Universidade Federal de Uberlândia

Mestre e Doutora em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas. É Professora Titular da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ANDRADE, A. Z. B. Estudo comparativo entre a subvenção econômica à inovação operada pela FINEP e programas correlatos de subsídio em países desenvolvidos. Dissertação (Mestrado) –Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.

AVELLAR, A. P.; ALVES, P. Avaliação de impacto de programas de incentivos fiscais à inovação – um estudo sobre os efeitos do PDTI no Brasil. Revista EconomiA, v. 9, n. 1, p. 143-164, 2008.

AVELLAR, A. P. Impacto das políticas de fomento à inovação no Brasil sobre o gasto em atividades inovativas e em atividades de P&D das empresas. Estudos Econômicos, v. 39, n. 3, p. 629-649, 2009.

AVELLAR, A. P.; BOTELHO, M. R. A. Efeitos das políticas de inovação nos gastos com atividades inovativas das pequenas empresas brasileiras. Estudos Econômicos, v. 46, n. 3, p. 609-642, 2016.

ARAÚJO, B. C.; PIANTO, D.; DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R.; ALVES, P. F. Impactos dos fundos setoriais nas empresas. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, número especial, p. 85-111, 2012.

BIANCHI, C.; GORDON, J. L. Descrição das empresas apoiadas pelo programa de subvenção econômica. Relatório de pesquisa n. 05/2009. Brasília: MCT, Observatório de políticas estratégicas de produção e inovação no Brasil, 2009. Disponível em: http://www.redesist. ie.ufrj.br/p8/#.

CARRIJO, M. C. Inovação e relações de cooperação: uma análise sobre o Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (PAPPE). 2011. 216 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

CARRIJO, M. C.; BOTELHO, M. R. A. Cooperação e Inovação: uma análise dos resultados do Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas (PAPPE). Revista Brasileira de Inovação, v. 12, n. 2, p. 417-448, 2013.

CASSIOLATO, J. E.; RAPINI, M. S.; BITTENCOURT, P. A relação universidade-indústria no Sistema Nacional de Inovação Brasileiro: uma síntese do debate e perspectivas recentes. Rio de Janeiro: RedeSist, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007 (Research paper, 11/07).

DALMARCO, G. Fluxo de conhecimento na interação universidade-empresa: uma análise de setores tradicionais e de alta tecnologia no Brasil e na Holanda. 2012. 191 f. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

DE NEGRI, J. A.; DE NEGRI, F.; LEMOS, M. B. Impactos do ADTEN e do FNDCT sobre o desempenho e os esforços tecnológicos das firmas industriais brasileiras. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 211-254, 2009.

ETZKOWITZ, H. The norms of entrepreneurial science: cognitive effects of the new university-industry linkages. Research Policy, v. 27, n. 8, p. 823-833, 1998.

ETZKOWITZ, H. Hélice tríplice: Universidade-Indústria-Governo – Inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems and “mode 2” to a triple helix of university-industry-government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

FREEMAN, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan. London: Pinter, 1987.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial.Campinas: Editora Unicamp, 2008.

GARCIA, R.; ARAÚJO, V. C.; MASCARINI, S.; SANTOS, E. G. Os efeitos da proximidade geográfica para o estímulo da interação universidade-empresa. Revista de Economia, v. 37, n. especial, p. 307-330, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro, 2011.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Inovação Tecnológica. Rio de Janeiro, 2014.

IBPT – Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário. Empresômetro – Censo das empresas e entidades públicas e privadas brasileiras. Curitiba: IBPT, 2012.

IPIRANGA, A. S. R.; FREITAS, A. A. F.; PAIVA, T. A. O empreendedorismo acadêmico no contexto da interação universidade – empresa – governo. Cadernos Ebape, v. 8, n. 4, p. 676-693, 2010.

LUNDVALL, B-A. (Ed). National System of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning.London-New York, Pinter Publishers, 1992.

MOTA, F. B.; BRAUNSTEIN, L. A.; OLIVEIRA, R. C. Subvenção econômica à inovação: uma análise exploratória do perfil das empresas beneficiadas na área da saúde. Brasília: MCT, Observatório de Políticas Estratégicas de Produção e Inovação no Brasil, 2009 (Nota Técnica n. 03/2009).

MOWERY, D. C.; SAMPAT, B. N. Universities in National Innovation Systems. In: FARBERGER, J.; MOWERY, D. C.; NELSON, R. The Oxford handbook of innovation. Oxford: Oxford University Press, 2006.

NOVELI, M.; SEGATTO, A. P. Processo de cooperação universidade-empresa para a inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 1, p. 81-105, 2012.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Dynamising National Innovation Systems. Paris: OCDE Publications, 2002.

OECD – Organisation for Economic Co-operation and Development. Science technology and industry scoreboard: innovation for growth and society. Paris: OCDE Publications, 2015.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, n. 6, p 343-373, 1984.

RAPINI, M.; ALBUQUERQUE, E.; CHAVES, C.; SILVA, L.; SOUZA, S.; RIGHI, H.; CRUZ, W. University–industry interactions in an immature system of innovation: evidence from Minas Gerais, Brazil. Science and Public Policy, v. 36, n.5, p. 373-386, 2009.

RAPINI, M. S.; OLIVEIRA, V. P.; SILVA NETO, F. C. C. A natureza do financiamento influencia na interação universidade-empresa no Brasil? Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 77-108, 2014.

RIGHI, H. M.; RAPINI, M. S. Metodologia e apresentação da base de dados do Censo 2004 do Diretório dos Grupos de Pesquisa do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Tecnológica (CNPq). In: SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO, S. A. Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. São Paulo: Fapesp, Editora Autêntica, 2011.

ROCHA, F. Does governmental support to innovation have positive effect on R&D investments? Evidence from Brazil. Revista Brasileira de Inovação, v. 14, n. esp., p. 37-60, 2015.

SALLES FILHO, S.; BONACELLI, M. B.; CARNEIRA, A. M.; CASTRO, P. F. D.; SANTOS, F. O. Evaluation of ST&I programs: a methodological approach to the Brazilian small business program and some comparisons with the SBIR program. Research Evaluation, n. 21, p. 159-171, 2011.

SBRAGIA, R. Como vencer esse desafio empresarial. São Paulo: Clio Editora, 2006.

SEGATO-MENDES, A. P.; SBRAGIA, R. O processo de cooperação universidade-empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração, v. 37, n. 4, p. 58-71, 2002.

STAL, E.; FUJINO, A. As relações universidade-empresa no Brasil sob a ótica da Lei da Inovação. Cadernos de Pós-Graduação-Administração, v. 4, n. 1, especial RAI, p. 269-283, 2005.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. A interação entre universidade e empresa em perspectiva histórica no Brasil. In: SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO, S. A. Em busca da inovação: interação universidade-empresa no Brasil. São Paulo: Fapesp, Editora Autêntica, 2011.

WEISZ, J. Mecanismos de apoio à inovação tecnológica. 3. ed. Brasília: Senai – Departamento Nacional, 2006.

Publicado

2017-10-30

Como Citar

TORRES, P. H.; BOTELHO, M. dos R. A. Financiamento à inovação e interação entre atividades científicas e tecnológicas: uma análise do Pappe. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 89–118, 2017. DOI: 10.20396/rbi.v16i4.8650854. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8650854. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos