Inovação e a capacidade de apropriar benefícios associados aos investimentos em P&D no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v17i1.8650855

Palavras-chave:

Inovação. Investimentos em P&D. Habilidade em Vendas. Habilidade em Margem

Resumo

Este trabalho busca analisar a capacidade das empresas brasileiras de se apropriarem de benefícios associados aos investimentos em P&D, seguindo a metodologia proposta por Cohen, Dietther e Malloy (2013), a fim de refletir a capacidade das firmas em converter tais investimentos em vendas (habilidade em vendas). Durante o período de 07/2009 a 07/2014 foi analiso um total de 48 empresas. Além da habilidade em vendas, este trabalho propõe uma nova medida que incorpora os benefícios das inovações em custos (habilidade em margem). Os resultados indicam que, de fato, o mercado de capitais parece ignorar a habilidade de as empresas alocarem seus orçamentos de P&D com eficiência e sugerem que as inovações associadas ao incremento das vendas produzem retornos futuros maiores do que aqueles associados à redução de custos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Braga da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutor e mestre em administração com ênfase em finanças pela PUC-Rio. Graduado em administração de empresas pela UFF. Professor de finanças do IAG/PUC-Rio e do Centro de Empreendedorismo (CEMP) da PUC em programas de MBA e na graduação.

Luiz Felipe Jacques da Motta, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro(1972), mestrado em Pesquisa Operacional pela George Washington University(1975), mestrado em Administração pela University of Southern California(1978) e doutorado em Administração de Empresas/Finanças e Investimentos pela University of Southern California(1979). Atualmente é Professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Marcelo Cabús Klötzle, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Graduação em Administração - Universitat Bayreuth (1993), mestrado em Administração - Universitat Bayreuth (1994) e doutorado em Economia - Katholische Universitat Eichstatt (1999). Fez pós-doutorado em Finanças Comportamentais pela McMaster University (2009). Atualmente é professor associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Antonio Carlos Figueiredo Pinto, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Graduação em Administração pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1977). É Doutor em Economia pela EPGE da Fundação Getúlio Vargas - RJ (1985). Atualmente é professor do IAG (Instituto de Administração e Gerência) da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. 

Paulo Vitor Jordão da Gama Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Possui graduação em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Ago/2010). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Financeira. Mestre em Administração - Finanças pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Jan/2013). Atualmente é aluno de doutorado em finanças pela PUC-RJ, professor na UFRRJ e membro do grupo de pesquisa CNPq de finanças comportamentais da PUC-RJ.

Referências

ALVES, A.; SILVA, T.; MACEDO, M.; MARQUES, J. A relevância dos gastos com P&D para o mercado brasileiro de capitais: um estudo com distribuidoras de energia elétrica no período de 2002-2009. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 2, p. 216-239, 2010.

CARHART, M. M. On persistence in mutual fund performance. Journal of Finance, v. 52, n. 1, p. 57-82, 1997.

CHAN, L. K. C; LAKONISHOK, J.; SOUGIANNIS, T. The stock market valuation of research and development expenditures. Journal of Finance, v. 56, n. 6, p. 2431-56, 2001.

COHEN, L.; DIETHER, K.; MALLOY, C. Misvaluing innovation. The Review of Financial Studies, v. 26, n. 3, p. 635-666, 2013.

DANIEL, K.; GRINBLATT, M.; TITMAN, S.; WERMERS, R. Measuring mutual fund performance with characteristic-based benchmarks. Journal of Finance, v. 52, n. 3, p. 1035-58, 1997.

EBERHART, A. C.; MAXWELL, W. F.; SIDDIQUE, A. R. An examination of long-term excess stock returns and operating performance following R&D increases. Journal of Finance, v. 59, n. 2, p. 623-651, 2004.

FAMA, E.; FRENCH, K. Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, v. 33, n. 1, p. 3-56, 1993.

FAMA, E.; MACBETH, J. Risk, return, and equilibrium: empirical tests. Journal of Political Economy, v. 81, n. 3, p. 607-636, 1973.

FERNANDES, G.; GONÇALVES, E.; PEROBELLI, F. Capital intangível e patentes: uma análise para as empresas brasileiras. In: XIII ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS. Anais... Rio de Janeiro: PUC-RJ, 2013.

GOYAL, A. Empirical cross-sectional asset pricing: a survey. Financial Markets and Portfolio Management, v. 26, n. 1, p. 3-38, 2012.

GU, F. Innovation, future earnings, and market efficiency. Journal of Accounting, Auditing and Finance, v. 20, n. 4, p. 385-418, 2005.

HIRSHLEIFER, D. A.; HSU, P. H.; LI, D. Innovative efficiency and stock returns. Journal of Financial Economics, v. 107, n. 3, p. 632-654, 2013.

HUNGARATO, A.; SANCHES, M. A relevância dos gastos em P&D para o preço das ações de empresas listadas na bovespa. In: SIMPÓSIO FUCAPE DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA, 4. Anais.... Vitória: Fucape, 2006. CD-ROM.

HUNGARATO, A.; TEIXEIRA, A. A Pesquisa e Desenvolvimento e os preços das ações das empresas brasileiras: um estudo empírico na Bovespa. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 6, n. 3, p. 282-298, 2012.

LEV, B.; SOUGIANNIS, T. The capitalization, amortization, and value-relevance of R&D. Journal of Accounting and Economics, v. 21, n. 1, p. 107-138, 1996.

LEV, B.; SARATH, B.; SOUGIANNIS, T. R&D reporting biases and their consequences. Contemporary Accounting Research, v. 22, n. 4, p. 977-1026, 2005.

LEV, B.; RADHAKRISHNAN, S.; CIFTCI, M. The stock market valuation of R&D leaders. New York: New York University, 2006 (NYU Working Paper, n.2451/27475). Disponível em: http://ssrn.com/abstract=1280696.

NEWEY, W.; KENNETH, W. A simple, positive semi-definite, heteroscedastic and autocorrelation consistent covariance matrix. Econometrica, v. 55, n. 3, p. 703-708, 1987.

NGUYEN, P.; NIVOIX S.; NOMA, M. The valuation of R&D expenditures in Japan. Journal of Accounting and Economics, v. 50, n. 4, p. 899-920, 2010.

PANDIT, S.; WASLEY, C. E.; ZACH, T. The effect of R&D inputs and outputs on the relation between the uncertainty of future operating performance and R&D expenditures. Journal of Accounting, Auditing, and Finance, v. 26, n. 1, p.121-144, 2011.

PENMAN, S. H.; ZHANG, X. J. Accounting conservatism, the quality of earnings, and stock returns. Accounting Review, v. 77, n. 2, p. 237-264, 2002.

SILVA, R.; KLOTZLE, M.; FIGUEIREDO, A. C.; MOTTA, L. F. Innovative intensity and its impact on the performance of firms in Brazil. Research in International Business and Finance, v. 34, n. 1, p. 1-16, 2015.

SOUGIANNIS, T. The accounting valuation of corporate R&D. The Accounting Review, v. 69, n. 1, p. 44-68, 1994.

Publicado

2017-10-30

Como Citar

SILVA, R. B. da; MOTTA, L. F. J. da; KLÖTZLE, M. C.; PINTO, A. C. F.; SILVA, P. V. J. da G. Inovação e a capacidade de apropriar benefícios associados aos investimentos em P&D no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 149–173, 2017. DOI: 10.20396/rbi.v17i1.8650855. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8650855. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos