Uma avaliação da Lei de Informática e seus impactos sobre os gastos empresariais em P&D nos anos 2000

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v17i1.8650858

Palavras-chave:

Lei de Informática. Políticas Industriais. Crowd in. Crowding out

Resumo

O presente artigo tem como objetivo avaliar se a Lei de Informática tem sido capaz de provocar aumentos significativos de gastos em P&D, dando origem aos chamados efeitos de adicionalidade (crowd in). A análise é feita a partir da base de microdados da Pesquisa de Inovação (Pintec-IBGE), pela qual foram construídos três painéis, sendo que cada um abrange dois períodos consecutivos. Com isso, as estimativas possibilitaram verificar os efeitos da lei para os períodos de 2003-2005, 2005-2008 e 2008-2011. Buscando contornar os problemas de viés de seleção, típicos em estimativas de avaliação de políticas de inovação, aplicou-se a metodologia de diferenças-em-diferenças (DID) com covariadas. Embora os resultados indicam não haver efeitos de crowding out, os efeitos de crowd in ocorreram em apenas um período, não sendo possível concluir pela eficácia da lei ao longo de todo o período estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Brigante, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Graduação em Ciências Econômicas, cursou mestrado em Economia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp). Doutorado na área de Economia, Organizações e Finanças Corporativas (USP). Tem experiência como professor nas áreas de: Formação Econômica do Brasil, Economia Brasileira Contemporânea, Economia Monetária e Financeira; Política e Planejamento Econômico, Teoria Macroeconômica. Pesquisador associado do GEEIN (Grupo de Estudos em Economia Industrial) da UNESP e atualmente professor de Formação Econômica do Brasil II, Economia Brasileira Contemporânea e Teoria Macroeconômica II na UNESP-Universidade Estadual Paulista.

Referências

ANGRIST, J. D.; PISCHKE, J.-S. Mostly harmless econometrics: an empiricist’s companion. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2008.

ARROW, K. Economic welfare and the allocation of resources for invention. In: UNIVERSITIES-NATIONAL BUREAU COMMITTEE FOR ECONOMIC RESEARCH.

CZARNITZKI, D.; LICHTENBERG, G. Additionality of Public R&D grants in a transition economy: the case of eastern Germany. Leuven: Katholische Universiteit Leuven, Department of Applied Economics KU, 2005 (Dept. of Applied Economics Paper, n. OR 0528).

DAVID, P. A.; HALL, B. H. Heart of darkness: modeling public-private funding interactions inside the R&D black box. Research Policy, v. 29, n. 9, p. 1165-1183, 2000.

DAVID, P. et al. Is public R&D a complement or substitute for private R&D? A review of the econometric evidence. Research Policy, v. 29, n. 4/5, p. 497-529, 2000.

GARCÍA-QUEVEDO, E. et al. Assignation of public subsidies: do the experts choose the most efficient R&D projects? Barcelona: Institut d’ Ecomomia de Barcelona, 2008 (Document de Traball, 2008-5).

GARCIA, R.; ROSELINO, J. E. Uma avaliação da Lei de Informática e de resultados como instrumento indutor de desenvolvimento tecnológico e industrial. Gestão & Produção, v. 11, n. 2, p. 177-185, 2004.

HALL, B. H.; VAN REENEN, J. How effective are fiscal incentives for R&D? A review of the evidence. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 1999 (Working Paper, n. 7098).Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w7098>.

HECKMAN, J. J. et al. Characterizing selection bias using experimental data. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 1998 (NBER Working Paper, n. 6699). Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w6699>.

HOWE, J. D.; MCFETRIDGE, D. G. The Determinants of R & D Expenditures. The Canadian Journal of Economics, v. 9, n. 1, p. 57-71, 1976.

KANNEBLEY JR., S.; PORTO, G. Incentivos fiscais à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Brasil: uma avaliação das políticas recentes. Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Divisão de Competitividade e Inovação, 2012 (Documento para discussão, n. 236).

KLETTE, T. J. et al. Do subsidies to commercial R&D reduce market failures? Microeconometric evaluation studies. Research Policy, v. 29, n. 4/5, p. 471-495, 2000.

LACH, S. Do R&D subsidies stimulate or displace private R&D ? Evidence from Israel. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 2000 (NBER Working Paper, n. 7943).

LECHNER, M. The estimation of causal effects by difference-in-difference methods. Foundations and Trends in Econometrics, v. 4, n. 3, p. 165-224, 2011.

LEYDEN, P.; LINK, A. N. The effects of governmental financing on firms’ R&D activities: an theoretical and emprical investigation. Technovation, v. 9, n. 7, p. 561-575, November 1990.

MARIA, R.; GUTIERREZ, V. Complexo eletrônico : Lei de Informática e competitividade. Rio de Janeiro: BNDES Setorial, 2010.

MARINO, M. et al. Additionality or crowding-out? An overall evaluation of public R&D subsidy on private R&D expenditure. Research Policy, v. 45, n. 9, p. 1715-1730, 2016.

MONTMARTIN, B.; HERRERA, M. Internal and external effects of R&D subsidies and fiscal incentives: empirical evidence using spatial. GREDEG – Groupe de Recherche en Droit, Economie, Gestion, 2014 (GREDEG Working Papers Series, n. 2014-09). Disponível em: <http://www.gredeg.cnrs.fr/working-papers.html>.

NELSON, R. The simple economics of basic scientific research. Journal of Political Economy,v.67, n. 3, p. 297-306, jun. 1959.

PACHECO, C. A. O financiamento do gasto em P&D do setor privado no Brasil e o perfil dos incentivos. Revista USP, n. 89, p. 256-276. mar./maio 2011.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, 1984.

PROCHNIK, V. et al. A política da política industrial : o caso da Lei de Informática. Revista Brasileira de Inovação, v. 14, p. 133-152, 2015.

RIBEIRO, E. et al. Productivity in the Brazilian informatics industry and public. In: 39o ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA. Anais... Foz do Iguaçu-PR: Anpec, 2011.

SALLES FILHO et al. Avaliação de impactos da Lei de Informática: uma análise da política industrial e de incentivo à inovação no setor de TICs brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, v. 11, n. esp., p. 191-218, 2012.

TASSEY, G. The disaggregated technology production function: a new model of university and corporate research. Research Policy, v. 34, n. 3, p. 287-303, 2005.

WALLSTEN, S. The effects of government-industry R&D programs on private R&D: the case of the Small Business Innovation Research program. RAND Journal of Economics, v. 31, n. 1, p. 82-100, 2000.

WOOLDRIDGE, J. Introdução à Econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2011.

Publicado

2017-10-30

Como Citar

BRIGANTE, P. C. Uma avaliação da Lei de Informática e seus impactos sobre os gastos empresariais em P&D nos anos 2000. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 17, n. 1, p. 119–148, 2017. DOI: 10.20396/rbi.v17i1.8650858. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8650858. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos