Banner Portal
Inova Petro
PDF
PDF Acesso via SciELO

Palavras-chave

Programa Inova Petro
Indústria de Petróleo e Gás Natural
BNDES
FINEP

Como Citar

SANTOS, R. J. dos. Inova Petro: explicações para o desempenho do programa a partir de uma análise ex ante . Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 19, p. e0200010, 2020. DOI: 10.20396/rbi.v19i0.8654435. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8654435. Acesso em: 26 set. 2023.

Resumo

O objetivo deste trabalho é realizar uma análise ex-ante do Programa Inova Petro para operíodo compreendido entre 2012 e 2017 e responder à seguinte questão: por que a mais importante política de inovação para a cadeia nacional de fornecedores da indústria de petróleo e gás natural apresenta dificuldades em contratar os planos de negócio aprovados? Ao realizar o estudo do programa a partir dos elementos O-M-P (Organizações-Métodos-Propósitos), conclui-se que as fragilidades do Programa Inova Petro estão relacionadas ao baixo nível de coordenação entre as organizações que planejam e executam a política e a seleção dos métodos adequados para o alcance dos propósitos planejados.

https://doi.org/10.20396/rbi.v19i0.8654435
PDF
PDF Acesso via SciELO

Referências

AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (ABDI). Referências para a Política Industrial do Setor de Petróleo e Gás: O Caso da Noruega. Brasília: ABDI, 2011.

ARAÚJO, B.P.; MENDES, A.P.A; COSTA, R.C. Perspectivas para o Desenvolvimento Industrial e Tecnológico na Cadeia de Fornecedores de Bens e Serviços Relacionados ao Setor de P&G. In: SOUSA, F.L. (org.). BNDES 60 anos: perspectivas setoriais. Rio de Janeiro: 2012. v.1. p. 224-273.

BAIN & COMPANY; TOZZINI FREIRE ADVOGADOS. Estudos de alternativas regulatórias institucionais e financeiras para a exploração e produção de petróleo e gás natural e para o desenvolvimento industrial da cadeia produtiva de petróleo e gás no Brasil. São Paulo: Editores: Bain & Company e Tozzini Freire Advogados, 2009. Disponível em: https://web.bndes.gov. br/bib/jspui/handle/1408/7681. Acesso em: 10 abr. 2018.

BIANCHI, P.; LABORY, S. Industrial policy after the crisis: seizing the future. Cheltenham-UK: Edward Elgar Publishing, 2011.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES). Resultados do programa Inova Petro. Rio de Janeiro: BNDES – Departamento de Gás, Petróleo e Cadeia Produtiva, 2015.

BRET-ROUZAUT, N.; FAVENNEC, J. P. Petróleo e gás natural: como produzir e a que custo. 2. ed. Rio de Janeiro: Synergia Editora, 2011.

CANO, W.; SILVA, A.L.G. Política industrial do governo Lula. Campinas: IE/Unicamp, 2010. (Texto para discussão, 181).

CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON, R.; STIGLITZ, J. E. Institutions and policies shaping industrial development: an introductory note. In: CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON, R.; STIGLITZ, J. E. (ed.). Industrial policy and development: the political economy of capabilities accumulation. Oxford-UK: Oxford University Press, 2009. p. 19-38.

CORDEN, W.M. Relationships between Macro-economic and Industrial Policies. The World Economy, v. 3, n. 2, p. 167-184, Sept. 1980.

DOGSON, M. As políticas para ciência, tecnologia e inovação nas economias asiáticas de industrialização recente. In: KIM, L.; NELSON, R.R. (org.). Tecnologia, aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Editora Unicamp, 2005. p. 313-364. DOSI, G. Mudança Técnica e Transformação Industrial: a teoria e uma aplicação à indústria dos semicondutores. Campinas: Editora Unicamp, 2006.

FERNÁNDEZ Y FERNÁNDEZ, E. Indústria nacional de bens e serviços nos arranjos produtivos do setor de óleo e gás natural no Brasil. In: GIAMBIAGI, F.; LUCAS, L.P.V. (org.). Petróleo: reforma e contrarreforma do setor petrolífero brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. p. 104-124.

FIGUEIREDO, M.F.; FIGUEIREDO, A.M.C. Avaliação política e avaliação de políticas: um quadro de referência teórica. Análise & Conjuntura, Belo Horizonte, v. 1, n. 3, p. 107127, set./dez. 1986.

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP). Relação Final dos Planos de Negócio Aprovados no Edital Inova Petro 01/2012. Rio de Janeiro: Finep, 2013. (de acordo com a linha temática, após os recursos). Disponível em: http://www.finep.gov.br/apoio-e-financiamento-externa/programas-e-linhas/programas-inova/inova-petro. Acesso em: 10 maio 2018.

FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP). Relação dos Planos de Negócio Contratados no Edital Inova Petro 01/2012. Rio de Janeiro: Finep, 2018. (Posição em agosto de 2018). Departamento de Planejamento (DPLAN). Planilha de Excel.

FINEP; BNDES. Edital de Seleção Pública Conjunta FINEP/BNDES de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial no Setor de Petróleo & Gás – Inova Petro – 01/2012. Rio de Janeiro: Finep/BNDES, 2012. Disponível em: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/ programas-e-linhas/inova-petro/inovapetro-edital-selecao-01-2012.pdf. Acesso em: 3 jan. 2018.

FINEP; BNDES. Edital de Seleção Pública Conjunta FINEP; BNDES de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial no Setor de Petróleo & Gás – Inova Petro – 01/2014. Rio de Janeiro: Finep/BNDES, 2014. Disponível em: http://www.finep.gov.br/chamadas-publicas/chamadapublica/562. Acesso em: 3 jan. 2018.

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas: Editora Unicamp, 2008.

GUIMARÃES, E.A. Uma avaliação da política de conteúdo local na cadeia do petróleo e gás. In: BACHA, E.; DE BOLLE, M.B. (org.). O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. p. 333-353.

JOHNSON, B. Introduction: the idea of industrial policy. In: JOHNSON, B. (ed.). The industrial policy debate. San Francisco, ICS Press, 1984.

KIM, L. Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico da Coréia. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

LEE, W.Y. O papel da política científica e tecnológica no desenvolvimento industrial da Coréia do Sul. In: KIM, L.; NELSON, R.R. (org.). Tecnologia aprendizado e inovação: as experiências das economias de industrialização recente. Campinas: Editora Unicamp, 2005. p. 365-393.

NEGRI, J. A de. (coord.). Poder de compra da Petrobras: impactos econômicos nos seus fornecedores. Brasília: IPEA, 2011.

NELSON, R.R.; WINTER, S.G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

NERY, C. Inova Petro tem baixa procura por empréstimos. Valor Econômico, São Paulo, 25 ago. 2014. Caderno Empresas. Disponível em: https://www.valor.com.br/empresas/3665742/ inova-petro-tem-baixa-procura-por-emprestimos. Acesso em: 5 jan. 2018.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2006.

OLIVEIRA, A. de; ROCHA, F. Estudo da Competitividade da indústria brasileira de bens e serviços do setor de P&G. Conclusões e Recomendações de Política. Rio de Janeiro: Prominp, 2006.

POSSAS, M.L. Ciência, tecnologia e desenvolvimento: referências para debate. In: CASTRO, A.C. et al. (org.). Brasil em desenvolvimento: economia, tecnologia e competitividade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. v.1. p. 319-349. PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO DA INDÚSTRIA NACIONAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (PROMINP). Indústria Para-Petrolífera Brasileira: Competitividade, Desafios e Oportunidades. Rio de Janeiro: Prominp, 2008.

RYGGVIK, H. Construindo uma indústria nacional de petróleo offshore: a experiência norueguesa. Rio de Janeiro: Campus, 2014.

STIGLITZ, J.E.; YIFU, J.L.; MONGA, C. The rejuvenation of industrial policy. In: STIGLITZ, J.E.; YIFU, J.L. (ed.). The industrial policy revolution I: the role of government beyond ideology. New York: Palgrave Macmillan, 2013.

SUZIGAN, W.; FURTADO, J. Política industrial e desenvolvimento. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 163-185, 2006.

TESTA, M. Pensar em saúde. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Revista Brasileira de Inovação

Downloads

Não há dados estatísticos.