A dinâmica institucional da interação UFSC-Petrobras para a inovação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v20i00.8658002

Palavras-chave:

Interação Universidade-Empresa, Perspectivas institucionalista e evolucionária, Dinâmica institucional, UFSC, Petrobras

Resumo

Este trabalho tem como objetivo avaliar a dinâmica institucional da interação UFSC e PETROBRAS para o desenvolvimento inovativo. Adotou-se como base teórica a perspectiva institucionalista-evolucionária. Trata-se de uma pesquisa descritivo-explicativa de abordagem qualitativa. Além da pesquisa bibliográfica e documental, foi realizada a pesquisa de campo, por meio de entrevista aos pesquisadores dos laboratórios da UFSC que realizam interação com a PETROBRAS, à diretora do DIT/UFSC e aos gerentes da PETROBRAS responsáveis pelos processos de interação com a UFSC. Dentre os principais resultados desta dinâmica institucional analisada, destaca-se a relevância do relacionamento pessoal, a constante busca por pesquisadores de referência e de especialistas, a importância da institucionalização da interação U-E, do processo histórico de construção de parceria, do estabelecimento de regras e regulamentações de PD&I da UFSC e da ANP, da criação do termo de cooperação e do SIGITEC, e a criação e a manutenção de infraestrutura de ponta, as quais consolidaram o processo de interação com a UFSC nos últimos trinta anos, pois continuam a garantir a pesquisa de fronteira e por longo prazo, essenciais ao desenvolvimento inovativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paola Azevedo, Universidade Federal de Santa Catarina

Secretaria de Inovação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Santa Catarina (SC), Brasil

Silvio Antônio Ferraz Cario, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Santa Catarina (SC), Brasil

Referências

AZEVEDO, P. A interação UFSC e Petrobras para o desenvolvimento inovativo sob a óptica institucionalista-evolucionária. 2016. 508 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Florianópolis, 2016. Disponível em: http://www.bu.ufsc.br/teses/PCAD0974-T.pdf.

CARIO, S.A.F.; LEMOS, D.C.; SIMONINI, A. Avaliação da interação universidade-empresa. Revista de Economia, Curitiba, v. 37, n. especial, p. 239-278, 2011.

CASTELLI, J.R.; CONCEIÇÃO, O.A.C. Instituições, mudança tecnológica e crescimento econômico: uma aproximação das escolas neo-schumpeteriana e institucionalista. In: EN-CONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 42., 2014, Natal. Anais [...]. Natal, ANPEC, 9-12 dez. 2014.

CONCEIÇÃO, O.A.C. O conceito de instituição nas modernas abordagens institucionalistas. Revista de economia contemporânea, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 119-146, 2002.

CONCEIÇÃO, O.A.C. Tecnologia social e instituições: uma relação conceitual simbiótica. Economia & Tecnologia, ano 5, v. 16, p. 99-108, 2009.

DOSI, G. Mudança técnica e transformação industrial. Campinas: Ed. Unicamp, 2006.

D’ESTE, P.; PATEL, P. University–industry linkages in the UK: what are the factors underlying the variety of interactions with industry? Research Policy, v. 36, n. 9, p.1295-1313, 2007.

EDQUIST, C. Reflections on the systems of innovation approach. Science and Public Policy, v. 31, n. 6, p. 485-489, 2004.

GARCIA, R.; RAPINI, M.; CARIO, S.A.F. (org.). Estudos de caso da interação universidade--empresa no Brasil. Belo Horizonte: Cedeplar, UFMG, 2018.

HODGSON, G.M. El Enfoque de la economia institucional. Revista Análisis Económico, v. XVI, n. 33, p. 3-41, 2001.

HODGSON, G.M. Choice, habit and evolution. Journal of Evolutionary Economics, v. 20, p.1-18, 2010.

HODGSON, G.M. Qué son las instituciones? Revista CS. Cali-Colombia, n. 8, p.17-53, jul/dic. 2011.

JOHNSON, B.; LUNDVALL, B. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: LASTRES, M.H.; CASSIOLATO, J.E.; ARROIO, A. (org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ; Contraponto, 2005. p. 83-130.

MALERBA, F. Sectoral System and Innovation and Technology Policy. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 2, n. 2, p. 329-375, 2003.

METCALFE, J. S. Institutions and progress. Industrial and Corporate Change, v. 10, n. 3, p. 561-586, 2001.

MONASTERIO, L.M. Guia para Veblen: um estudo acerca da economia evolucionária. Pelotas: Edufpel, 1998. 128 p.

MOWERY, D.C.; SAMPAT, B.N. Universities in national innovation systems. In: FAGER-BERG, J.; MOWERY, D.C.; NELSON, R.R. (ed.). The Oxford handbook of innovation. New York: Oxford University Press, 2007. p. 209-239.

NELSON, R.R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: Unicamp, 2006.

NELSON, R.R. What enables rapid economic progress: what are the needed institutions? Research Policy, v. 37, n. 1, p. 1-11, 2008.

NELSON, R.R.; NELSON, K. Technology, institutions, and innovation systems. Research Policy, v. 31, n. 8-9, p. 265-272, 2002.

NELSON, R.R.; SAMPAT, B. Making sense of institutions as a factor shaping economic performance. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 44, n. 1, p.31-54, 2001.

NELSON, R; WINTER, S.G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Unicamp, 2006.

NIOSI, J. National systems of innovations are “x-efficient” (and x-effective). Why some are slow learners. Research Policy, v. 31, n. 8-9, p. 291-302, 2002.

NIOSI, J.; BELLON, B.; SAVIOTTI, P.; CROW, M. Les systèmes nationaux d’innovation: à la recherche d’un concept utilisable. Revue française d’économie, v. 7, n. 1, p. 215-250, 1992.

NORTH, D.C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge University Press, 1990.

NORTH, D.C. Institutions. Journal of Economics Perspectives, v. 5, n. 1, p. 97-112, winter, 1991.

PEREIRA, A.J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 11, n. 1, p. 137-166, 2012.

PETROBRAS. Redes temáticas e núcleos regionais. Rio de Janeiro: Petrobras, 2018. Disponível em: http://sites.petrobras.com.br/minisite/comunidade_cienciatecnologia/portugues/redes_te-

maticas_superpc.asp. Acesso em: 5 dez. 2018.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO. S. (org.). Em busca da inovação: Interação universidade-empresa no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

TIGRE, P.B. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 4, n. 1, p. 187-223, 2005.

Publicado

2021-09-17

Como Citar

AZEVEDO, P.; CARIO, S. A. F. A dinâmica institucional da interação UFSC-Petrobras para a inovação. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/rbi.v20i00.8658002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8658002. Acesso em: 8 dez. 2022.