Banner Portal
A dinâmica institucional da interação UFSC-Petrobras para a inovação
PDF
PDF Acesso via SciELO

Palavras-chave

Interação Universidade-Empresa
Perspectivas institucionalista e evolucionária
Dinâmica institucional
UFSC
Petrobras

Como Citar

AZEVEDO, Paola; CARIO, Silvio Antônio Ferraz. A dinâmica institucional da interação UFSC-Petrobras para a inovação. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.20396/rbi.v20i00.8658002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8658002. Acesso em: 14 jun. 2024.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo avaliar a dinâmica institucional da interação UFSC e PETROBRAS para o desenvolvimento inovativo. Adotou-se como base teórica a perspectiva institucionalista-evolucionária. Trata-se de uma pesquisa descritivo-explicativa de abordagem qualitativa. Além da pesquisa bibliográfica e documental, foi realizada a pesquisa de campo, por meio de entrevista aos pesquisadores dos laboratórios da UFSC que realizam interação com a PETROBRAS, à diretora do DIT/UFSC e aos gerentes da PETROBRAS responsáveis pelos processos de interação com a UFSC. Dentre os principais resultados desta dinâmica institucional analisada, destaca-se a relevância do relacionamento pessoal, a constante busca por pesquisadores de referência e de especialistas, a importância da institucionalização da interação U-E, do processo histórico de construção de parceria, do estabelecimento de regras e regulamentações de PD&I da UFSC e da ANP, da criação do termo de cooperação e do SIGITEC, e a criação e a manutenção de infraestrutura de ponta, as quais consolidaram o processo de interação com a UFSC nos últimos trinta anos, pois continuam a garantir a pesquisa de fronteira e por longo prazo, essenciais ao desenvolvimento inovativo.

https://doi.org/10.20396/rbi.v20i00.8658002
PDF
PDF Acesso via SciELO

Referências

AZEVEDO, P. A interação UFSC e Petrobras para o desenvolvimento inovativo sob a óptica institucionalista-evolucionária. 2016. 508 p. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Socioeconômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Florianópolis, 2016. Disponível em: http://www.bu.ufsc.br/teses/PCAD0974-T.pdf.

CARIO, S.A.F.; LEMOS, D.C.; SIMONINI, A. Avaliação da interação universidade-empresa. Revista de Economia, Curitiba, v. 37, n. especial, p. 239-278, 2011.

CASTELLI, J.R.; CONCEIÇÃO, O.A.C. Instituições, mudança tecnológica e crescimento econômico: uma aproximação das escolas neo-schumpeteriana e institucionalista. In: EN-CONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 42., 2014, Natal. Anais [...]. Natal, ANPEC, 9-12 dez. 2014.

CONCEIÇÃO, O.A.C. O conceito de instituição nas modernas abordagens institucionalistas. Revista de economia contemporânea, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 119-146, 2002.

CONCEIÇÃO, O.A.C. Tecnologia social e instituições: uma relação conceitual simbiótica. Economia & Tecnologia, ano 5, v. 16, p. 99-108, 2009.

DOSI, G. Mudança técnica e transformação industrial. Campinas: Ed. Unicamp, 2006.

D’ESTE, P.; PATEL, P. University–industry linkages in the UK: what are the factors underlying the variety of interactions with industry? Research Policy, v. 36, n. 9, p.1295-1313, 2007.

EDQUIST, C. Reflections on the systems of innovation approach. Science and Public Policy, v. 31, n. 6, p. 485-489, 2004.

GARCIA, R.; RAPINI, M.; CARIO, S.A.F. (org.). Estudos de caso da interação universidade--empresa no Brasil. Belo Horizonte: Cedeplar, UFMG, 2018.

HODGSON, G.M. El Enfoque de la economia institucional. Revista Análisis Económico, v. XVI, n. 33, p. 3-41, 2001.

HODGSON, G.M. Choice, habit and evolution. Journal of Evolutionary Economics, v. 20, p.1-18, 2010.

HODGSON, G.M. Qué son las instituciones? Revista CS. Cali-Colombia, n. 8, p.17-53, jul/dic. 2011.

JOHNSON, B.; LUNDVALL, B. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: LASTRES, M.H.; CASSIOLATO, J.E.; ARROIO, A. (org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ; Contraponto, 2005. p. 83-130.

MALERBA, F. Sectoral System and Innovation and Technology Policy. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 2, n. 2, p. 329-375, 2003.

METCALFE, J. S. Institutions and progress. Industrial and Corporate Change, v. 10, n. 3, p. 561-586, 2001.

MONASTERIO, L.M. Guia para Veblen: um estudo acerca da economia evolucionária. Pelotas: Edufpel, 1998. 128 p.

MOWERY, D.C.; SAMPAT, B.N. Universities in national innovation systems. In: FAGER-BERG, J.; MOWERY, D.C.; NELSON, R.R. (ed.). The Oxford handbook of innovation. New York: Oxford University Press, 2007. p. 209-239.

NELSON, R.R. As fontes do crescimento econômico. Campinas: Unicamp, 2006.

NELSON, R.R. What enables rapid economic progress: what are the needed institutions? Research Policy, v. 37, n. 1, p. 1-11, 2008.

NELSON, R.R.; NELSON, K. Technology, institutions, and innovation systems. Research Policy, v. 31, n. 8-9, p. 265-272, 2002.

NELSON, R.R.; SAMPAT, B. Making sense of institutions as a factor shaping economic performance. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 44, n. 1, p.31-54, 2001.

NELSON, R; WINTER, S.G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Unicamp, 2006.

NIOSI, J. National systems of innovations are “x-efficient” (and x-effective). Why some are slow learners. Research Policy, v. 31, n. 8-9, p. 291-302, 2002.

NIOSI, J.; BELLON, B.; SAVIOTTI, P.; CROW, M. Les systèmes nationaux d’innovation: à la recherche d’un concept utilisable. Revue française d’économie, v. 7, n. 1, p. 215-250, 1992.

NORTH, D.C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge University Press, 1990.

NORTH, D.C. Institutions. Journal of Economics Perspectives, v. 5, n. 1, p. 97-112, winter, 1991.

PEREIRA, A.J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 11, n. 1, p. 137-166, 2012.

PETROBRAS. Redes temáticas e núcleos regionais. Rio de Janeiro: Petrobras, 2018. Disponível em: http://sites.petrobras.com.br/minisite/comunidade_cienciatecnologia/portugues/redes_te-

maticas_superpc.asp. Acesso em: 5 dez. 2018.

SUZIGAN, W.; ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO. S. (org.). Em busca da inovação: Interação universidade-empresa no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

TIGRE, P.B. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 4, n. 1, p. 187-223, 2005.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Inovação

Downloads

Não há dados estatísticos.