Produtividade da indústria brasileira

decomposição do crescimento e padrões de concentração em uma abordagem desagregada, 1996-2016

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v19i0.8658100

Palavras-chave:

Produtividade do trabalho, Mudança estrutural, Contabilidade do crescimento, Indústria, Brasil

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo decompor o crescimento da produtividade do trabalho da indústria brasileira no período 1996-2016 com o intuito de identificar as contribuições da mudança estrutural e da produtividade intrassetorial para o referido crescimento agregado, bem como avaliar o seu padrão de concentração setorial de crescimento. A partir de uma abordagem desagregada, com base nas informações anuais de 95 atividades econômicas da PIA-Empresa, o presente artigo contribui para a literatura em diversas frentes. Ao realizar diferentes métodos de decomposição e de agregação dos dados, foi possível avaliar com propriedade a real contribuição dos determinantes do crescimento da produtividade industrial brasileira no período. Os resultados indicaram, de forma geral, contribuições positivas do componente intrassetorial e contribuições negativas do componente mudança estrutural. Em relação ao padrão de concentração setorial do crescimento da produtividade industrial agregada, observou-se uma concentração bastante desigual e localizada. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tomás Amaral Torezani, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisador do Departamento de Economia e Estatística da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão do Rio Grande do Sul (DEE/SPGG-RS), Porto Alegre (RS), Brasil.

Referências

ALDRIGHI, D.; COLISTETE, R. P. Industrial growth and structural change: Brazil in a longrun perspective. Department of Economics-FEA/USP, 2013. (Working Paper Series, n. 10).

CAVALCANTE, L. R.; DE NEGRI, F. Evolução recente dos indicadores de produtividade no Brasil. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. (org.) Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes, v. 1 – Desempenho. Brasília: ABDI: IPEA, p. 143-171, 2014.

CHENERY, H.B.; ROBINSON, S.; SYRQUIN, M. (ed.) Industrialization and growth: a comparative study. New York: Oxford University Press, 1986.

CLARK, C. The conditions of economic progress. London: McMillan & Co, 1940.

DE VRIES, G. et al. Deconstructing the BRICs: structural transformation and aggregate productivity growth. Journal of Comparative Economics, v. 40, p. 211-227, 2012.

DE VRIES, G.; TIMMER, M. DE VRIES, K. Structural transformation in Africa: static gains, dynamic losses. University of Groningen: Groningen Growth and Development Centre, p. 1-50, 2013. (GGDC Research Memorandum, 136).

DE VRIES, G.; TIMMER, M.; DE VRIES, K. Structural transformation in Africa: static gains, dynamic losses. The Journal of Development Studies, v. 51, n. 6, p. 674-688, 2015.

DIAO, X.; McMILLAN, M.; RODRIK, D. The recent growth boom in developing economies: a structural change perspective. National Bureau of Economic Research, 2017. (NBER Working Paper Series, n. 23132).

DUARTE, M.; RESTUCCIA, D. The role of the structural transformation in aggregate productivity. The Quarterly Journal of Economics, v. 125, n. 1, p. 129-173, 2010.

FABRICANT, S. Employment in manufacturing, 1899-1939. New York: NBER, 1942.

FAGERBERG, J. Technological progress, structural change and productivity growth: a comparative study. Structural Change and Economic Dynamics, v. 11, n. 4, p. 393-411, 2000.

FISHER, A.G. Primary, secondary and tertiary production. Economic Record, v. 15, n. 1, p. 24-38, 1939.

FERRAZ, J.C.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 1996.

HALTIWANGER, J.C. Aggregate growth: what have we learned from microeconomic evidence?, OECD, Paris, 2000. (Economics Department Working Papers, n. 267).

HARBERGER, A.C. A vision of the growth process. The American Economic Review, v. 88, n. 1, p. 1-32, 1998.

HERRENDORF, B.; ROGERSON, R.; VALENTINYI, A. Growth and structural transformation. In: AGHION, P.; DURLAUF, S.N. (ed.). Handbook of Economic Growth, 2014. v. 2B. p. 855-941.

HIDALGO, C.A.; HAUSMANN, R. The building blocks of economic complexity. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 106, n. 26, p. 10570-10575, 2009.

HOLLAND, M.; PORCILE, G. Brecha tecnológica y crecimiento en América Latina. In: CIMOLI, M. (ed.). Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: Cepal, Naciones Unidas/ BID, 2005. p. 40-71.

JACINTO, P. de A.; RIBEIRO, E.P. Crescimento da produtividade no setor de serviços e da indústria no Brasil: dinâmica e heterogeneidade. Economia Aplicada, v. 19, n. 3, p. 401-427, 2015.

KALDOR, N. Capital accumulation and economic growth. In: LUTZ, F.; HAGUE, D. D. (ed.). The theory of capital. New York: St. Martin’s Press, 1961. p. 177-222.

KALDOR, N. Causes of the slow rate of economic growth of the United Kingdom: an inaugural lecture. Cambridge: Cambridge University Press, 1966.

KUPFER, D. Trajetórias de reestruturação da indústria brasileira após a abertura e a estabilização. 185 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1998.

KUPFER, D.; ROCHA, F. Productividad y heterogeneidad estructural en la industria brasileña. In: CIMOLI, M. (ed.) Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: Cepal, Naciones Unidas / BID, 2005. p. 72-100.

KUZNETS, S. Modern economic growth: rate, structure and spread. London: Yale University Press, 1966.

LEWIS, W.A. Economic development with unlimited supplies of labour. The Manchester School, v. 22, n. 2, p. 139-191, 1954.

McMILLAN, M.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. In: BACHETTA, M.; JANSEN, M. (ed.). Making Globalization Socially Sustainable. Geneva: International Labour Organization, 2011.

PENEDER, M. Industrial structure and aggregate growth. Structural Change and Economic Dynamics, n. 14, p. 427-448, 2003.

ROCHA, F. Produtividade do trabalho e mudança estrutural nas indústrias brasileiras extrativa e de transformação, 1970-2001. Revista de Economia Política, v. 27, n. 2, p. 221-241, abr.-jun. 2007.

SZIRMAI, A. Manufacturing and economic development. In: SZIRMAI, A.; NAUDÉ, W.; ALCORTA, L. (ed.). Pathways to industrialization in the twenty-first century: new challenges and emerging paradigms. Oxford: Oxford University Press, 2013. p. 53-75.

TIMMER, M.P.; DE VRIES, G.J. Structural change and growth accelerations in Asia and Latin America: a new sectoral data set. Cliometrica, v. 3, n. 2, p. 165-190, 2009.

TIMMER, M. P.; SZIRMAI, A. Productivity growth in Asian manufacturing: the structural bonus hypothesis examined. Structural Change and Economic Dynamics, v. 11, n. 4, p. 371-392, 2000.

TOREZANI, T. A. Evolução da produtividade brasileira: mudança estrutural e dinâmica tecnológica em uma abordagem multissetorial. 2018. Tese (Doutorado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

YILMAZ, G. Labor productivity in the middle income trap and the graduated countries. Central Bank Review, v. 16, n. 2, p. 73-83, 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

TOREZANI, T. A. Produtividade da indústria brasileira: decomposição do crescimento e padrões de concentração em uma abordagem desagregada, 1996-2016. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 19, p. e0200029, 2020. DOI: 10.20396/rbi.v19i0.8658100. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8658100. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Seção Especial: Indústria 4.0, mudanças estruturais e a política industrial