Fatores determinantes da ecoinovação no complexo eletrônico brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v20i00.8659070

Palavras-chave:

Ecoinovação, Complexo eletrônico, Determinantes

Resumo

Ecoinovação é um conceito importante, visto como estratégia de transição para Economia Verde, Economia Circular e Ecossistemas Industriais. Internacionalmente muitos estudos vêm sendo realizados buscando seus determinantes, mas em países de baixa renda são escassos. O objetivo deste artigo é investigar os fatores determinantes das Ecoinovações nas empresas do complexo eletrônico brasileiro da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), por meio de pesquisa de campo e análise estatística descritiva e estimação dos modelos Logit binomial e multinomial. Foi obtida uma amostra de 12% com estimativas dos modelos significativas a 1%. Os resultados apontaram que o mercado, e não a regulação ambiental, tem sido o principal fator determinante das Ecoinovações, pois outras variáveis precisam ser incorporadas no modelo (efetiva implementação da regulação, capacitação institucional e rigor/enforcement e tipo de impacto ambiental). As Ecoinovações de produto dependem do mercado, enquanto as de processo, das regulações; firmas mais inovadoras também são Ecoinovadoras e o porte da empresa importa, mas não a origem do capital, pois muitas vezes a prática da filial não está vinculada à da matriz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stela Luiza de Mattos Ansanelli, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professora na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Araraquara, SP, Brasil.

Israel de Moares Guratti, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Mestrando na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil e Gerente de Tecnologia e Política Industrial da Associação Brasileira da Indústria de Equipamentos Eletroeletrônicos – ABINEE São Paulo, SP, Brasil.

Matheus Gonçalves Cintrão, Universidade de Brasília

Mestrando pela Universidade de Brasília (UNB), Brasília, DF, Brasil.

Alexandre Sartoris Neto, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professor na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Araraquara, SP, Brasil.

Referências

ALOISE, P.G.; NODARI, C.H.; DORION, E.C.H. Ecoinovações: um ensaio teórico sobre conceituação, determinantes e achados na literatura. Interações, Campo Grande, v. 17, n. 2, p. 278-289, abr./jun. 2016.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA NACIONAL ELÉTRICA E ELETRÔNICA – ABINEE. Panorama Econômico e Desempenho Setorial. São Paulo, 2019 BALDÉ, C.P. et al. The Global E-waste Monitor 2017: Quantities, Flows, and Resources. Bonn/Geneva/Vienna, United Nations University (UNU), International elecommunication Union (ITU) & International Solid Waste Association (ISWA), 2017.

BORGHESI, S.; CAINELLI, G.; MAZZANTI, M. Linking emission trading to environmental innovation: evidence from the Italian manufacturing industry. Research Policy, v. 44, n. 3, p. 669-683, 2015.

BOSSLE, M.B.; BARCELLOS, M.D.; VIEIRA, L.M.; SAUVÉE, L. The drivers for adoption of eco-innovation. Journal of Cleaner Production, v. 113, n.1, p. 861-872, 2016.

BRASIL. Lei n. 12.305 de 02 de agosto de 2010: Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei n. 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e dá outras providências. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 3 ago. 2010. Disponível em http://www2.mma.

gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=636. Acesso em: 10 ago. 2020.

CAINELLI, G.; D’AMATO, A.; MAZZANTI, M. Adoption of waste-reducing technology in manufacturing: regional factors and policy issues. Resource and Energy Ecnomics, v. 39, p. 53-67, 2015.

CARVALHO, F.; SAVAGET, P.; ARRUDA, C. Regulação como fator determinante da Eco-Inovação no Brasil. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL LALICS 2013 – SISTEMAS NACIONALES DE INNOVACIÓN Y POLÍTICAS DE CTI PARA UM DESARROLLO INCLUSIVO Y SUSTENTABLE, 2013, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro, LALICS, 2013.

CHIARVESIO, M.; DE MARCHI, V.; DI MARIA, E. Environmental innovations and internationaliation: theory and practices. Business Strategy and the Environment, v. 24, n.8, p. 790-801, 2015.

CLEFF, T.; RENNINGS, K. Determinants of environmental reduct and process innovation. European Environment, v. 9, n. 5, p. 191-201, 1999.

CRUZ, F.N.; HOFF, D.N. Ecossistemas industriais como eco-inovação coerente com a construção de uma Economia Verde. Revista de Estudos Sociais, v. 20, n. 40, p. 142-160, 2018.

DEL RIO, P.; PEÑASCO, C.; ROMERO-JORDAN, D. What drivers eco-innovators? A critical review of the empirical literature based on econometric methods. Journal of Cleaner Production, v. 112, part 4, p. 2158-2170, jan. 2016.

GENTE, V.; PATTANARO, G. The place of eco-innovation in the current sustainability debate. Waste Management, v. 88, p. 96-101, abr. 2019.

HANSEM, M.W. Cross border environmental management in transnational corporations: as analytical framework. Occasional Paper n. 5. Report as part of Unctad/CBS Project: Cross border environmental management in transnational corporations, 1999.

HETTIGE, H.; MARTIN, P.; SINGH, M.; WHEELER, D. IPPS – The Industrial Pollution Projection System. Worldbank, 1995. (Policy Research Working Papers).

HOFF, D.N.; AVELLAR, A.P.; ANDRADE, D.C. Eco-inovação nas empresas brasileiras: investigação empírica a partir da PINTEC. Revista Iberoamericana de Economia Ecológica, v. 26, n. 1, p. 73-87, 2016.

HORBACH, J. Empirical determinants of eco-innovation in European countries using the community innovation survey. Environmental Innovation and Societal Transitions, v. 19, p. 1-14, 2016.

HORBACH, J.; OLTRA, V.; BELIN, J. Determinants and specificities of eco-innovations compared to other innovations – An econometric analysis for the French and German industry based on the Community Innovation Survey. Industry and Innovation, v. 20, n.6, p. 523-543, 2013.

HORBACH, J.; RAMMER, C.; RENNINGS, K.D. Determinants of eco-innovation by type of environmental impact – The role of regulatory push/pull, technology push and Market pull. Ecological Economics, v. 78, p. 112-122, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Industrial Inovação Tecnológica – 2012-2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

KEMP, R. Eco-innovation: definition, measurement and open research issues. Economia Política, Itália, v. XXVII, n. 3, p. 397-419, 2010.

KEMP, R.; PEARSON, P. Final report of the MEI Project measuring eco innovation. Uno Merit Maastricht (The Netherlands), 2008, 119 p. Disponível em: https://www.oecd.org/env/consumption-innovation/43960830.pdf. Acesso em: 15 jan. 2015.

KOELLER, P.; MIRANDA, P.; LUSTOSA, M. C.; PODCAMENI, M. G. Ecoinovação: revisitando o conceito. Brasília: Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, abr. 2020. (Texto para Discussão, n. 2556). Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=35507&Itemid=448. Acesso em: 2 ago. 2020.

LOW, P.; YEATS, A. Do Dirty Industries Migrate? In: LOW, P. (ed.). International Trade and the Environment. Washington, DC: The World Bank, 1992. p. 89-104. (Discussion Paper, n. 159).

LUSTOSA. M.C.J. Meio ambiente, inovação e competitividade na indústria brasileira: a cadeia produtiva do petróleo, 2002. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

LUSTOSA, M.C. Industrialização, meio ambiente, inovação e competitividade. In: MAY, P.H. (org.). Economia do meio ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

MANI, M.; WHEELER, D. In Search of Pollution Havens? Dirty Industry in the World Economy, 1960-1995. Journal of Environment & Development, v. 7, n. 3, p. 215-247, set. 1998.

MARIELLO, A.; BRITTO, A.L.P.; VALLE, T.F. Implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 52, n. 1, p. 24-51, jan./fev. 2018.

MICHIDA, E. The Policy Impact of Product-Related Environmental Regulations in Asia. Japan, Institute of Developing Economies (IDE), JETRO, 2014. (Discussion Paper, n. 451).

MORO, M.A. Inovações Tecnológicas ambientais: uma análise para o setor de microeletrônica. 2014. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo, 2014.

MOURA, M.S. Eco-Inovação no Brasil: uma análise a partir da PINTEC 2011. 2016. Dissertação (Mestrado em Economia) –Universidade de Uberlândia, Minas Gerais, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/17869. Acesso em: 15 ago. 2020.

NORTH, D. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: University Press, 1990.

OCIEPA-KUBICKA, A.; PACHURA, P. Eco-innovations in the functioning of companies. Environmental Research, v. 156, p. 284-290, jul. 2017.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Oslo manual guidelines for collecting and interpreting innovation data. Organisation for Economic Co-operation and Development: Statistical Office of the European Com-munities. Paris: OECD, 2005.

OECD. Sustainable manufacturing and eco-innovation: framework, practices and measurement – Synthesis Report. Paris: OECD, 2009a.

OECD. Eco-innovation in industry: enabling green growth. Paris: OECD, 2009b.

PORTER, M.; VAN DER LINDE, C. Green and competitive: ending the stalemate. Harvard Business Review, p. 120-134, set./out. 1995.

QUEIROZ, J.M.; PODCADEMI, M.G. von B. Estratégia inovativa das firmas brasileiras: convergência ou divergência com as questões ambientais? Revista Brasileira de Inovação, v. 13, n. 1, p. 187-224, 2014.

RENNINGS, K. Redefining i nnovation – e co-innovation research a nd the contribution from ecological economics. Ecological Economics, v. 32, p. 319-332, 2000.

SERENELLA, S. et al. In quest of reducing the environmental impacts of food production on and consumption. Journal of Cleaner Production, v. 140, part 2, p. 387-398, 2017.

SMOL, M.; KULCZYCKA, J.; AVDIUSHCHENKO, A. Circular economy indicators in relation to eco-innovation in European Regions. Clean Technologies and Environmental Policy, v. 19, p. 669-678, 2017.

TEODÓSIO, D.; DIAS, S. F. L. G.; SANTOS, M. C. L. Procrastinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos: catadores, governo e empresas na governança urbana. Ciência e Cultura, v. 18, n. 4, out./dez. 2016.

UNEP. Assessing the Environmental Impacts of Consumption and Production: Priority Products and Materials. A Report of the Working Group on the Environmental Impacts of Products and Materials to the International Panel for Sustainable Resource Management. Hertwich, E., van der Voet, E., Suh, S., Tukker, A., Huijbregts M., Kazmierczyk, P., Lenzen, M., McNeely, J., Moriguchi, Y., 2010.

WONG, S.K.S. Environmental requirements, knowledge sharing and green innovation: empirical evidence from the electronics industry in China. Business Strategy and the Environment, v. 22, n. 5, p. 321-338, 2013.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Como Citar

ANSANELLI, S. L. de M. .; GURATTI, I. de M. .; CINTRÃO, M. G. .; SARTORIS NETO, A. Fatores determinantes da ecoinovação no complexo eletrônico brasileiro. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e021005, 2021. DOI: 10.20396/rbi.v20i00.8659070. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8659070. Acesso em: 20 out. 2021.