Textualidade infográfica eletrônica: efeitos de velocidade para a leitura

Autores

  • Silvia Regina Nunes Nunes Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v20i1.8637534

Palavras-chave:

Discurso. Infográficos. Pré-construído. Estereotipia. Formulação.

Resumo

Neste trabalho, abordo o modo como a injunção ao clicar produz trajetos de leitura no infográfico eletrônico e como esses trajetos são tecidos por meio da reiteração entre formulações verbal-visual e visual-visual. Apresento o modo como a textualidade infográfica eletrônica produz a estereotipia e a contenção de sentidos ao funcionar sob oNeste trabalho, abordo o modo como a injunção ao clicar produz trajetos de leitura no infográfico eletrônico e como esses trajetos são tecidos por meio da reiteração entre formulações verbal-visual e visual-visual. Apresento o modo como a textualidade infográfica eletrônica produz a estereotipia e a contenção de sentidos ao funcionar sob o efeito de pré-construídos, bem como são produzidos efeitos de velocidade para a leitura. efeito de pré-construídos, bem como são produzidos efeitos de velocidade para a leitura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvia Regina Nunes Nunes, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Lingüística pela UNICAMP. Professora adjunta da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT. Membro do CEPEL - Centro de Estudos e Pesquisas em Linguagem, do grupo de pesquisa Cartografias da Linguagem (CNPq) e do grupo O discurso nas fronteiras do social: diferentes materialidades significantes (CNPq).

Referências

AMOSSY, R.; HERSCHERBERG P. A. 1997. Stéréotipes et clichés, Paris: Nathan.

D’OLIVO, F. M. 2010. O social no cordel: uma análise discursiva. Dissertação de Mestrado. IEL/UNICAMP.

GRUPO RBS – Jornal de Santa Catarina e A Notícia. Os efeitos do crack no organismo. In Campanha: Crack nem pensar. Disponível em http://zerohora.clicrbs.com.br/especial/br/cracknempensar/conteudo,0,3755,Comocrackagenoorganismo.html. Acesso em 06/08/2013.

HENRY, P. 1992. A ferramenta imperfeita: língua, sujeito e discurso. Trad. CASTRO, Maria Fausta Pereira de. Campinas: Editora da UNICAMP.

LAGAZZI, S. 2009. O recorte significante na memória. In: INDURSKY, F. et al. (org.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos - SP: Claraluz.

MORELLO, R. 2003. Definir e Linkar em que sentido? In ORLANDI, E. (org.) Para uma Enciclopédia Discursiva da Cidade, Campinas/SP, CNPq/Labeurb/Pontes.

NEGROPONTE, N.2006. A vida digital. São Paulo: Companhia das Letras.

ORLANDI, E. P. 2010. À contrapelo: incursão teórica na tecnologia: discurso eletrônico, escola, cidade. Revista Rua [online] no. 16. Volume 2 - ISSN 1413-2109.

ORLANDI, E. P. 1996. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Rio de Janeiro: Vozes.

PÊCHEUX, M. 1997. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. de Eni P. Orlandi. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Downloads

Publicado

2015-07-03

Como Citar

NUNES, S. R. N. Textualidade infográfica eletrônica: efeitos de velocidade para a leitura. RUA, Campinas, SP, v. 20, n. 1, p. 6–18, 2015. DOI: 10.20396/rua.v20i1.8637534. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8637534. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos