Espaços de solidão, estados de liminaridade: cidade e as ressonâncias da modernidade em A Cidade Onde Envelheço e O Homem das Multidões

Autores

  • Wendell Marcel Alves da Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i1.8652439

Palavras-chave:

Cinema Brasileiro. Modernidade. Filosofia. Cidade.

Resumo

Este trabalho tem como proposta analisar o cinema como reconhecimento dos mundos sociais que coexistem na representação fílmica das relações afetivas na cidade de Belo Horizonte – MG. Entende-se aqui que o cinema fornece um acervo de imagens que ilustram situações sociais que podem ser consideradas como ressonâncias da modernidade. Para efeito de análise empírica, privilegiaremos a apreciação dos longas-metragens O Homem das Multidões (Marcelo Gomes e Cao Guimarães, 2013) e A Cidade Onde Envelheço (Marília Rocha, 2016), e discutir quais os elementos que estão presentes nas narrativas desses filmes para a compreensão das questões sobre solidão, afetividades, memórias e identidadesencenadas na cidade, sob a ótica dos estudos sobre a modernidade.Diante desse contexto, conduzimos o debate a partir das reflexões sobre os aspectos do cinema como um objeto referente da prática social, e da cidade como um lugar da intensificação das matrizes fundamentais da modernidade. Logo, o potencial do cinema em representar determinadas realidades sociais também contribui para dimensionar as questões postas neste trabalho sobre o viver no urbano, quando oportuniza reconhecer os mundos sociais através do dispositivo imagético que congrega elementos filosóficos das ressonâncias da modernidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wendell Marcel Alves da Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestrando em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Cientista Social pela UFRN. Associado da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE). Integrante do Grupo de Pesquisa Linguagens da Cena: imagem, cultura e representação.

Referências

AUMONT, J. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2002.

BERMAN, M. Tudo que é sólido se desmancha no ar. São Paulo: Editora Schwarcz, 1986.

COSTA, W. M. A. “Documentário pernambucano de curta-metragem: espacialidades e narrativas nos filmes Câmara Escura e A Clave dos Pregões”. In: RENÓ, D. P. [et al.] – 1a ed. Ficção e documentário: memória e transformação social (E-book). Rosario: UNR Editora. Editorial de la Universidad Nacional de Rosario, 2016a, pp. 367-378.

COSTA, W. M. A. Olhares sobre a cidade e as narrativas fílmicas do espaço urbano. In: II Encontro de Antropologia Visual da América Amazônica, Belém. Anais eletrônicos… Belém: UFPA, 2016b.

COSTA, W. M. A. Paisagens urbanas e espaços de representação no cinema latino-americano. In: II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina, São Paulo. Anais eletrônicos… São Paulo: EDUSP, 2016c.

COSTA, W. M. A. Mobilidades, trajetos e fronteiras do esquecimento: Eles Voltam e as narrativas fílmicas da (in)diferença social. In: VI Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira, Fortaleza. Anais eletrônicos… Fortaleza: Expressão Gráfica, 2017a.

COSTA, W. M. A. Memórias, narrativas políticas e dicotomias da cidade: olhares fílmicos sobre Recife-PE. Iluminuras, Porto Alegre, v. 18, n. 45, p. 238-268, ago./dez., 2017b.

COSTA, W. M. A. Fugas e medos gays: Praia do Futuro e o cinema transnacional das sensações geográfico-afetivas. In: VI Colóquio Internacional de Estudos sobre Homens e Masculinidades, Recife. Anais eletrônicos… Recife: Instituto Papai, 2017c.

FREUD, S. “Transitoriedade”. In: FREUD, S. Arte, literatura e os artistas. Tradução de Ernani Chaves. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, pp. 221-225.

GOMES, P. C. C. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

JAMESON, F. Pós-Modernismo. A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio. Tradução de Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Editora Ática, 1996.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia assimétrica. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri: Manole, 2005.

LIPOVETSKY, G. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

LIPOVETSKY, G. SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SARTRE, J-P. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

Downloads

Publicado

2018-05-10

Como Citar

COSTA, W. M. A. da. Espaços de solidão, estados de liminaridade: cidade e as ressonâncias da modernidade em A Cidade Onde Envelheço e O Homem das Multidões. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 85–101, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i1.8652439. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8652439. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigo