Banner Portal
Espaços de solidão, estados de liminaridade: cidade e as ressonâncias da modernidade em A Cidade Onde Envelheço e O Homem das Multidões
PDF

Palavras-chave

Cinema Brasileiro. Modernidade. Filosofia. Cidade.

Como Citar

COSTA, Wendell Marcel Alves da. Espaços de solidão, estados de liminaridade: cidade e as ressonâncias da modernidade em A Cidade Onde Envelheço e O Homem das Multidões. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 85–101, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i1.8652439. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8652439. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Este trabalho tem como proposta analisar o cinema como reconhecimento dos mundos sociais que coexistem na representação fílmica das relações afetivas na cidade de Belo Horizonte – MG. Entende-se aqui que o cinema fornece um acervo de imagens que ilustram situações sociais que podem ser consideradas como ressonâncias da modernidade. Para efeito de análise empírica, privilegiaremos a apreciação dos longas-metragens O Homem das Multidões (Marcelo Gomes e Cao Guimarães, 2013) e A Cidade Onde Envelheço (Marília Rocha, 2016), e discutir quais os elementos que estão presentes nas narrativas desses filmes para a compreensão das questões sobre solidão, afetividades, memórias e identidadesencenadas na cidade, sob a ótica dos estudos sobre a modernidade.Diante desse contexto, conduzimos o debate a partir das reflexões sobre os aspectos do cinema como um objeto referente da prática social, e da cidade como um lugar da intensificação das matrizes fundamentais da modernidade. Logo, o potencial do cinema em representar determinadas realidades sociais também contribui para dimensionar as questões postas neste trabalho sobre o viver no urbano, quando oportuniza reconhecer os mundos sociais através do dispositivo imagético que congrega elementos filosóficos das ressonâncias da modernidade.

https://doi.org/10.20396/rua.v24i1.8652439
PDF

Referências

AUMONT, J. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2002.

BERMAN, M. Tudo que é sólido se desmancha no ar. São Paulo: Editora Schwarcz, 1986.

COSTA, W. M. A. “Documentário pernambucano de curta-metragem: espacialidades e narrativas nos filmes Câmara Escura e A Clave dos Pregões”. In: RENÓ, D. P. [et al.] – 1a ed. Ficção e documentário: memória e transformação social (E-book). Rosario: UNR Editora. Editorial de la Universidad Nacional de Rosario, 2016a, pp. 367-378.

COSTA, W. M. A. Olhares sobre a cidade e as narrativas fílmicas do espaço urbano. In: II Encontro de Antropologia Visual da América Amazônica, Belém. Anais eletrônicos… Belém: UFPA, 2016b.

COSTA, W. M. A. Paisagens urbanas e espaços de representação no cinema latino-americano. In: II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina, São Paulo. Anais eletrônicos… São Paulo: EDUSP, 2016c.

COSTA, W. M. A. Mobilidades, trajetos e fronteiras do esquecimento: Eles Voltam e as narrativas fílmicas da (in)diferença social. In: VI Simpósio Internacional sobre a Juventude Brasileira, Fortaleza. Anais eletrônicos… Fortaleza: Expressão Gráfica, 2017a.

COSTA, W. M. A. Memórias, narrativas políticas e dicotomias da cidade: olhares fílmicos sobre Recife-PE. Iluminuras, Porto Alegre, v. 18, n. 45, p. 238-268, ago./dez., 2017b.

COSTA, W. M. A. Fugas e medos gays: Praia do Futuro e o cinema transnacional das sensações geográfico-afetivas. In: VI Colóquio Internacional de Estudos sobre Homens e Masculinidades, Recife. Anais eletrônicos… Recife: Instituto Papai, 2017c.

FREUD, S. “Transitoriedade”. In: FREUD, S. Arte, literatura e os artistas. Tradução de Ernani Chaves. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015, pp. 221-225.

GOMES, P. C. C. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

JAMESON, F. Pós-Modernismo. A Lógica Cultural do Capitalismo Tardio. Tradução de Maria Elisa Cevasco. São Paulo: Editora Ática, 1996.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia assimétrica. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro, 2001.

LIPOVETSKY, G. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri: Manole, 2005.

LIPOVETSKY, G. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

LIPOVETSKY, G. SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SARTRE, J-P. O existencialismo é um humanismo. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.