Banner Portal
Maracanã como mídia urbana: as narrativas jornalísticas, apropriações e interações no torcer no “maior do mundo”
PDF

Palavras-chave

Maracanã. Narrativas. Mídia urbana. Copa de 1950.

Como Citar

BRINATI, Francisco Angelo; MOSTARO, Filipe. Maracanã como mídia urbana: as narrativas jornalísticas, apropriações e interações no torcer no “maior do mundo”. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 211–236, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i1.8652709. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8652709. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

A narrativa da construção do Maracanã para a Copa de 1950 foi recheada de disputas simbólicas e de tentativas de se impor novas representações para este espaço urbano. Neste artigo investigamos as narrativas presentes nos jornais O Globo, A Noite, Diário da Noite e Jornal dos Sports atentando para duas questões. A primeira é como a edificação do estádio se tornou um pilar essencial na elaboração discursiva da entrada do país na Modernidade. A segunda é indicar como o espaço urbano do estádio suscitou negociações simbólicas sobre o torcer e ocupar esta construção. Nossa argumentação é que o Maracanã se torna uma mídia urbana, palco para disputas das práticas existentes na cidade que comumente extrapolam o viés esportivo, englobando narrativas políticas, econômicas e sociais.

https://doi.org/10.20396/rua.v24i1.8652709
PDF

Referências

FUNDAÇÃO BIBILOTECA NACIONAL.A Noite, Rio de Janeiro, disponível em http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx. Acesso em 18/09/2017.

ANDERSON, Benedict; BOTTMAN, Denise. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo.Editora Companhia das Letras, 2008.

BARBOSA, MARIALVA CARLOS. Cenários de transformação: Jornalismo e História no século XX. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, v. 19, n. 2, 2012.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim: o cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro. SP: Unicamp, 2001.

DA MATTA. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

DA MATTA. Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

Diário da Noite, Rio de Janeiro, disponível em http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx Acesso em 11/09/2017.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador 2. Vol. 2. Zahar, 1993.

FOUCAULT, M. Outros espaços. In: BARROS DA MOTTA, M. (Org.). Estética: literatura e pintura, mú¬sica e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. p 411-422.

FRANCISCATO, Carlos Eduardo. A fabricação do presente: como o jornalismo reformulou a experiência do tempo nas sociedades ocidentais. Universidade Federal de Sergipe, 2005.

FRANCO, Hilário Jr. A Dança dos Deuses: futebol, cultura e sociedade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FREYRE, Gilberto. Foot-ball mulato. Diário de Pernambuco, Recife, 17 jun. 1938, p.4.

FREYRE, Gilberto. 2003. Casa Grande & Senzala. Formação da família brasileira sob o regime patriarcal. Recife: Global Editora.

FUCHS, Christian. Mídias Sociais e a Esfera Pública. Revista Contracampo, v.34, n.3. p.05-80, 2015.

GUMBRECTH, Hans Ulrich. Elogio da Beleza Atlética. Trad. Fernanda Ravagnani. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GUMBRECTH, Hans Ulrich. Atmosfera, ambiência, Stimmung: sobre um potencial oculto da literatura. Contraponto, 2014.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguês. RJ: Tempo Brasileiro, 1984.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios: 1875-1914. Editora Paz e Terra, 2015.

HOBSBAWN, E.; RANGER, T.Invenção das Tradições. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

HORNBY, Nick, Christian SCHWARTZ. Febre de bola. Editora Companhia das Letras, 2013.

Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, disponível em http://memoria.bn.br/hdb/periodico.aspx Acesso em 15/09/2017.

LOSNAK, C. J. Jornais e Ferrovia: uma intervenção social. SP: Anais Confibercom, 2011.

LOPES, José Sérgio Leite. A vitória do futebol que incorporou a pelada - A invenção do jornalismo esportivo e a entrada dos negros no futebol brasileiro.Revista usp 22 (1994): 64-83.

MASCARENHAS, Gilmar. Entradas e bandeiras – a conquista do Brasil pelo futebol. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: imprensa, atores políticos e sociabilidades na Cidade Imperial (1820-1840). RJ: Hucitec, 2006.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Claudia; BENETTI, Márcia. Metodologia de pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise Crítica da Narrativa. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2013.

NOVAIS, Fernando A; SEVCENKO, Nicolau. História da Vida Privada no Brasil. vol. 3. SP: Companhia das Letras, 1998.

O Globo, Rio de Janeiro, disponível em http://acervo.oglobo.globo.com/consulta-ao-acervo/Acesso em 13/09/2017.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Vol. 1. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

SANTOS, Tarcyanie Cajueiro. Dos espetáculos de massa às torcidas organizadas: paixão, rito e magia no futebol. São Paulo: Annablume, 2004.

SARMENTO, C. E. B. A construção da nação canarinho: uma história institucional da seleção brasileira de futebol, 1914-1970. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

SEVCENKO, N. Futebol, metrópoles e desatinos. In:Revista da USP, Dossiê Futebol, (22): 30-37, 1994.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o início do sensacionalismo popular. O cinema e a invenção da vida moderna.São Paulo: Cosac & Naify, p. 95-123, 2004.

SODRÉ, Muniz. O monopólio da fala: função e linguagem da televisão no Brasil. Vol. 16. Editora Vozes, 1977.

TOLEDO, Luís Henrique. Torcidas Organizadas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1996.

WINKIN, Yves. A Nova Comunicação: Da teoria ao trabalho de campo. Campinas: Papirus, 1998.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.