Territórios de exceção: poder, espaço urbano, literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v24i2.8653877

Palavras-chave:

Violência urbana. Biopolítica. Estado de exceção. Estudos pós-coloniais.

Resumo

Levando em consideração as reflexões sobre “biopolítica”, de Michel Foucault, e “poder soberano”, de Giorgio Agamben, assim como as análises das dinâmicas coloniais na contemporaneidade, desenvolvidas por Achille Mbembe, o presente ensaio investiga os múltiplos mecanismos violentos do poder nas periferias urbanas brasileiras. Através da análise do romance Cidade de Deus, de Paulo Lins, o objetivo do artigo é questionar o papel da escrita como instrumento de sobrevivência e resistência perante a condição de “vida nua”, desprovida dos direitos de cidadania, à qual o corpo negro e periférico encontra-se submisso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Fazzini, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Professor no Istituto Italiano di Cultura – Rio de Janeiro (IIC-RJ), doutorando no âmbito do programa em Literatura, Cultura e Contemporaneidade da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Lo stato d’eccezione. Milano, Bollati Boringhieri, 2003.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. Il potere sovrano e la nuda vita. Torino: Einaudi, 1995.

ALIGHIERI, Dante. La divina commedia. Milano: Mondadori. 2005.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.

CANDIDO, Antônio. “Dialética da Malandragem: caracterização das Memórias de um sargento de milícias”. In: Revista do Instituto de estudos brasileiros, nº 8, São Paulo: USP, 1970, pp. 67-89.

CAPRIGLIONE, Laura. “Os mecanismos midiáticos que livram a cara dos crimes das polícias militares no Brasil”. In: AAVV. A violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015, pp. 56-60.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1998.

CUNHA, Eneida Leal. “Ceneas e cenários da cidade negra”. Semear, Rio de Janeiro, n.N.3, p. 129-138, 1999.

DELCASTAGNÈ, Regina. “A personagem do romance brasileiro contemporâneo”. Estudos de literatura brasileira. N. 26, Brasília, Julho-Dezembro 2005, p. 13-71.

FANON, Frantz. Les damnés de la terre. Paris: François Maspero, 1961.

FAULHABER, Lucas. AZEVEDO, Lena. Remoções no Rio de Janeiro olímpico. Rio de Janeiro: Mórula, 2015.

FOSTER, Hal. O retorno do real. São Paulo: Cosac Naif, 2014.

FOUCAULT, Michel. “Aula de 17 de março de 1976”. In Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 285-315.

GOMES, Renato Cordeiro. “A cidade, a literatura e os estudos culturais: do tema ao problema”. In: Ipotesis: revista de estudos literários. V.3, N.2, Juiz de Fora: UFJF, pp 19-30.

HARVEY, David. Cidades rebeldes. São Paulo: Martin fontes, 2014.

LINS, Paulo. Cidade de Deus. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LEFEBVRE, Henri. The urban revolution. Minneapolis, University of Minnesota Press, 2003.

MENA, Fernanda. “Um modelo violento e ineficaz de polícia”. In: AAVV. A violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015, pp.

MBEMBE, Achille. “Necropolitics”. In: Public Culture, Duke University Press, 2003, p. 11-40.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

PENNA, João Camillo. Escritos de sobrevivência. Rio de Janeiro: 7letras, 2013.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. SILVA, Rodrigo Torquato da. “Da lógica do favor à lógica do pavor: um ensaio sobre a geografia da violência na cidade do Rio de Janeiro”.In: FERNANDES, Ana. ROLNIK, Raquel. Cidades. Rio de Janeiro: Funarte, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34, 2009.

RANCIÉRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RIBEIRO, Luiz Cesar de Queiroz. “Prefácio”. In: WACQUANT, Loïc. Os condenados da cidade. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

RIBEIRO, Paulo Jorge. “Cidade de Deus–memória e etnografia em Paulo Lins". Lugar comum. N.11, Maio-Agosto 2000, p. 73-93.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Cena do Crime: violência e realismo no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

SCHWARTZ, Roberto. “Uma aventura artistica incomum”. Folha de São Paulo. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1997/9/07/mais!/24.html. Último acesso 15/12/2016.

SOARES, Luiz Eduardo. “Por que tem sido tão difícil mudra os políciais”. In: AAVV. A violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015, pp. 27-32.

SONTAG, Susan. Regarding the pain of others. London: Penguin Book, 2003.

SPIVAK, Gayatry Chakravorty. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

VAINFAS, Ronaldo. “Colonização, miscigenação e questão racial: notas sobre equívocos e tabus da historiografia brasileira”. In: Tempo - Revista digital de história da Universidade Federal Fluminense. Vol. 8, Agosto 1999.

VELHO, Gilberto. “Violência e conflito nas grandes cidades contemporâneas”. VII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. Atos do Congresso, 2004, p. 1-9.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2016. Homicídios por armas de fogo no Brasil. Disponível em: http://flacso.org.br/files/2016/08/Mapa2016_armas_web.pdf. Último acesso: 15/12/2016

Downloads

Publicado

2018-11-01

Como Citar

FAZZINI, L. Territórios de exceção: poder, espaço urbano, literatura. RUA, Campinas, SP, v. 24, n. 2, 2018. DOI: 10.20396/rua.v24i2.8653877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8653877. Acesso em: 21 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo