A escrita subversiva de “n. d. a.”

um corpo desgarrado e grotesco

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8655547

Palavras-chave:

Marca, Derrida, Realismo grotesco, Bakhtin,

Resumo

A escrita compreendida conforme deriva estrutural que dissemina sentidos através do deslocamento de relações entre fontes e marcas escriturais configura uma problematização de concepções logocêntricas do ato de escrever e sua legibilidade, as quais se fundamentam, sobretudo, em noções de representação, identidade, autoria e tessitura textual canônica. Nesse sentido, problematizaremos, neste artigo, como a escrita de “n. d. a.”, de Arnaldo Antunes, estrutura-se por relações de sentido que dispensam imperativos de criação que rastreiem uma fonte produtora e um sentido estável, por meio da assunção de imagens do realismo grotesco (BAKHTIN, 1987). Para tanto, fundamentamo-nos em Derrida (1972), especificamente, quando trata da questão da escritura como marca em deriva e da relação dessa questão com a da assinatura; e Bakhtin (1987), quando trata do princípio material e corporal da cultura cômica popular. Enfim, pretendemos indicar que as relações escriturais desconstrutoras características das poesias de “n. d. a.” tecem-se pelo descentramento de práticas de produção discursiva pautadas em relações de sentido reduzidas à identificação de intenção autoral a um texto e à organização de formas discursivas referenciais e objetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Batista Costa Gonçalves, Universidade Estadual do Ceará

Professor adjunto IX da Universidade Estadual do Ceará. Doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará e pós-doutorado em Linguística pela mesma universidade.

Marcos Roberto dos Santos Amaral, Universidade Estadual do Ceará

Doutorando em Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da UECE - PosLA-UECE.

Referências

AMARAL, J. F. B. Arnaldo Antunes: o corpo da palavra. Dissertação. (Mestrado em Letras Vernáculas, Literatura Brasileira). 2009. 111f. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

AMARAL, M. R. S. Análise dialógica dos signos ideológicos verbo-visuais em poemas da obra “n. d. a.”, de Arnaldo Antunes. 2017. 217 f. Dissertação (Mestrado acadêmico em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2017.

ANTUNES, A. N. d. a. São Paulo. Iluminuras. 2010.

BAKHTIN, M. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec; Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1978.

BAKHTIN, M, VOLOCHÍNOV. V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2014.

BARTHES, Roland. Aula. São Paulo: Cultrix, 1987.

DERRIDA, J. Assinatura acontecimento contexto. In: Margens da Filosofia. Papirus Editora, Campinas, São Paulo, 1972.

SILVA, E. R. G.; SILVA, S. S. A memória devoradora no poema de Arnaldo Antunes. In: IV SEMINÁRIO NACIONAL LITERATURA E CULTURA, 4. 2012. São Cristóvão, SEAnais eletrônicos...São Cristóvão, SE: GELIC/Universidade Federal de Sergipe, v. 4. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/view/30554739/a-memoria-devoradora-na-poema-de-arnaldo-antunes/8. Acesso em: 10 maio 2017.

SILVA, M. G. V. Elementos da cibercultura e suportes performanciais em 2 ou + corpus no mesmo espaço, da Arnaldo Antunes. 2014. 122f. Dissertação. (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2014.

Downloads

Publicado

2019-05-30

Como Citar

GONÇALVES, J. B. C.; AMARAL, M. R. dos S. A escrita subversiva de “n. d. a.”: um corpo desgarrado e grotesco. RUA, Campinas, SP, v. 25, n. 1, 2019. DOI: 10.20396/rua.v25i1.8655547. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8655547. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos