Efeitos de sentidos de “palavras de amizade e boa vontade”

um estudo discursivo-desconstrutivo da intolerância e do preconceito marcados na carta do Cacique Seattle

Palavras-chave: Cacique Seattle, Intolerância e preconceito, Perspectiva discurso-desconstrutiva

Resumo

Propomo-nos estudar o processo da constituição identitária do sujeito indígena como articulado na Carta do Cacique Seattle (1854), a fim de apreender os efeitos de sentidos de intolerância e preconceito. Para tal, faz-se necessário a crítica do estudo das relações de saber/poder (FOUCAULT, 2014), da perspectiva discursivo-desconstrutiva de Guerra (2017) e da concepção de lugar Geoistórico de Nolasco (2013). Nossa hipótese de pesquisa é que a Carta, examinada como um monumento, possibilita-nos a exumação de histórias locais e memórias veladas, silenciadas pelo saber hegemônico. A análise nos permite dizer que o indígena não se enquadra ao que é esperado pelo “homem branco” em relação à terra e a maneira de viver, em consequência, os saberes aos quais o povo indígena está atrelado são desqualificados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Machado Tinoco, Universidade de Mato Grosso do Sul

Doutorando e mestre em Letras pela UFMS de Três Lagoas.

           
Vania Maria Lescano Guerra, Universidade de Mato Grosso do Sul

Pós doutora pela Universidade de Campinas sob a supervisão da Profa. Dra. Maria José Faria Coracini.

         

Referências

AUTHIER-RÉVUZ, Jaqueline. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Trad. Eni P. Orlandi Campinas: Ed. da UNICAMP, 1998.

BARROS, Diana L. P. de. Estudos discursivos da intolerância: o ator da enunciação excessivo. Cadernos de ESTUDOS LINGUÍSTICOS – (58.1), Campinas, jan./abr. 2016. p. 7-24.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulação. Trad. Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio d’Água, 1991.

BHABHA. Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana L. de L. R., Gláucia R. G. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2013.

BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. Campinas: Ed. Unicamp, 1996.

BROWN, Dee. Bury My Heart at Wounded Knee: An Indian History of the American West. New York: Holt, Rinehart and Winston.

BURMESTER, Ana M. de O. A vida como obra de arte: o sujeito como autor? In: RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo. (Orgs.). Para uma vida não-facista. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2015. p. 27-33.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. Trad. Klauss Brandini Gerhardt. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

CORACINI, Maria J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

DERRIDA, Jacques. Aporias. Stanford, California: Stanford University Press, 1993.

DERRIDA, Jacques. Politics of Friendship. London; New York: Verso, 1997.

DUNBAR-ORTIZ, Roxanne. An Indigenous Peoples' History of the United States. Boston: Beacon Press, 2014.

ECKERT-HOFF, Beatriz M. Escritura de si e identidade: o sujeito-professor em formação. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

ESTRANHO. Dicionário online do Priberam. Disponível em https://dicionario.priberam.org/estranho. Acesso em 23 dez. 2018.

FERNANDES, Cleudemar A. (Org.). A violência na contemporaneidade: do simbólico ao letal. São Paulo: Intermeios, 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

GASPAR, Nádea R. Língua, linguagem, texto e discurso. In: NAVARRO, Pedro. (Org.). Estudos do texto e do discurso: mapeando conceitos e métodos. São Carlos: Claraluz, 2006. p. 45-63.

GIFFORD, Eli; COOK, Michael; JEFFERSON, Warren. How can one sell the air? Summertown: Native Voices, 2005.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista crítica de Ciências Sociais, 80, Março de 2008. p. 115-147.

GUERRA, Vânia M. L. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010.

GUERRA, Vânia M. L. Povos Indígenas: Identidade e Exclusão Social. Campo Grande: Editora da UFMS, 218 páginas, 2015.

GUERRA, Vânia M. L. As fronteiras da exclusão: o discurso do outro e o processo identitário do indígena. In: BESSA-OLIVEIRA, Marcos A.; NOLASCO, Edgar C.; GUERRA, Vânia M. L.; S. FREIRE, Zélia R. N. dos. (Orgs.). Fronteiras platinas em Mato Grosso do Sul. Campinas: Pontes, 2017. p. 95 – 122.

GUERRA, Vânia M. L; TINOCO, João Paulo F. “Controlar sua língua”: a violência como dispositivo de poder a partir da escrita de Gloria Anzaldúa. In: Interletras, v. 7, Edição número 27, abril/setembro de 2018, p. 1-15. Disponível em: https://www.unigran.br/interletras/ed_anteriores/n27/conteudo/artigos/1.pdf. Acesso em: 10 março de 2019.

LORENZETTO; KOZICKI. A desconstrução e as políticas da amizade. Revista da Faculdade de Direito - UFPR, Curitiba, n.47, 2012. p.29-64.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. In: Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: http://www.uff.br/cadernosdeletrasuff/34/traducao.pdf. Acesso em: 06 novembro 2018.

NAÇÃO. Dicionário online do Priberam. Disponível em https://dicionario.priberam.org/estranho. Acesso em 13 janeiro 2019.

NOLASCO, Edgar Cézar. Perto do coração selbaje da crítica fronteriza. São Carlos: Pedro & João, 2013.

MOSÉ, Viviane. Fé e Filosofia. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SAzX83gWNB8. Acesso em: 21 outubro 2018.

NGEMATÜCÜ, Pedro I. Indígena Ticuna da Amazônia, líder do movimento indígena. In: SANTOS, Boaventura de S. (Org.). As vozes do mundo. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2009. p. 183 – 229. Entrevista concedida a Fábio Vaz Ribeiro e Lino João Neves.

ORLANDI, Eni P. As formas de silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ORTEGA, Francisco. Para uma política da amizade. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2009.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, 2008.

PÊCHEUX, Michel Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009.

SANTOS, Boaventura de S.; NUNES, João A. Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. In: SANTOS, Boaventura de S. (org.). Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003. p. 25-68.

SANTOS, Boaventura de S. (Org.). As vozes do mundo. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira, 2009.

SANTOS, Boaventura de S.; MENESES, Maria Paula. (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Gráfica de Coimbra, LTDA, 2010.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

TINOCO, João P. F. O processo identitário do sujeito indígena: uma análise discursiva da Carta do Cacique Seattle. 2016. 147 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas. 2016.

ZIZEK, Slavoj. Violência. Trad. Miguel Serras Pereira. São Paulo: Boitempo, 2014.

WALSH, Catherine E. Interculturality and Decoloniality. In: MIGNOLO, Walter D.; WALSH, Catherine E. (Orgs.). On decoloniality: concepts, analytics, praxis. Durham. Duke University Press, 2018. p. 15 – 32.

Publicado
2019-11-21
Como Citar
Tinoco, J. P. M., & Guerra, V. M. L. (2019). Efeitos de sentidos de “palavras de amizade e boa vontade”. RUA, 25(2), 571-592. https://doi.org/10.20396/rua.v25i2.8657541
Seção
Estudos