Políticas públicas patrimoniais

o tombamento Art Déco em Goiânia (GO)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8658954

Palavras-chave:

Patrimonialização das cidades, Tombamento arquitetônico e urbanístico Art Déco em Goiânia, Identidade urbana

Resumo

Este artigo busca analisar o mérito do tombamento do Art Déco em Goiânia, capital do estado de Goiás. Ainda hoje, vinte anos após o processo de tombamento de alguns edifícios públicos e do traçado urbano pioneiro central, boa parte da população não reconhece aquele espaço como parte da identidade goianiense. Poucos, inclusive, conhecem o processo histórico e construtivo do município ou não perfilham as características arquitetônicas do Art Déco, salientando, portando, o questionamento: qual a importância do tombamento do Art Déco em Goiânia? A estrutura deste artigo irá abarcar pesquisas que discorrem sobre a patrimonialização das cidades mundiais, o processo do “culturalismo de mercado” e a necessidade da participação popular na formulação e na implementação de políticas públicas culturais. Os resultados indicam que o tombamento das edificações supracitadas fora feito de ofício pela administração pública e que não condizem com as imagens urbanas firmadas no imaginário dos goianienses

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jackeline Mendes Ferreira, Universidade Federal de Goiás

Mestra em Projeto e Cidade pela Universidade Federal de Goiás.

Adriana Mara Vaz de Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Associado I da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ARANTES, Otília Beatriz Fiori. Cultura da cidade: animação sem frase. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. n. 24, 1996, p. 229-241.

ARANTES, Otília. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, Otília, VAINER, Carlos, MARICATO, Ermínia (Org.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis-RJ: Ed. Vozes, 2000.

AZEVEDO, Angélica. Memória Art Déco em Goiânia: a busca por uma identidade. Dissertação (Mestrado) - Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte-MG, 2018.

BRASIL. Decreto-Lei nº 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Rio de Janeiro-RJ, novembro de 1937. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0025.htm. Acesso em: 27 jan. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF, outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 28 jan. 2020.

BRASIL, Felipe Gonçalves, CAPELLA, Ana Cláudia Niedhardt. Os Estudos das Políticas Públicas no Brasil: passado, presente e caminhos futuros de pesquisa sobre análise de políticas. Revista Política Hoje, v. 25, n. 1, 2016, p. 71-90. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/viewFile/3710/3012. Acesso em: 28 jan. 2020.

CANDAU, Joel. Memória e identidade. Tradução Maria Letícia Ferreira. 1. ed., 2. reimpressão – São Paulo: Contexto, 2014.

GEVEHR, Daniel Luciano; BERTI, Fabiana. Gentrificação: uma discussão conceitual. Revista Políticas Públicas & Cidades, v. 5, n .1, p. 85–107, jan. /Jul, 2017.

HARVEY, David. Condição Pós-Moderna. 13. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HOWLETT, Michael; RAMESH, M.; PERL, Anthony. Política pública: seus ciclos e subsistemas: uma abordagem integradora. Tradução técnica de Francisco G. Heidemann. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

IPHAN. 17 de agosto: Dia do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/901/17-de-agosto-dia-do-patrimonio-historico-artistico-e-cultural. Acesso em: 24 jan. 2020.

IPHAN. Monumentos e Espaços Públicos Tombados – Goiânia (GO). Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/1486/. Acesso em: 10 fev. 2020.

JACQUES, Paola Berenstein. Patrimônio Cultural Urbano: Espetáculo Contemporâneo?. Revista de Urbanismo e Arquitetura. Salvador, v.1, n. 8, julho/dezembro, 2003.

LYNCH, Kevin. A imagem a cidade. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Editoria WMF Martins Fontes, 2010.

MELLO, Márcia Metran de. Goiânia: cidade de pedras e de palavras. Goiânia: Editora UFG, 2006.

MANSO, Celina Fernandes Almeida (Org.). Goiânia Art Déco: Acervo arquitetônico e urbanístico. Dossiê de tombamento. Goiânia, SEPLAN, 2004.

RANDOLPH, Rainer. Políticas públicas e desenvolvimento regional: desafios e potencialidades no Brasil. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 14, n. 3, p. 426-445. Taubaté-SP, 2018.

Downloads

Publicado

2020-03-30

Como Citar

FERREIRA, J. M.; OLIVEIRA, A. M. V. de . Políticas públicas patrimoniais: o tombamento Art Déco em Goiânia (GO). RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8658954. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8658954. Acesso em: 26 jan. 2023.

Edição

Seção

Estudos