Da opacidade da palavra selfie no discurso digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8660195

Palavras-chave:

Língua, Subjetividade, Estrangeirismo, Discurso, Tecnologia, Autorretrato

Resumo

O estudo que constitui este trabalho de pesquisa, fundamenta-se nos princípios teóricos e analíticos da Análise de Discurso, uma teoria linguística de caráter interpretativo que considera a relação língua, sujeito e história como indissociáveis. Deste modo, a reflexão desenvolvida concentra-se na produção de sentidos sobre a palavra selfie. Analisamos como o discurso digital sustenta a constituição desta palavra. Além disso, problematizamos como se configura uma memória da língua sobre a palavra selfie no espaço de enunciação brasileiro e nos posicionamos criticamente à definição formulada nos dicionários de língua inglesa e portuguesa, apostando nas diferentes historicidades constituídas entre o gesto de se auto fotografar e a relação com a palavra selfie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maraline Aparecida Soares, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso. Professora no Departamento de Letras da Universidade do Estado de Mato Grosso. Pesquisadora do grupo Discurso e Mídias Sociais.

Silvia Regina Nunes, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora na Universidade do Estado de Mato Grosso. Líder do grupo de pesquisa Discurso e Mídias Sociais.

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ideologias e Aparelhos Ideológicos do Estado. Tradução de Joaquim José de Moura Ramos. Editorial Presença/Martins Fontes, 1970.

COSTA, G.C. da. A palavra do ano é uma imagem. Fragmentum, Santa Maria, Programa de Pós-graduação em Letras, UFMS, n. 48, p. 89-103, jul./dez., 2016. DOI: https://doi.org/10.5902/fragmentum.v0i48.23308

HAROCHE, Claudine. Fazer dizer, querer dizer. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi, com colaboração de Freda Indursky e Marise Manoel. São Paulo: Editora Hucitec, 1992.

MAGALHÃES, B.; MARIANI, B. Processos de subjetivação e identificação: ideologia e inconsciente. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, SC, v. 10, n. 2, p. 391-408, maio/ago. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-76322010000200008

NUNES, José Horta. Dicionários: história, leitura e produção. Revista de Letras da Universidade Católica de Brasília – UCB. v. 3, n. 1/2, ano III – dez./2010. p. 6-21.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 4. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012.

PAYER, M. O. Memória da língua: imigração e nacionalidade. São Paulo: Escrita, 2006.

ROCHA LIMA, Carlos Henrique da. Gramática normativa da língua portuguesa. Prefácio de Serafim da Silva Neto. 40. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2001.

Downloads

Publicado

2020-06-23

Como Citar

SOARES, M. A.; NUNES, . S. R. . Da opacidade da palavra selfie no discurso digital. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8660195. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8660195. Acesso em: 26 jan. 2023.

Edição

Seção

Estudos