Ainda um corpo estranho?

mastro da bandeira – Brasília, 1972: vozes-silêncio-discurso(s)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i2.8662010

Palavras-chave:

Sergio Bernades, Arquivo, Mastro da bandeira, Silêncio, Fragmento, Discurso

Resumo

Mastro da Bandeira, Brasília, 1972: ainda “um corpo estranho” “invasor” da Praça dos Três Poderes? Shiiiii! Silêncio! Esta questão-título norteia o presente [inter]texto escavando reflexões discursivas sob “as formas do silêncio no movimento dos sentidos” (ORLANDI, 2018) acerca da obra do centenário arquiteto carioca Sergio Bernardes (1919/2002), em especial sobre este projeto emblemático. Objeto de intensa polêmica no meio arquitetônico na época, o Monumento ao Pavilhão Nacional é aqui compreendido como elemento simbólico/discursivo, numa operação crítica entre os campos da arquitetura e da análise do discurso (AD) de matriz francesa. Assim, recolocamo-nos: que possíveis efeitos de sentidos – efeitos em dispersão (FOUCAULT, 2013) – são produzidos a partir e em torno deste acontecimento (PÊCHEUX, 2006) se entrelaçando, entretecendo, construindo, fragmentando, dizendo em silêncio, em implícito, enunciando na opacidade da linguagem possíveis narrativas-arquivo (FOUCAULT, 2017) sobre esta obra-personagem?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Felicetti, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando em Arquitetura pelo PROARQ / Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, vinculado ao Laboratório de Narrativas Arquitetônicas – LANA, e bolsista PROEX-CAPES (Agosto, 2018). 

Eliane Marquez da Fonseca Fernandes, Universidade Federal de Goiás

Doutorado em andamento em Pós-Doutorado em Educação em Universidade de Brasília. Professora voluntária na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás.

Referências

A Bandeira. Correio Braziliense, Brasília, 22 novembro de 1972, Correio Jvem/caderno suplemento, ano 1, n° 11, p.1. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso em jul.2019.

A Praça dos Três Poderes se livra do grande mastro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 25 junho 1985, Ed. 0078, Caderno B, p. 1. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital . Acesso em: jul.2019.

BERNARDES, Sergio. In: OMAR, Arthur. Bernardes e a filosofia do Monumento à Bandeira. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 14 e 15 de maio de 1972, anexo. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso em: 10/07/2019.

BERT. J. François. Pensar com Michel Foucault. São Paulo: Parábola, 2013.

Brasília cultuará pira de Niemeyer no lugar do mastro de Bernardes. Jornal do Brasil 31/8/86 – 1° caderno, p.2. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso: jul. 2019

Cem Anos sem Solidão. Casa Vogue. Rio de Janeiro: Editora Globo, maio 2019, pp. 88-91

CAMPOS, H. Galáxias. São Paulo: Editora 34, 2004.

CAVALCANTI, Lauro; BERNARDES, Kykah. (Org.). Sergio Bernardes. Rio de Janeiro: Artviva, 2010.

FELICETTI, M. Sergio Bernardes e o Monumento ao Pavilhão Nacional, Brasília, 1972. Arquitextos, São Paulo, ano 18, n. 216.05, Vitruvius, maio 2018. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/18.216/6992. Acesso em: jul.2019.

FISCHER, R. M. B. Foucault. In: OLIVEIRA, L. A. Estudos do Discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola, 2013. pp.123-151.

FOUCAULT, M. Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2017.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

GUERRA, A. A Praça dos Três Poderes se livra do grande mastro. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 25 junho 1985, Caderno B, p. 1. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso: jul.2019.

LE GOFF, J. História e Memória. Campinas: Editora Unicamp, 1996, p.538.

Médici inugura Monumento ao Pavilhão. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 20 novembro de 1972, p.16. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso em: jul.2019

NPD/UFRJ - Núcleo Pesquisa e Documentação Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Niemeyer deve derrubar a lei para acabar com monumento em Brasília. Jornal do Brasil – Rio de Janeiro, 27 junho 1985, Ed. 0080, 1° Caderno, p. 6. Acesso em: 10/07/2019.

Niemeyer recebe elogio de Sarney pela beleza do panteão de Tancredo. Jornal do Brasil, Rio de Janeir, 20 junho 1985, Capa e p. 3. Disponivel em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital. Acesso em: jul.2019.

OMAR, Arthur. Bernardes e a filosofia do Monumento à Bandeira, Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 14 e 15 Mai. 1972, Anexo. Disponível em: http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital . Acesso em: jul.2019.

ORLANDI, E. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2003.

ORLANDI, E. As formas do silêncio no movimento dos sentidos. Campinas: Editora Unicamp, 2018.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 2006.

PÊCHEUX, M. Papel da Memória. In: ORLANDI, E. (Org.). Papel da Memória. Campinas: Pontes, 2007, pp. 49-57.

PEREIRA, M; BERESTEIN, P. (Org.). Nebulosas do pensamento urbanístico. Salvador: EDUFBA, 2019.

Prancheta de Sonhos, Revista Veja, Rio de Janeiro, Editora Abril, Edição 790, pp. 120-121, 26 Out. 1983. Disponível em: http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx. Acesso em: jul.2019.

TAFURI, M. Architecture and Utopia. Cambridge, Massachusetts: The MITPress, 1976.

Um corpo estranho. Revista Veja, Rio de Janeiro, Editora Abril, p. 36, 11 Set. 1972. Disponível em: http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx. Acesso em: jul.2019.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

FELICETTI, M. .; FERNANDES, E. M. da F. . Ainda um corpo estranho? mastro da bandeira – Brasília, 1972: vozes-silêncio-discurso(s). RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 429–452, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i2.8662010. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8662010. Acesso em: 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Estudos