Plurilinguismo e cartografia discursiva do estado do Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27i2.8667773

Palavras-chave:

Política linguística, Plurilinguismo, Cartografia discursiva

Resumo

Como ponto de partida está o mapeamento das diferentes línguas faladas no Rio de Janeiro, com a proposta de uma cartografia discursiva. Enveredamos pela articulação de conceitos oferecidos pela Análise de Discurso de linha francesa e da escola europeia de Sociolinguística. Sendo o Rio de Janeiro polo que agrega povos de diferentes procedências, muitos são os entraves e problemas para acolher a todos. A principal barreira na solução para um bom acolhimento reside na diversidade de línguas que fluem com o trânsito de muitos imigrantes, de povos originários do Brasil e do fluxo constante de refugiados. A proposta de uma cartografia está, assim, na possibilidade de, ao mapear essas línguas, pensar no atravessamento do urbano pela sonoridade de tantas e diferentes línguas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania Conceição Clemente de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Associada do Departamento de Antropologia do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora da Pós-graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coordenadora do Museu Nacional, Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Rodrigo Pereira da Silva Rosa, Universidade Federal doRio de Janeiro

Doutorando em Linguística pela Universidade Federaldo Rio de Janeiro. Membro do  Museu Nacional, Laboratório de Estudos do Discurso, Imagem e Som da Universidade Federal doRio de Janeiro.

Referências

ARACIL, L. V. Sobre la situació minoritária. In: ARACIL, L. V. (Org.). Dir la realitat. Barcelona: Edicions Països Catalans, 1983. p. 171-206.

BAUMAN, Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

CASTRO, Y. P. Das línguas africanas ao português brasileiro. Ano: 1983. Disponível em: https://repositorio.ufba.br (consulta: 30/12/2019 às 15:40)

CROCI, F. A imigração no Brasil. In: MELLO, H.et al (Orgs.). Os contatos linguísticos no Brasil. – Belo Horizonte: Ed UFMG, 2011

GADET, F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Campinas, SP: Pontes, 2004 [1981].

HAMEL, R. E. La política del linguaje y el conflicto interétnico: problemas de investigación sociolingüística. In: ORLANDI, Eni P. Política Lingüística na América Latina. p. 41-73 Campinas, SP: Pontes, 1988.

LESSER, Jeffrey. A negociação da identidade nacional: imigrantes, minorias e a luta pela etnicidade no Brasil, SP: Unesp, 2001.

MENEZES, L. M.. Jovens portugueses: histórias de trabalho, histórias de sucessos, histórias de fracassos. In: GOMES, A. de C.. (Org.). Histórias de imigrantes e de imigração. 1ed.Rio de Janeiro: Sete Letras, 2000, v. 1, p. 164-182.

MOURA, J. R. F. de. Da sombra às cores: análise discursiva do dicionário LGBTs e Aurélia. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

OLIVEIRA. G. M de.; ALTENHOFEN, C. V. O in vitro e o in vivo na política da diversidade linguística do Brasil: Inserção e exclusão do plurilinguismo na educação e na sociedade. In: Mello, H. et al. Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Ed UFMG, 2011. Págs. 187-216

ORLANDI, E. P.; SOUZA, T. C. C. de. A língua imaginária e a língua fluída: dois métodos de trabalho com a linguagem. In: ORLANDI, E. (Org.). Política Linguística na América Latina. – Campinas, SP: Pontes Editores, 1988

ORLANDI, E. P. Espaços Linguísticos e seus desafios: convergências e divergências. Revista Rua no. 18, vol. 2, 2012

ORLANDI, E. P. Ciência da língua e política: Anotação ao pé das letras. Campinas, SP: Pontes Editores, 2014

ORLANDI, E. P. Cidade dos Sentidos. Campinas, SP: Pontes Editores, 2004.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 1990.

PETTER, M. A influência das línguas africanas no português brasileiro. In: MELLO, Heliana et. all (Org.). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011. Págs. 255-274

PONSO, L. C. Situação minoritária, população minorizada, língua menor: uma reflexão sobre a valoração do estatuto das línguas na situação de contato linguístico. Revista Gragoatá. Vol. 22. Nº 42, p. 184-207. jan-abr. 2017.

ROSA, R. P. S.; SOUZA, T. C. C. de. Política linguística, pluringuismo e consenso. Revista Interfaces. Vol. 10 n. 2, p. 118-128. 2019

ROSA, R.P.S. Plurilinguismo e política linguística em território fluminense: proposta de uma cartografia discursiva. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020. 96 f.

SOUZA, T. C. C. de. A análise do não verbal e os usos da imagem nos meios de comunicação. RUA, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 65–94, 2001 DOI: 10.20396/rua.v7i1.8640721.

SOUZA, T. C. C., ARAUJO, J. W. P. Práticas migratórias e movimentos na história: índios urbanos. Belo Horizonte, MG: XXV encontro Nacional da ANPOLL, 2010,

SOUZA, T. C. C. de. Língua nacional e materialidade discursiva: A influência do tupi. In: MELLO, Heliana et. al (Org.). Os contatos linguísticos no Brasil. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011. Págs. 241-254.

SOUZA, T. C. C. de. Que línguas são faladas no Rio de Janeiro? Plurilinguismo e política de línguas. Santarém, PT: VI SIMELP, 2018a.

SOUZA, T. C. C. de. Refugiados e línguas de herança: plurilinguismo e política de línguas. Santarém, PT: VI SIMELP, 2018b.

SOUZA, T. C. C. de. Política linguística, política de línguas e línguas silenciadas. In. FIGUEIREDO, A. e REIS, L. (Orgs.). Estudos linguísticos nas línguas minoritarizadas. 2021 (no prelo)

Downloads

Publicado

2021-12-02

Como Citar

SOUZA, T. C. C. de; ROSA, R. P. da S. Plurilinguismo e cartografia discursiva do estado do Rio de Janeiro. RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 201–222, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27i2.8667773. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8667773. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Estudos