O bem e o direito

o status de cidadão do sujeito-surdo no Brasil e o estatuto da libras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v28i1.8669998

Palavras-chave:

Surdo, Intérprete, Assistencialismo, Análise de discurso materialista

Resumo

À luz da Análise do Discurso materialista, analisamos textualidades que versam sobre o sujeito-surdo e a língua de sinais no âmbito das ações governamentais e de algumas reações de contra-identificação entre trabalhador e voluntário, profissão e assistencialismo. De nosso posicionamento teórico, assumimos que o funcionamento da engrenagem religiosa-colonial sustenta dizeres sobre o sujeito-surdo-em-falta, a língua de sinais e a forma de cidadania que é imputada a esse sujeito. Nessa cena enunciativa, adentra o sujeito-intérprete como aquele responsável pela transmissão de informação (produzida por ouvintes), assimilável ao trabalho de caridade e à missão proselitista (o “Bem”). Não sem tensão, uma polêmica, produzida no interior da ideologia neoliberal, é posta em causa em relação ao trabalho desse profissional, identificado mais por sua formação do que por sua posição dentro da sociedade de classes capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Andrade Silva, Universidade Federal da Bahia

Doutorado em Linguística pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor Adjunto do Departamento de Letras Vernáculas do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Angela Corrêa Ferreira Baalbaki, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Letras pela Universidade Federal Fluminense. Professora Associada de Linguística do Departamento de Estudos da Linguagem e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). 

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de estado (notas para uma investigação). In: ŽIŽEK, S. (Org.). Um mapa da ideologia. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, [1970] 1996, p.105-42.

ASSIS SILVA, C. A. A. Entre a deficiência e a cultura: análise etnográfica de atividades missionários com surdos. 2011. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

AUROUX, S. Listas de palavras, dicionários e enciclopédias. O que nos ensinam os enciclopedistas sobre a natureza dos instrumentos linguísticos. Línguas e Instrumentos Linguísticos, nº 20, jul-dez 2007, p. 9-23.

BAALBAKI, A. C. F.; BUSCÁCIO, L. L. B. O fantasma do “monolinguismo” continua rondando: dizeres sobre a(s) língua(s) do/no Brasil e sujeito surdo. Fragmentum, v. 55, p. 45-67, 2020. DOI: https://doi.org/10.5902/2179219441898

BAALBAKI, A. C. F.; RODRIGUES, I. C. Pandemia em discurso: saberes e dizeres sobre surdos e língua de sinais. In: BAALBAKI, A. C. F.; SILVA, L. F. A.. (Org.). Discursos da Pandemia: entre dores e incertezas. Campinas: Pontes Editores, 2020, p. 165-181.

BAALBAKI, A. C. F. A revista Ciência Hoje das Crianças e o discurso de divulgação científica: entre o ludicismo e a necessidade. 2010. 308 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense, 2010.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://bit.ly/2EJT6K7. Acesso em: 22 dez. 2019

BRASIL. Portaria nº 1.290, de 9 de julho de 2019. Brasília: Ministério da Cidadania/Gabinete do Ministro, [2019]. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-1.290-de-9-de-julho-de-2019-191300392. Acesso em: 14 set. 2019.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 11ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2014 [1981].

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci R. Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

FARIA FILHO, L. M.; SALES, Z. E. S. Escolarização da infância brasileira: a contribuição do bacharel Bernardo Pereira de Vasconcelos. In: FREITAS, Marcos César; KUHLMANN JÚNIOR, Moysés (Org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002, p. 245-266.

FEBRAPILS. NOTA DE REPÚDIO: À precarização da atuação e remuneração de Profissionais Tradutores, Intérpretes e Guia-Intérpretes de Libras. 2019. Disponível em: https://febrapils.org.br/, 2020. Acesso em: 24 maio 2020.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2017.

FELIPE, T. A.; MONTEIRO, M. S. Libras em contexto: curso básico: livro do professor. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora WallPrint, 2008.

FENEIS. A educação que nós surdos queremos. Revista da FENEIS, São Paulo, ano V, n.25, p.25-30, jan./set. 2005.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Curitiba: Kotter Editorial; São Paulo: Contracorrente, 2020.

GADET; F.; PÊCHEUX, M. A língua inatingível: o discurso na história da linguística. Campinas: Pontes, 2004 [1981].

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes, 2005.

HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. Trad. Eni Orlandi. São Paulo: HUCITEC, 1992.

LAGARES, X. C. Qual política linguística? Desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. Como as democracias morrem. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MARSHALL, T.H. Cidadania, classe social e status. Trad. Meton Porto Gadelha. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

MARTINS, T. D. S. Criança brinca, criança não mata: infância e adolescência no discurso parlamentar sobre a maioridade penal. 2018. Dissertação (Mestrado em Programa de Pós-Graduação em Letras) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MBEMBE, A. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MOUNK, Y. O povo contra a democracia: por que nossa liberdade corre perigo e como salvá-la. Trad. Cássio de Arentes Leite e Débora Landsberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ORLANDI, E.P. Terra à vista. Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, 1990.

ORLANDI, E. P. Política linguística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2007.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 8.ed. Campinas, SP: Pontes, 2009.

ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 6 ed. Campinas, SP: Pontes, 2012.

ORLANDI, E. P. Ser diferente é ser diferente: a quem serve a noção de minorias? In: ORLANDI, E. P. (org.). Linguagem, Sociedade, Políticas. Pouso Alegre, Campinas: Univás; RG, 2013.

PAYER, M. O. Linguagem e sociedade contemporânea. Sujeito, mídia, mercado. Rua, nº. 11, p. 09-25, 2005. DOI: https://doi.org/10.20396/rua.v11i1.8640774

PÊCHEUX, M. Foi “propaganda” mesmo que você disse? In: PÊCHEUX, M. Análise de discurso. Textos escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Ed. Pontes, 2011 [1979], p.73-92.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Org.) Papel da memória. Campinas, SP: Pontes, 1999 [1983], p.49-57.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1997 [1983].

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1988 [1975].

PLANALTO. Governo Federal lança “Libras Gov”. 2019. Disponível em: https://www.gov.br/planalto/pt-br/acompanhe-o-planalto/noticias/2019/09/governo-federal-lanca-201clibras-gov201d. Acesso em: 16 mar. 2021.

RUNCINAM, D. Como a democracia chega ao fim. Trad. Sergio Flaksman. São Paulo: Todavia, 2018.

RUSSO, A. Intérprete de língua brasileira de sinais: uma posição discursiva em construção. Porto Alegre, 2010. 133 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, 2010.

SANTOS, M. Pensando o espaço do homem. 5.ed. São Paulo: EDUSP, 2012.

SILVA, L. F. A. O diabo da língua: discursos de possessão em religiões brasileiras. 2019. Tese (Doutorado em Letras). – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Letras, Rio de Janeiro, 2019.

SILVA, V. G. Entre a gira de fé e Jesus de Nazaré: relações socioestruturais entre neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras. In: _____ (Org.). Intolerância religiosa: impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Edusp, 2015, p.191-260.

SILVA SOBRINHO, J. S. S. Museu da Língua Portuguesa: instrumento linguístico em tempos de ideologia do lazer. Revista Letras. Santa Maria, n. 23, n. 46, p. 307-315, 2013. DOI: https://doi.org/10.5902/2176148511736

VALIM, R. Estado de exceção: a forma jurídica do neoliberalismo. São Paulo: Contracorrente, 2017.

ZANDWAIS, A. Possíveis leituras de “Foi Propaganda Mesmo Que Você Disse?” de Michel Pêcheux. Revista Conexão Letras, v. 14, n. 22, p. 69-79, 2019. DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.98121

ZOPPI-FONTANA, Mônica. Arquivo Jurídico e exterioridade. A construção do corpus discursivo e sua descrição/interpretação. In: GUIMARÃES, e & BRUM DE PAULA, M. Rose (Orgs.). Sentido e memória. Campinas, SP, Pontes Editores, 2005, p.93-115.

Downloads

Publicado

2022-06-01

Como Citar

SILVA, L. F. A. .; BAALBAKI, A. C. F. . O bem e o direito: o status de cidadão do sujeito-surdo no Brasil e o estatuto da libras. RUA, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 255–281, 2022. DOI: 10.20396/rua.v28i1.8669998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8669998. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)