Banner Portal
Pixação e o circuito artístico brasileiro
PDF

Palavras-chave

Pixação
Circuito artístico
Arte contemporânea

Como Citar

LARA, Priscila Mocelin; VARELLA, Patricia Camera. Pixação e o circuito artístico brasileiro: ambiguidades e convergências. RUA, Campinas, SP, v. 28, n. 2, p. 391–403, 2022. DOI: 10.20396/rua.v28i2.8671112. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8671112. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

A reflexão apresentada nesse artigo pauta-se na relação entre o pixo e os diversos espaços artísticos (galeria, museu, espaço público e privado), considerando os diferentes embates surgidos na área teórica, relativos aos conceitos que envolvem o uso das imagens e seus significados nas pesquisas sobre história da arte e o campo da cultura visual. Tais processos são abordados visando uma melhor compreensão sobre como essa prática ocorre a partir de 2008, em interação com o circuito artístico brasileiro. Adiante, a pesquisa mostra desdobramentos dos eventos de 2008, os acontecimentos recentes da pixação na Feira ArtRio 2019 e a exposição Língua Solta, ocorrida no Museu da Língua Portuguesa em São Paulo (2021). Tal panorama busca apontar ambiguidades e convergências entorno do pixo presente no campo das artes.

https://doi.org/10.20396/rua.v28i2.8671112
PDF

Referências

ARTS, MASSIVE ILEGAL (MIA). Página no Instagram (@massive_mia). Disponível em: instagram/massive_mia. Acesso em: 31 jan 2022.

ASSIS, Tatiane. ArtRio é pichada e não apaga mensagem feita como protesto. Veja, São Paulo. 20 set 2019. Disponível em: . Acesso em: 19 ou 2021

BENTES, Ivana. Redes colaborativas e Precariado Produtivo. Revista Periferia, v. 1, n. 1, jan./jun. 2009.

CANCLINI, Néstor García. Culturas Híbridas - estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1998. p.283-350: Culturas híbridas, poderes oblíquos.

Catálogo da 29ª Bienal de São Paulo: Há sempre um copo de mar para um homem navegar / curadores Agnaldo Farias, Moacir dos Anjos. São Paulo: Fundação Bienal São Paulo, 2010.

CAUQUELIN, Anne. Arte Contemporânea: Uma introdução. São Paulo: Martins, 2005.

CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos Editorial, 2002.

DOS ANJOS, Moacir. Entrevista. “Para Bienal, "pixo" pode ser arte e política”. Folha de São Paulo, 15 abri 2020. Disponível em: . Acesso em: 25 out 21.

DJAN, Cripta. Página do Instagram (@criptadjan). Disponível em: . Acesso em: 31 jan 22.

DJAN, Cripta. Fotografia da exposição Língua Solta. Agradecimento aos curadores. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CR_9Vn4Luvp/. Acesso em 19 out 2021.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

KERN, Maria Lúcia Bastos. Cultura visual, história da arte e paradigmas do conhecimento. In: VILELA, Ana Lucia; BORGES, Maria Elizia (Orgs). História e Arte: temporalidades do sensível. Vitória: Editora Milfontes, 2019.

NARLOCH, Charles. Das artes liberais ao hibridismo: as revoluções dos conceitos nas artes visuais. In: LAMAS, Nadja de Carvalho (Org.). Arte Contemporânea em questão. Joinville: Univille / Instituto Schwonke, 2007.

PERMUY, Pedro. Capixaba expõe pichação na reabertura do Museu da Língua Portuguesa. A Gazeta. Vitória, 08 ago 2021.

PORTUGUESA, Museu da Língua. Exposição Língua Solta. São Paulo, 2021. Disponível em: . Acesso em: 19 out 2021.

STABILE, Arthur. Foto que retrata obra de artista negro é vendida sem autorização do autor. Ponte, 11 abr 2019.

VIEIRA, Anna Paula Ferraz Dias. O direito à cidade e a cultura marginal: a narratividade como luta por visibilidade. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 RUA

Downloads

Não há dados estatísticos.