Brasil – construção e desconstrução do desenvolvimento

Autores

  • Wilson Cano Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Construção. Desconstrução do Brasil. (Des)industrialização. Crise política. Subdesenvolvimento.

Resumo

O artigo procura sintetizar o movimento geral da economia brasileira, e alguns fatos marcantes, desde 1930 a 2016, que alteraram parcialmente a trajetória do período. O subperíodo de 1930 a 1980, compreende nossa fase áurea de crescimento e industrialização, o de 1980 a hoje – o da desconstrução do desenvolvimento do país. Na boa tradição da História e da Economia Política, comento outros fatos anteriores muito relevantes, que exerceram efeitos cumulativos subsequentes. Incluo também as principais circunstâncias internacionais que, em cada momento, tiveram forte influência nessas mudanças. Na terceira parte, centrada no pós-1980, resumo alguns efeitos políticos e sociais sofridos pela sociedade brasileira, que a meu juízo, foram fortemente – mas não exclusivamente – influenciados por aquelas transformações econômicas e institucionais, especialmente pelo Neoliberalismo e pela Globalização no segundo período. Na parte final relato o aprofundamento da crise atual, e indago sobre o futuro imediato de nosso desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Cano, Universidade Estadual de Campinas

Professor Titular aposentado do Centro de Estudos do Desenvolvimento Econômico (Cede) do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp. IE), Campinas, SP, Brasil.

Referências

BARROCAL, A. Na marra. Carta Capital, São Paulo, n. 950, p. 16-22, 3 maio 2017

BELLUZZO, L. G. M.; TAVARES, M. C. Capital Financeiro e Empresa multinacional – o surgimento do capital financeiro. Revista Temas de Ciências Humanas, v. 9, 1980. Republicado em: Belluzzo, L. G. M. Antecedentes da tormenta. Unesp-Facamp, 2009.

BELLUZZO, L. G. M.; GALÍPOLO, G. Manda quem pode, obedece quem tem prejuízo. São Paulo: Contracorrente, 2017.

BLEANEY, M. The Rise and Fall of Keynesian Economics – an investigation of its contribution to capitalist development. London: Macmillan, 1985.

CANO, W. Soberania e Política Econômica na América Latina. São Paulo / Campinas: Unesp/Unicamp. Instituto de Economia, 2000.

CANO, W. Crise de 1929, Soberania na Política Econômica e Industrialização 2006. In: CANO, W. Ensaios sobre a formação econômica regional do Brasil. Campinas: Ed. Unicamp, cap. 4, 1a . reimpressão 2006.

CANO, W. Uma Agenda Nacional para o Desenvolvimento. Revista Tempo no Mundo, Brasília, Ipea, v. 2, n. 2, dez. 2010.

CANO, W. (Des)Industrialização e (Sub)Desenvolvimento. Cadernos do Desenvolvimento, Rio de Janeiro, Centro Internacional Celso Furtado, n. 15, jul./dez. 2014.

CANO, W. Crise e Industrialização no Brasil entre 1929 e 1954: a reconstrução do Estado Nacional e a Política Nacional de Desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 35, n. 3, jul./set. 2015.

CARDOSO DE MELLO, J. M.; BELLUZZO, L.G.M. Reflexões sobre a crise atual. In: BELLUZZO, L. G. M.; COUTINHO, R. (Org.). Desenvolvimento Capitalista no Brasil – ensaios sobre a crise. São Paulo, Editora Brasiliense, 1982. v. 1.

CGEE-Centro de Gestão e Estudos Estratégicos-MCT. Estudo da Dimensão Territorial para o Planejamento. Brasília, 2008. v. I, IV e V. CHANG, H. J. Chutando a rscada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

DAVIDOFF CRUZ, P. Notas sobre o endividamento externo brasileiro nos anos setentas. In: BELLUZZO, L. G. M.; COUTINHO, R. Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise. São Paulo, Brasiliense, 1983. v. 2.

FAJNZYLBER, F. La industrialización trunca de America Latina. México: Nueva Imagen, 1983.

FAGNANI, E. O fim de um ciclo improvável (1988-2016). A política social dos governos petistas e a derrocada da cidadania pós-golpe. Campinas: UnicampInstituto de Economia, maio 2017. (Texto para Discussão, n. 300).

FANO, E. Crisi e ripresa economica nel bilancio del New Deal. In: TELÓ, M. (Coord.). Crisi e piano alternative degli anni trenta. Bari, Itália: DeDonato Edit, 1979. (Movimento, n. 58).

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 5. ed. São Paulo: Fundo de Cultura, 1961.

FURTADO, C. A fantasia desfeita. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1989. Brasil: construção e desconstrução do desenvolvimento Economia e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 2 (60), p. 265-302, ago. 2017. 301

FURTADO, C. Brasil: a construção interrompida. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

GENTIL, D. L. Recessão econômica, privatização e desmantelamento da proteção social: a opção conservadora do governo Dilma Rousseff (2011-2015). In: SEMINÁRIO 50 ANOS UNICAMP, Campinas, 2015.

JINPING, Xi A Governança da China. Beijing: Editora de Línguas Extrangeiras, 2014.

KINDLEBERGER, C. La crisis económica 1929-1939. Barcelona: Ed. Critica, 1985.

LESSA, C. Quinze anos de política econômica. Campinas: Unicamp. IFCH, 1975. (Cadernos do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas).

LESSA, C. A estratégia do desenvolvimento: sonho e fracasso. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 1998. LIMA, M. C. (Org.). Os boêmios cívicos: a assessoria econômico-política de Vargas (1951-1954). Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado, 2013. (Pensamento Crítico).

MEDEIROS, C. A. A China como um duplo pólo na economia mundial e a recentralização da economia asiática. Rio de Janeiro: UFRJ-IE, maio 2005. Mimeografado.

NASSIF, A. A economia indiana no período 1950-2004: da estagnação ao crescimento acelerado. Lições para o Brasil? Rio de Janeiro: BNDES, 2006. (Textos para Discussão, n. 107).

OLIVEIRA, F. Augusto de. Economia política das finanças públicas no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2009.

PAULINO, R. Socialismo no século XX: o que deu errado? São Paulo: Letras do Brasil, 2010.

SEERS, D. Inflación y crescimiento: resumen de la experiencia en América Latina. Boletin Económico de América, Santiago, Cepal, v. VII, n. 1, fev. 1962.

SGUISSARD, Campinas. Produtivismo e alienação acadêmica: fatores, vínculos e questões. In: SEMINÁRIO 50 ANOS UNICAMP, 2015. SINGH, A. The Plan. The market and evolutionary economic reform in China. New York: Unctad, 1993. (Discussion Papers, n. 76).

TAVARES, M. C. Da substituição de importações ao capitalismo financeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

TAVARES, M. C. A retomada da hegemonia americana. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. (Org.). Poder e Dinheiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

TAVARES, M. C. Acumulação de capital e industrialização no Brasil. 3. ed. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 1998.

TAVARES, M. C. Ciclo e crise: o movimento recente da industrialização brasileira. Campinas: Unicamp. Instituto de Economia, 1998.

TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. (Org.). Poder e dinheiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

TAVARES, M.C.; MELIN, L.E. Pós-escrito 1997: A reafirmação da hegemonia americana. In: TAVARES, M. C.; FIORI, J. L. (Org.). Poder e Dinheiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

TEIXEIRA, A. O movimento da industrialização nas economias capitalistas centrais no pós-guerra. Rio de Janeiro: IEI/UFRJ, 1983. (Texto para Discussão, n. 25).

TOMAZELLI, I.; FERNANDES, A.; GADELHA, I. Fatura para aprovar Previdência chega a R$ 55 bilhões. O Estado de São Paulo, São Paulo, 21 maio 2017, p. B5.

TORRES FILHO, E. T. O mito do sucesso: uma análise da economia japonesa no pós-guerra (1945-1973). Dissertação (Mestrado)–UERJ/IEI, Rio de Janeiro, nov. 1983. (Texto para Discussão, n. 37).

WOOD JR. T. Origens do produtivismo e o caminho do impacto social do conhecimento. In: SEMINÁRIO 50 ANOS UNICAMP, Campinas, 2015.

WORLD BANK. Economic growth in the 1990’s: learning from a decade of reform. Washington, DC, 2005.

Downloads

Publicado

2017-11-08

Como Citar

CANO, W. Brasil – construção e desconstrução do desenvolvimento. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 265–302, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8650933. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos