Banner Portal
Como mulheres e homens contribuem para a desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil
PDF

Palavras-chave

Distribuição da renda
Desigualdade
Índice de Gini
Escolaridade
Seletividade marital.

Como Citar

HOFFMANN, R. . Como mulheres e homens contribuem para a desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 28, n. 3, p. 821–854, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8658158. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

O artigo analisa como os rendimentos do trabalho de mulheres e homens afetam a distribuição da renda domiciliar per capita (RDPC) no Brasil, destacando os rendimentos de esposas e maridos dos casais que incluem a pessoa de referência do domicílio. Para isso é relevante examinar a correlação entre as escolaridades de esposas e maridos, pois esses são condicionantes básicos dos respectivos rendimentos do trabalho. Também são analisadas as contribuições de aposentadorias e pensões, sempre distinguindo esposas, maridos, demais homens e demais mulheres de cada domicílio. São utilizados dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 1992 a 2015. Verifica-se que a correlação entre escolaridades de maridos e esposas em 2015 é menor do que em 1995. Ao decompor a variação do índice de Gini da RDPC de 1995 a 2015 (ΔG = -0,086), verifica-se que as quatro parcelas relativas ao rendimento do trabalho e as quatro parcelas referentes a aposentadorias e pensões contribuem todas para a redução da desigualdade.

PDF

Referências

BARRO, R. J.; LEE, J. W. A new data set of educational attainment in the world, 1950-2010. Journal of Development Economics, 104, p. 184-198, 2013.

BELTRÃO, K. I.; ALVES, J. E. D. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 136, jan./abr. 2009.

EIKA, L.; MOGSTAD, M.; ZAFAR, B. Educational assortative mating and household income inequality. Federal Reserve Bank of New York, Revised March 2017. (Staff Reports).

FEI, J. C. H.; RANIS, G.; KUO, S. W. Y. Growth with equity: the Taiwan case. World Bank Research Publication, Oxford University Press, 1979.

GREENWOOD, J. et al. Marry your like: assortative mating and income inequality. American Economic Review Papers and Proceedings, v. 104, n. 5, p. 1-15, 2014.

GREENWOOD, J. et al. Technology and changing family: a united model of marriage, divorce, educational attainment, and married female labor-force participation. American Economic Journal: Macroeconomics, v. 8, n. 1, p. 1-41, 2016.

HAKAK, L.; FIRPO, S. Household income inequality and education in marriage Market in Brazil: an empirical study. Available at: https://www.fea.usp.br/sites/default/files/anexo-evento/chapter2_article_new_version_3_15.pdf.

HOFFMANN, R. Distribuição de renda: medidas de desigualdade e pobreza. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

HOFFMANN, R. Desigualdade da renda e das despesas per capita no Brasil, em 2002-2003 e 2008-2009, e avaliação do grau de progressividade ou regressividade de parcelas da renda familiar. Economia e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 3 (40), p. 647-661, dez. 2010.

HOFFMANN, R. Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: o que mudou em 2015? Rio de Janeiro: IEPE/Casa das Garças, 2017. (Texto para Discussão, n. 38).

HOFFMANN, R. How to measure the progressivity of an income component. Applied Economics Letters, v. 20, p. 328-331, 2013.

HOFFMANN, R. Transferências de renda e a redução da desigualdade no Brasil e cinco regiões entre 1997 e 2004. Econômica, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 55-81, jun. 2006.

HOFFMANN, R.; KAGEYAMA, A.A. Distribuição da renda o Brasil, entre famílias e entre pessoas, em 1970 e 1980. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 25-51, jan./abr. 1986.

HOFFMANN, R.; LEONE, E. T. Participação da mulher no mercado de trabalho e desigualdade da renda domiciliar per capita no Brasil: 1981-2002. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 35-58, maio/ago. 2004.

HOFFMANN, R.; OLIVEIRA, R. B. The evolution of income distribution in Brazil in the agricultural and the non-agricultural sectors. World Journal of Agricultural Research, v. 2, n. 5, p. 192-204, 2014.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2007. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008.

JESUS, J. G.; HOFFMANN, R. Desigualdade de renda no Brasil: a contribuição de parcelas do rendimento domiciliar per capita, destacando o setor agrícola. Revista de Economia Agrícola, São Paulo, v. 62, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2015.

LEONE, E. Renda familiar e trabalho da mulher na Região Metropolitana de São Paulo nos anos 80 e 90. In: ROCHA, M. I. B. (Coord.), Trabalho e gênero: mudanças, permanências e desafios. Abep, Nepo/Unicamp e Cedeplar/UFMG, Editora 34, 2000.

NERI, M. C. Sexo, casamento e economia. Rio de Janeiro: FGV/IBRE, Centro de Políticas Sociais, 2005. 37p.

PEREIRA, L.; SANTOS, C. Casamentos seletivos e desigualdade de renda no Brasil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 71, n. 3, p. 361-377, jul./set. 2017.

PYATT, G.; CHEN, C. N.; FEI, J. The distribution of income by factor components. The Quarterly Journal of Economics, v. 95, n. 3, p. 451-473, Nov. 1980.

RIBEIRO, C. A. C.; SILVA, N.V. Cor, educação e casamento: tendências da seletividade marital no Brasil, 1960 a 2000. DADOS - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 52, n. 1, p. 7-51, 2009.

RIBEIRO, C. A. C.; MACHADO, W. Rendimento do trabalho das esposas e tendências da desigualdade de renda no Brasil: 1992 a 2014. DADOS - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 61, n. 1, p. 207-239, 2018.

SCHWARTZ, C. R.; MARE, R. D. Trends in educational assortative marriage from 1940 to 2003. Demography, v. 42, n. 4, Nov. 2005.

SILVA, N. V. Duas décadas de seletividade marital educacional no Brasil. In: HASENBALG, C.; SILVA, N. V. (Org.). Origens e destinos: desigualdades sociais ao longo da vida. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

YITZHAKI, S.; SCHECHTMAN, E. The Gini Methodology: a primer on a statistical methodology. Springer Science & Business Media, 2012.

A Economia e Sociedade utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.