Banner Portal
Formação do pensamento brasileiro moderno sobre a inflação
PDF

Palavras-chave

Inflação
Pensamento brasileiro
Anos 1940

Como Citar

FONTAINE, Patrick. Formação do pensamento brasileiro moderno sobre a inflação: da Segunda Guerra Mundial à crise cambial (1939-1947). Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 29, n. 2, p. 497–524, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8662024. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Esse artigo analisa a evolução e a controvérsia do pensamento brasileiro sobre a inflação, desde o início da Segunda Guerra Mundial até a Crise Cambial de 1947. Ao longo desse período, o debate se organiza entre dois polos opositores. De um lado, liberais, como Gudin e Carvalho, argumentavam ser o excesso de demanda, aquecida pelas encomendas das economias em esforço de guerra, a principal causa para a inflação. Do outro, desenvolvimentistas, como Simonsen, Almeida e Menezes, argumentavam haver na economia brasileira enormes excedentes de mão de obra a serem incorporados, e viam com bons olhos a internalização de processos industriais. A inflação seria resultado do contexto de exceção, que encarecia importados, e da insuficiência de crescimento da oferta interna. O debate tem seu clímax na definição de uma estratégia para conter a crise do balanço de pagamentos deflagrada pelo esgotamento das reservas internacionais, em 1947. Houve uma convergência entre autores liberais e desenvolvimentistas, quando ambos apoiaram a restrição de importações como solução para a crise. Essa solução, apesar de seu caráter intervencionista, foi a preferida por ambos os polos opositores, já que permitiria evitar eventuais desvalorizações do cruzeiro, que, naquele contexto, foram entendidas como potenciais agravantes do processo inflacionário. A aceitação de posturas intervencionistas por parte dos liberais abriu espaço para o florescimento e diversificação das análises sobre as particularidades do processo inflacionário brasileiro.

PDF

Referências

ALMEIDA, R. O Brasil e a Conferência de Comércio. O Observador Econômico e Financeiro, n. 132, jan. 1947.

ARANHA, J. M. Inflação. Digesto Econômico, ano 1, n. 7, jun. 1945.

ARRARTE, J. C. P. A crise mundial de dólares e o Plano Marshall. Digesto Econômico, ano IV, n. 37, dez. 1947.

AZEVEDO, A. M. A inflação e o custo de vida. Digesto Econômico, ano 4, n. 46, set. 1948a.

AZEVEDO, A. M. O crédito a moeda o capital. Digesto Econômico, ano 5, n. 49, dez. 1948b.

BARREIROS, D. P. Atuação da Delegação Brasileira na formulação do Acordo Internacional de Bretton Woods (1942-1944). História, São Paulo, v. 28, 2009.

BASTOS, P. P. Z. Desenvolvimentismo incoerente? Comentários sobre o Projeto do Segundo Governo Vargas e as ideias econômicas de Horácio Lafer (1948-1952). EconomiA, Selecta, Brasília, v. 6, n. 3, p. 191-222, dez. 2005.

BIELSCHOWSKY, R. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo (1930-1964). Rio de Janeiro: Contraponto, 1988, 2000.

BIELSCHOWSKY, R. Eugênio Gudin. Estudos Avançados, v. 15, n. 41, 2001. BULHÕES, O. G.; KINGSTON, J. Política monetária para 1947. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1947.

CARVALHO, F. M. A inflação brasileira. O Observador Econômico e Financeiro, Rio de Janeiro, n. 133, fev. 1947.

CASTRO, N. J. O economista: a história da profissão no Brasil. Rio de Janeiro: Cofecon; Corecon/RJ; Corecon/SP, 2001.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Sugestões para a Conferência de Araxá. Estudos Econômicos, ano 1, n. 3-4, set./dez. 1950.

CONFERÊNCIA NACIONAL DAS CLASSES PRODUTORAS. Carta Econômica de Teresópolis, Teresópolis, 1945.

CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA, Rio de Janeiro, 1944. Anais... CONJUNTURA ECONÔMICA, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, 1947.

CONJUNTURA ECONÔMICA. Aluguéis e preços, estudos especiais. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, ano IV, n. 4, abr. 1950.

CURI, L. F. B.; CUNHA, A. M. Redimensionando a contribuição de Roberto Simonsen à controvérsia do planejamento (1944-194): pioneirismo e sintonia. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 39, Foz do Iguaçu, 2011. Anais...

CYTRYNOWICZ, R. Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Ed. USP, 2000.

DI PIETRO, J. O controle de preços e seu fracasso no Brasil. Digesto Econômico, ano 3, n. 25, dez. 1946.

DINIZ, O. R. Três depoimentos sobre a Conferência de Teresópolis. Digesto Econômico, ano 1, n. 9, ago. 1945. EDITORIAL Digesto Econômico. Estabilização e baixa de preços. Digesto Econômico, ano 1, n. 9, ago. 1945.

FONSECA, P. C. D. As origens e as vertentes formadoras do pensamento Cepalino. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 54, n. 3, jul./set. 2000. GOMES, A. Economia de Guerra no Brasil. Observador Econômico e Financeiro, ano XIII, n. 154, nov. 1948.

GONÇALVES, L. E. F. de C. As relações Brasil-Cepal (1947-1964). Dissertação (Mestrado em Diplomacia)–Instituto Rio Branco, Ministério das Relações Exteriores, Brasília, 2011.

GUDIN, E. Inflação e Economia de Guerra. Rio de Janeiro; São Paulo: Civilização Brasileira, 1944.

GUDIN, E. Ensaios sobre problemas econômicos da atualidade. Rio de Janeiro; São Paulo: Civilização Brasileira, 1945.

GUDIN, E. Análise da situação econômica e monetária do Brasil. Depoimento prestado perante a Comissão de Inquérito Econômico e Social da Assembleia Constituinte. Jornal do Comércio, 1946.

GUDIN, E. [1947]. Princípios de economia monetária. 9. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1974. GUDIN, E. O valor do Cruzeiro. Digesto Econômico, ano 3, n. 24, 1949.

HABERLER, G. von. Protecionismo alfandegário. Digesto Econômico, ano 3, n. 35, out. 1947.

HABERLER, G. von. Escassez de dólares? Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, 1948.

HABERLER, G. von. Balança de pagamentos em regime de papel-moeda, Digesto Econômico, ano 3, n. 36, nov.

HEREMBERG, P. G. Price control in Germany. Review of Foreign Developments, Board of Governors of the Federal Reserve System, Division of Research and Statistics, International Sections, Jan. 1947.

HINSHAW, R. A política de discriminação no comércio internacional. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, ano 2, n. 3, set. 1948.

KERSHAW, J. A. Reflexões sobre controle cambial e desvalorização, Digesto Econômico, ano 4, n. 41, abr. 1948.

LEFF, N. H. Política econômica e desenvolvimento no Brasil: 1947-1964. São Paulo: Editora Perspectiva, 1968.

LEWINSOHN, R. Aproxima-se do fim da inflação na Europa? Digesto Econômico, ano 4, n. 47, out. 1948.

LEWINSOHN, R. De quanta moeda precisamos? Digesto Econômico, ano 5, n. 50, jan. 1949. LINHARES, J. Do Mil-Réis ao Cruzeiro. Digesto Econômico, ano 4, n. 46, set. 1948.

LINHARES, J. O entesouramento da moeda. Digesto Econômico, ano 5, n. 52, mar. 1949.

LOUREIRO, O. O. R. A reforma do sistema bancário brasileiro. Digesto Econômico, ano 5, n. 53, abr. 1949. MANTEGA, G. A economia política brasileira. São Paulo; Petrópolis: Polis/Vozes, 1984.

MATA, M. Controles de preços na economia brasileira: aspectos institucionais e resultados. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, n. 10, p. 911-954, dez. 1980.

MENEZES, D. O dinheiro, os preços internos e os internacionais e as crises. Digesto Econômico, ano 3, n. 35, out. 1947.

MENEZES, D. O Banco Central, as ilusões metalistas e a produção. Digesto Econômico, ano 4, n. 41, abr. 1948a.

MENEZES, D. Problemas da produção agrícola. Digesto Econômico, ano 4, n. 42, maio 1948b.

MENEZES, D. Dificuldades do controle monetário. Digesto Econômico, ano 4 n. 48, nov. 1948c.

MENEZES, D. Dificuldades do controle monetário II. Digesto Econômico, ano 5 n. 49, dez. 1948d.

MENEZES, D. Relações entre o capital das empresas e a instabilidade monetária. Digesto Econômico, ano 5, n. 56, jul. 1949a.

MENEZES, D. Relações entre a instabilidade monetária e o capital das empresas. Digesto Econômico, ano 5, n. 58, set. 1949b.

MONTALEGRE, O. Um fim de ano inflacionário, Observador Econômico e Financeiro, ano XIII, n. 155, dez. 1948.

NORMANO, J. F. Apresentação. Digesto Econômico, ano 1, n. 1, dez. 1944. ONODY, O. A inflação brasileira. Rio de Janeiro: [s. ed.], 1960.

RIBEIRO, C. L. A inflação e o mecanismo de preços. Digesto Econômico, ano 4, n. 46, set. 1948.

ROLLEMBERG, L. D. Licença prévia e intercâmbio mercantil. O Observador Econômico e Financeiro, ano XVII, n. 198, jul. 1952.

SALLES JUNIOR, A. C. A moeda falsa. Digesto Econômico, ano VIII, n. 87, fev. 1952. SIMONSEN, R. As crises no Brasil. São Paulo: Editora Limitada, 1930.

SIMONSEN, R. As finanças e a indústria. São Paulo: Editora Limitada, 1931.

SIMONSEN, R. Ordem econômica, padrão de vida e algumas realidades brasileiras. Discurso na Assembleia Nacional Constituinte em 30 de Janeiro de 1934. São Paulo: Editora Limitada, 1934.

SIMONSEN, R. O planejamento da economia brasileira: réplica ao sr. Eugênio Gudin. São Paulo: Comissão de Planejamento Econômico, 1945.

SIMONSEN, R. O Plano Marshall: e um novo critério nas relações internacionais. Conferência pronunciada no Clube Militar, Rio de Janeiro, 28 de abril de 1948.

SOUZA, R. P. Paridade cambial do Cruzeiro na presente conjuntura econômica. Digesto Econômico, ano 5, n. 49, dez. 1948.

TEIXEIRA, A., MARINGONI, G., GENTIL, D. L. Roberto Simonsen – Eugênio Gudin. Desenvolvimento: o debate pioneiro de 1944-1945. Brasília: Ipea, 2010.

TORRES, J. G. Escassez de dólares, procura inatendida, controles. Observador Econômico e Financeiro, ano XIII, n. 155, dez. 1948.

VIEIRA, D. T. Meio para remediar a balança de pagamentos desfavorável no Brasil. Digesto Econômico, ano 4, n. 48, nov. 1948.

VIEIRA, D. T. Prováveis efeitos de uma possível desvalorização do Cruzeiro. Digesto Econômico, ano 6, n. 61, dez. 1949.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Economia e Sociedade

Downloads

Não há dados estatísticos.