Política econômica, instituições e classes sociais

os governos do partido dos trabalhadores no Brasil

Autores

Palavras-chave:

Governo Lula, Governo Rousseff, Desenvolvimentismo, Economia brasileira

Resumo

A partir de uma perspectiva da Economia Política, o artigo analisa os governos de Lula e Dilma Rousseff, enfocando o relacionamento entre a política macroeconômica e seus condicionantes políticos, econômicos e sociais. Mostra que tais governos executaram com relativo êxito um projeto de redistribuição de renda, porém, ao contrário de parte da literatura, defende que os mesmos não podem ser caracterizados, a rigor, nem como neoliberais ou, tampouco, como desenvolvimentistas. Defende, ainda, a hipótese de que a “nova matriz macroeconômica” do governo Rousseff representou mais do que mera alteração na política econômica: constituiu-se em ponto de inflexão nos governos petistas, pois significou o desfazimento de um pacto de coalizão de classes firmado por Lula com segmentos empresariais, o qual os respaldava desde a “Carta ao Povo Brasileiro” (2002). A partir de 2008, a crise econômica internacional, o processo de desindustrialização em marcha e um conjunto de condições permissivas evidenciaram os limites da coalizão em vigor, dificultando a continuidade do projeto redistributivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Cezar Dutra Fonseca, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil. 

Marcelo Arend, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Associado do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Glaison Augusto Guerrero, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ANDERSON, Perry. Lula’s Brazil. London Review of Books, v. 5, n. 1, p. 3-12, 2011.

AREND, Marcelo. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. In: CALIXTRE, André B.; BIANCARELLI, André M.; CINTRA, Marcos Antonio M. Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea, 2014.

ASSIS, José C. A macroeconomia do pleno emprego. In: SICSÚ, João; PAULA, Luiz Fernando R. de; MICHEL, Renaut (Ed.). Novo desenvolvimentismo: um projeto nacional de crescimento com eqüidade social. Barueri: Manole, 2005. p. 77-93.

BASTOS, Pedro P. Z. A economia política do novo-desenvolvimentismo e do social desenvolvimentismo. Economia e Sociedade, 21, p. 779-810, 2012.

BELLUZZO, Luiz G. Um novo estado desenvolvimentista? Le Monde Diplomatique, v. 3, n. 27, p. 4-5, 2009.

BOITO JR., Armando. O Governo Lula e a reforma do neoliberalismo. Revista ADUSP, 34, p. 6-11, 2005a.

BOITO JR., Armando. A burguesia no Governo Lula. Crítica Marxista, 21, p. 52-77, 2005b.

BOITO JR., Armando. Governos Lula: a nova burguesia nacional no poder. In: BOITO JR., Armando; GALVÃO, Andréia (Ed.). Política e classes sociais no Brasil dos anos 2000. São Paulo: Alameda, 2012.

BOITO JR., Armando; SAAD-FILHO, Alfredo. O lulismo é um tipo de bonapartismo? Crítica Marxista, 37, p. 171-181, 2013.

BOITO JR, Armando; SAAD-FILHO, Alfredo. State, state institutions, and political power in Brazil. Latin American Perspectives, v. 43, n. 2, p. 190-206, 2016.

BOITO JR., Armando; BERRINGER, Tatiana. Social classes, neodevelopmentalism, and Brazilian foreign policy under presidents Lula and Dilma. Latin American Perspectives, v. 41, n. 5, p. 94-109, 2014.

BOITO JR., Armando; MARCELINO, Paula. Decline in unionism? An analysis of the new wave of strikes in Brazil. Latin American Perspectives, v. 38, n. 5, p. 62-73, 2011.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. O novo desenvolvimentismo e a ortodoxia convencional. São Paulo em Perspectiva, v. 20, n. 3, p. 5-24, 2006.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. Crônica do novo-desenvolvimentismo e sua macroeconomia estruturalista. 2011. Manuscrito.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C. Reflexões sobre o novo desenvolvimentismo e o desenvolvimentismo clássico. Revista de Economia Política, v. 36, n. 2, p. 237-265, 2016.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; NASSIF, André; FEIJÓ, Carmem. A reconstrução da indústria brasileira: a conexão entre o regime macroeconômico e a política industrial. Brazilian Journal of Political Economy, v. 36, n. 3, p. 493-513, 2016. (https://dx.doi.org/10.1590/0101- 31572015v36n03a03).

CARVALHO, Fernando C. Lula’s government in Brazil: a new left or the old populism? In: ARESTIS Philip; SAAD-FILHO, Alfredo (Ed.). Political economy of Brazil: recent economic performance. London: Palgrave Macmillan, 2007.

CARDOSO JR., José C. Para a reconstrução do desenvolvimento no Brasil: eixos estratégicos e diretrizes de política. São Paulo: Hucitec, 2011.

CARNEIRO, Ricardo. Navegando a contravento (Uma reflexão sobre o experimento desenvolvimentista do Governo Dilma Rousseff). Campinas: Unicamp. IE, 2017. (Texto para Discussão, n. 289).

CASTRO, Antonio. B.; PIRES, S. F. A economia brasileira em marcha forçada. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

CERVO, Amado L. A construção do modelo industrialista brasileiro. Diplomacia Estratégia Política, 10, p. 75-87, 2009.

COSTA, Leila Badeschi. Governo Lula: retorno ao desenvolvimentismo?” Doctoral Thesis. PPGE/UFRGS, 2015.

CURADO, M.; CURADO, T. Uma estimativa dos custos fiscais da política industrial recente (2004 a 2016), Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index. php?option=com_content&view=article&id=29095&Itemid=1&fbclid=IwAR1IhFKSWoM0LW21QxELkcnafM3s8xVA3iBGr9qwgonbOui8slCF3SiZUM.

DASGUPTA, S.; SINGH, A. Manufacturing, services and premature deindustrialization in developing countries: a Kaldorian analysis. Advancing Development, Palgrave Macmillan, UK, p. 435-454, 2007.

DI MEGLIO, G. et al. Services in developing economies: a new chance for catching-up? SWPS-32, 2015. Available at SSRN: https://ssrn.com/abstract=2744647 or http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2744647.

EPSTEIN, G. Financialization, rentier interests, and central bank policy. Department of Economics, University of Massachusetts, Amherst, MA, Dec. 2001. Available at: http://goo.gl/IEeSoo.

ERBER, Fabio S. As convenções de desenvolvimento no governo Lula: um ensaio de economia política. Revista de Economia Política, v. 31, n. 1, 2011.

FILGUEIRAS, Luiz. A natureza e os limites do desenvolvimentismo no capitalismo dependente brasileiro. Margem Esquerda, n. 23, 2015.

FONSECA, Pedro C. D. Gênese e precursores do desenvolvimentismo no Brasil. Pesquisa & Debate, v, 15, n. 2, p. 225-256, 2004.

FONSECA, Pedro C. D. Desenvolvimentismo: a construção do conceito. In: CALIXTRE, André B.; BIANCARELLI André M.; CINTRA, Marcos Antonio M. Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. Brasília: Ipea, 2014.

FONSECA, Pedro C. D. Prejuízo conceitual. Intervencionismo não é sinônimo de desenvolvimentismo. Folha de São Paulo, Caderno Ilustríssima, p. 4-5, 6 mar. 2016.

FONSECA, Pedro C. D.; CUNHA, André M.; BICHARA, Julimar S. O Brasil na era Lula: retorno ao desenvolvimentismo? Nova Economia, v. 23, n. 2, p. 403-428, 2013.

FONTOURA, Leandro H. Reformar à esquerda: a relação de prefeituras petistas com a Administração Pública Gerencial. Tese (Doutorado)–IFCH, UFRGS, 2015.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo: Nacional, 1971.

FURTADO, Celso. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Círculo do Livro, 1978.

GIOVANINI, Adilson. Mudança estrutural no século XXI: a contribuição dos serviços intermediários para o aumento na complexidade econômica. Tese (Doutorado em Economia)– Programa de Pós-Graduação em Economia. Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

GONÇALVES, Reinaldo. Governo Lula e o nacional-desenvolvimentismo às avessas. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, 31, p. 5-30, 2012.

GRAMSCI, Antonio. Quadernidelcarcere. Torino: Einaudi, 1975. HERRLEIN, Ronaldo. Estado democrático e desenvolvimento no Brasil contemporâneo: um ensaio de economia política. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2011.

HERTOG, P. D. Knowledge-intensive business services as co-producers of innovation. International Journal of Innovation Management, v. 4, n. 4, p. 491-528, 2000.

HIRSCHMANN, Albert [1958]. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, 1964.

KALECKI, Michal. Political aspects of full employment. The Political Quarterly, v. 14, n. 4, p. 322-330, 1943.

MARQUETTI, Adalmir; PORSSE, Mellody de C. S. Patrones de progresso técnico en la economia brasileña, 1952- 2008. Revista da Cepal, n. 113, 2014.

MARQUETTI, Adalmir; HOFF, Cecilia; MIEBACH, Alessandro. Lucratividade e distribuição: a origem econômica da crise política brasileira. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 22, Campinas, 2017.

MILAN, Marcelo. Sovereign or dependent integration into the world economy? The Brazilian External Sector, 2017. (Forthcoming).

MILES, Ian et al. Knowledge intensive business services: their roles as users, carriers and sources of innovation. REST, Manchester, 1994.

MILES, Ian et al. Knowledge-intensive business services: users, carriers and sources of innovation. European Innovation Monitoring System (EIMS) Reports, 1995.

MILES, Ian. Patterns of innovation in service industries. IBM Systems Journal, v. 47, n. 1, p. 115-128, 2008.

MOLLO, Maria de Lourdes R. Por uma dinâmica monetária e financeira menos excludente, In: SICSÚ, João; PAULA Luiz Fernando R. de; MICHEL, Renaut (Ed.). Novo desenvolvimentismo: um projeto nacional de crescimento com equidade social. Barueri: Manole, 2005. p. 401-425.

MORAIS, Lecio; SAAD-FILHO, Alfredo. Da economia política à política econômica: o novodesenvolvimentismo e o governo Lula. Revista de Economia Política, v. 31, n. 4, p. 507-527, 2011.

MULLER, E.; ZENKER, A. Business services as actors of knowledge transformation: the role of KIBS in regional and national innovation systems. Research Policy, v. 30, n. 9, p. 1501- 1516, 2001.

NAKANO, Yoshiaki. Catch up. Folha de São Paulo, 24 jan. 2010.

NOVY, Andreas. O retorno do estado desenvolvimentista no Brasil. Indicadores Econômicos FEE, v. 36, n. 4, p. 121-128, 2009a.

NOVY, Andreas. Política e economia, outra vez articuladas, Le Monde Diplomatique Brasil, v. 3, n. 27, p. 6-7, 2009b.

NUNES, Wellington. Uma estratégia desenvolvimentista sem um ‘estado desenvolvimentista’: o caso dos Governos Lula. Tese (Doutorado)–Programa de Pós-Graduação em Sociologia, UFPR, 2018.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PAULA, João. A. Adeus ao desenvolvimentismo: a opção do Governo Lula. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

PAULANI, Leda. Brasil delivery: razões, contradições e limites da política econômica dos primeiros seis meses do governo Lula. In: PAULA, João A. de. A economia política da mudança. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

PAULANI, Leda. Sem esperança de ser país: o governo Lula 18 meses depois. In: SICSÚ, João; PAULA, Luiz Fernando de; MICHEL, Renaut (Ed.). Novo desenvolvimentismo: um projeto nacional de crescimento com equidade social. Barueri: Manole, 2005. p. 49-76.

PAULANI, Leda. The real meaning of the economic policy of Lula’s government. In: ARESTIS, Philip; SAAD-FILHO, Alfredo (Ed.). Political economy of Brazil: recent economic performance. London: Palgrave Macmillan, 2007. p. 42-54.

PAULANI, Leda. A experiência brasileira entre 2003 e 2014: neoliberalismo? Cadernos do Desenvolvimento, Centro Internacional Celso Furtado, v. 12, n. 20, 2017.

PERISSINOTTO, Renato. O conceito de Estado desenvolvimentista e sua utilidade para os casos brasileiro e argentino. Rev. Sociologia e Política, v. 22, n. 52, p. 59-75, 2014.

PESSÔA, Samuel. Dominância fiscal, Folha de São Paulo, 11 out. 2015. PINHEIRO, Armando C.; GIAMBIAGI, Fabio. Rompendo o marasmo: a retomada do desenvolvimento no Brasil. Rio de janeiro: Elsevier/Campus, 2006.

POULANZTAS, Nicos. A crise das ditaduras: Portugal, Grécia e Espanha. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

PRADO, Eleutério F. S. Das explicações para a quase estagnação da economia capitalista no Brasil, Revista de Economia Política, v. 37, n. 3, p. 478-503, 2017.

PREBISCH, Raúl. El falso dilema entre desarrollo económico y estabilidad monetaria. Boletin Económico de America Latina, Cepal, v. 6, n. 1, p. 1-6, 1961.

RUGITSKY, Fernando. Do ensaio desenvolvimentista à austeridade: uma leitura Kaleckiana. 2015. Disponível em: http://jornalggn.com.br/noticia/do-ensaio-desenvolvimentista-aausteridade-por-fernando-rugitsky/. Acesso em: 11 set. 2017.

SAAD-FILHO, Alfredo. Brazil: development strategies and social change from importsubstitution to the ‘events of June’. Studies in Political Economy, 94, p. 3-31, 2014.

SAAD-FILHO, Alfredo; BOITO, Armando. Brazil: the failure of the PT and the rise of the ‘new right’. In: PANITCH, Leo; ALBO, Greg (Ed.). Socialist register. London: Merlin Press, 2016.

SAAD-FILHO, Alfredo; JOHNSTON, Deborah (Ed.). Neoliberalism: a critical reader. London: Pluto Press, 2005.

SAAD-FILHO, Alfredo; MOLLO, Maria de Lourdes. Neoliberal economic policies in Brazil (1994-2005): Cardoso, Lula, and the need for a democratic alternative. New Political Economy, v. 11, n. 1, p. 99-123, 2006.

SAAD-FILHO, Alfredo; MORAIS, Lecio. Mass protests: Brazilian spring or Brazilian malaise? In: PANITCH, Leo; ALBO, Greg; CHIBBER, Vivek (Ed.). Socialist register. London: Merlin Press. 2014. p. 227-246.

SAAD-FILHO, Alfredo; YALMAN, Galip. Economic transitions to neoliberalism in middleincome countries. London: Routledge, 2009.

SILVA, Luiz I. L. Carta aos Brasileiros. Disponível em: http://www1. folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u33908.shtml. Acesso em: 11 set. 2017.

Downloads

Publicado

2020-12-15

Como Citar

FONSECA, P. C. D. .; AREND, M. .; GUERRERO, G. A. . Política econômica, instituições e classes sociais: os governos do partido dos trabalhadores no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 29, n. 3, p. 779–809, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8663623. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos