Teoria do crescimento liderado pelas exportações

uma avaliação empírica para o Brasil

Autores

Palavras-chave:

Exportações, Produtividade, Cointegração, Export led-growth, Modelos VECM

Resumo

Dentre as diversas teorias do crescimento, a teoria export-led growth ressalta a importância das exportações sobre o nível de desenvolvimento e da produtividade em uma economia, em decorrência da geração de economias de escala e de uma maior eficiência. A análise da influência das exportações sobre o nível da produtividade no Brasil mostra-se de fundamental importância, uma vez que conclusões acerca desta relação podem provar-se úteis para a formulação de políticas públicas. Este trabalho analisou empiricamente o impacto das exportações sobre a produtividade na indústria de transformação no Brasil durante o período de 2002-2019. Com base em técnicas de séries temporais, os resultados mostraram que as exportações e a produtividade apresentam uma relação comum de longo prazo. Além disso, considerando as estimativas de um modelo de vetores autoregressivos com correção de erros, verificou-se evidências da influência das exportações sobre a produtividade, i.e., confirmando a teoria do crescimento liderado pelas exportações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Alves de Oliveira, Universidade Federal de São Paulo

Graduando do Departamento de Economia da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo (EPPEN-UNIFESP).

Leandro dos Santos Maciel, Universidade de São Paulo

Professor Doutor do Departamento de Administração na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (FEA-USP).

Referências

ARAUJO, R.; SOARES, C. ‘Export led growth’ X ‘growth led exports’: what matters for the Brazilian growth experience after trade liberalization? MPRA Paper, n. 30562, posted 2. May 2011.

AVERBUG, André. Abertura e integração comercial brasileira na década de 90. In: GIAMBIAGI, Fabio; MOREIRA, Maurício Mesquita (Org.). A economia brasileira nos anos 90. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, 1999. p. 43-82.

AWOKUSE, T. O. Causality between exports, imports and economic growth: evidence for transition economies. Economies Letters, v. 94, p. 389-395, 2007.

AWOKUSE, T. Is the export led growth hypothesis valid for Canada? The Canadian Journal of Economics, v. 36, n. 1, p. 126-136, 2003.

BECKERMAN, W. Demand, exports and growth. In: BECKERMAN & Associates. Cambridge University Press, 1965. p. 44-72.

BHAGWATI, J. Foreign trade regimes and economic development: anatomy and consequences of exchange rate regimes. National Bureau of Economic Research, 1978. p. 182-204.

BONELLI, R.; PINHEIRO, A. C. (Org.). In: ENSAIOS IBRE DE ECONOMIA BRASILEIRA, 1. Rio de Janeiro: IBRE-FGV, 2013.

CAMPOS, F. M. Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS REGIONAIS E URBANOS, 7 , 2009. São Paulo. VII ENABER. Anais...

CLERIDES S.; LACH, S.; TYBOUT, J. Is learning by exporting important? Micro-dynamic evidence from Colombia, Mexico, and Morocco. The Quarterly Journal of Economics, v. 113, n. 3, p. 903-947, 1998.

DAVIDSON, P. A lei de Thirlwall. Revista de Economia Política, v. 10, n. 4, 1990.

DICKEY, D.; FULLER, W. The likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, v. 49, n. 4, p. 1057-1072, 1981.

ENDERS, W. Applied econometrics time series. 4. ed. John Wiley e Sons Inc., 2015.

FASANO FILHO, U. A expansão das exportações e o crescimento econômico: o caso do Brasil, 1969-84. Revista Brasileira de Economia, v. 42, n. 1, p. 73-81, 1988.

FEDER, G. On export and economic growth. Journal of Development Economics, v. 12, p. 59-73, 1982.

FERREIRA, P. C.; ELLERY, R.; GOMES, V. Produtividade agregada brasileira (1970-2000): declínio robusto e fraca recuperação. Estudos Econômicos, v. 38, n. 1, 2008.

GHATAK, S.; MILNER, C.; UTKULU, U. Exports, export composition and growth: cointegration and causality evidence for Malaysia. Applied Economics, v. 29, n. 2, p. 213-223, 1997.

HAY, D. The post 1990 Brazilian trade liberalization and the performance of large manufacturing firms: productivity, market share and profits. IPEA,1997. (Texto para Discussão).

HERZER. D.; FELICITAS, D.; SILIVERSTOVIS, B. Export-led growth in Chile: Assessing the role of export composition in productivity growth. The Developing Economis, v. 44, n. 3, p. 306-328, 2006.

HIDALGO, A.; MATA, D. Produtividade e desempenho exportador das firmas na indústria de transformação brasileira. Estudos Econômicos , v. 39, n. 4, p. 709-735, 2009.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/

JOHANSEN, S. Statistical analysis of cointegration vectors. Journal of Economic Dynamics and Control, v. 12, n. 1-3, p. 231-254, 1988.

KALDOR, N. The case for regional policies. Scottish Journal of Political Economy, v. 17, p. 337-348, 1970.

KAUSHIK, K.; ARBENSER, A. Export growth, export instability, investment and economic growth in India: a time series analysis. The Journal of Developing Areas, v. 41, n. 2, 2008.

KEONG, C.; YUSOP, Z.; LIEW, V. Export-led growth hypothesis in Malaysia: an investigation using bounds test. Sunway Academic Journal, v. 2, p. 13-22, 2005.

KNUST, M.; MARIN, D. On exports and productivity: a causal analysis. The Review of Economic and Statistics, v. 71, n. 4, p. 699-703, 1989.

KRUGMAN, P. Import protection as export protection. In: KIERKOWSKY, H. (Ed.). Monopolistic competition and international trade. Oxford: Oxford University Press, 1984. p. 180-193.

KWIATKOWISK, D.; PHILLIPS, P.; SCHMIDT, P.; SHIN, Y. Testing the null hypothesis of stationarity against the alternative of a unit root: how sure are we that economic time series have a unit root? Journal of Econometrics, v. 54, n. 1-3, p. 159-178, 1992.

LAMFALUSSY, A. The meaning and implications of export-led growth. The United Kingdom and the Six, Palgrave Macmillan, London, 1963.

LANCASTER, K. Intra-industry trade under perfect monopolistic competition. Journal of International Economics, v. 10, n. 2, p. 151-175, 1980.

LIU, L. Entry-exit, learning and productivity change: Evidence from Chile. Journal of Development Economics , v. 42, n. 2, 1993.

MELITZ, M.; OTTAVIANO, G. Market size, trade and productivity. Review of Economic Studies, v. 75, p. 295-316, 2008.

MELO, J.; ROBINSON, S. Productivity and externalities: models of export-led growth. The Journal of International Trade & Economic Development, v. 1, n. 1, p. 41-68, 1992.

NORTH, D. Location theory and regional economic growth. Journal of Political Economy, v. 63, n. 3, 1955.

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. Tradução de Paulo Henrique Ribeiro Sandroni. São Paulo: Nova Cultural Ltda., 1996. (Coleção os Economistas).

ROMER, P. Endogenous technological change. Journal of Political Economy , v. 98, n. 5, p. 71-102, 1990.

ROSSI JR., J. L.; FERREIRA, P. C. Evolução da produtividade industrial brasileira e abertura comercial. IPEA, 1999. (Texto para Discussão, n. 651).

SHAN, J.; TIAN, G. G. Causality between exports and economic growth: the empirical evidence from Shanghai. Australian Economic Papers, v. 37, n. 2, p. 195-202, 1998.

SHARMA, C.; MISHRA, R. International trade and performance of firms: unraveling export, import and productivity puzzle. The Quarterly Review of Economics and Finance, v. 57, p. 61-74, 2015.

SILAGHI, P. Exports-economic growth causality: Evidence from CEE countries. Romanian Journal of Economic Forecasting, v. 2, p. 105-117, 2009.

SILVA, D. O impacto da abertura comercial sobre a produtividade da indústria brasileira. Dissertação (Mestrado em Finanças e Economia Empresarial)-Escola de Pós-Graduação em Economia, Fundação Getúlio Vargas (FGV), São Paulo, 2004.

SILVA, I.; BEZERRA, J.; LIMA. R. As exportações promovem a produtividade? Evidência empírica para indústria de transformação do Brasil utilizando vetores autoregressivos com correção de erro (VEC). EconomiA, v. 13, n. 1, p. 67-91, 2012.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo: Nova Cultural Ltda ., 1996. (Coleção Os Economistas).

SOLOW, R. Technical change and the aggregate production function. Review of Economics and Statistics, v. 39, p. 312-320, 1957.

THIRWALL, A. P. The balance of payments constraint as an explanation of international growth rate differences. Banca Nationale del Lavoro Quarterly Review, v. 32, p. 45-53, 1979.

THORNTON, J. Cointegration, causality and export-led growth in Mexico 1895-1992. Economics Letters, v. 50, n. 3, p. 413-419, 1996.

YOUNG, A. A. Increasing returns and economic Progress. The Economical Journal, v. 38, n. 152, p. 527-542, 1928.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Como Citar

OLIVEIRA, P. H. A. de .; MACIEL, L. dos S. . Teoria do crescimento liderado pelas exportações: uma avaliação empírica para o Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 3, p. 869–886, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8668814. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos