Estrutura de capital das empresas não financeiras no Brasil

evidências para 2009-2017

Autores

Palavras-chave:

Estrutura de capital, Empresas não financeiras, Financiamento de longo prazo

Resumo

Este trabalho analisou a estrutura de capital de 121 empresas não financeiras de capital aberto que atuam no Brasil, entre 2009-2017. A metodologia baseou-se em Moreira e Puga (2000) e as informações foram coletadas na Economática. Os resultados mostraram que neste intervalo os recursos de terceiros, majoritariamente endividamento, foram a principal fonte de financiamento. Além disso, verificou-se maior participação nas firmas de maior ativo total. Entre 2009-2013, houve ampliação do endividamento das firmas com alongamento do seu vencimento, enquanto entre 2014-2017 ocorreu o inverso. Nesse último período, a participação dos recursos de terceiros caiu em relação ao período anterior. Concluiu-se que a maior participação dos recursos de terceiros e a melhora no perfil do endividamento se deveram, em grande medida, ao ciclo expansivo do crédito corporativo brasileiro, e que a sua retração está sendo absorvida em parte pelos recursos próprios, que poderão assumir maior importância nos próximos anos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joseli Fernanda Nappi, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Economia no Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp), Campinas, SP, Brasil. 

Marisa dos Reis Azevedo Botelho, Universidade Federal de Uberlândia

Professora Titular do Instituto de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Uberlândia (IERI-UFU). Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Brasília, DF, Brasil.

Felipe Nogueira da Cruz, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus GV (UFJF-GV), Governador Valadares, MG, Brasil.

Nathalie Tellez Marins, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Economia no Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE-Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Referências

ALMEIDA, J. S. G.; CINTRA, M. A. M.; JACOB, C. A.; NOVAIS, L. F.; FILLETI, J. P. Padrões de financiamento das empresas: a experiência brasileira. In: CINTRA, M. A. M.; SILVA FILHO, E. B. (Org.). Financiamento das corporações: perspectivas do desenvolvimento brasileiro. Brasília: IPEA, p. 15-68, 2013.

ALMEIDA, J. S. G.; NOVAIS, L. F.; ROCHA, M. A. A fragilização financeira das empresas não financeiras no Brasil pós-crise Campinas: IE/Unicamp, 2016. (Texto para discussão).

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Sistema Gerenciados de Séries Temporais Disponível em: https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries Acesso em: 7 maio 2019.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Relatório de inflação Brasília, v. 20, n. 3, set. 2018.

BNDES. Balanço da atuação do BNDES Brasília, nov. 2018a.

BNDES. Notas para a imprensa Brasília, dez. 2018b.

CEMEC. Endividamento das empresas brasileiras: metade das empresas não gera caixa para cobrir despesas financeiras em 2015/2016. Instituto IBMEC Mercados de Capitais, ago. 2016. (Nota Cemec, n. 6).

CEMEC. Mercado de capitais aumenta sua participação no financiamento das empresas Instituto IBMEC Mercados de Capitais, set. 2018. (Nota Cemec, n. 7).

CORRÊA, M. F., LEMOS, P. M., FEIJO, C. Financeirização, empresas não financeiras e o ciclo econômico recente da economia brasileira. Economia e Sociedade Campinas, v. 26, n. Especial, p. 1127-1148, dez. 2017.

FERREIRA, L. de S.; BRASIL, H. G. Estrutura de capital: um teste preliminar da “Pecking Order Hypotesis”. In: ENCONTRO DA ANPAD, 21. Rio de Janeiro, 1997. Anais..

GRANER, F.; PUPO, F. Fazenda quer R$ 271 bi do BNDES até 2022. Valor Econômico, 2019. Acesso em: 8 maio 2019.

KEYNES, J. M. A teoria ex ante da taxa de juros. In: CLÁSSICOS de literatura econômica: textos selecionados de macroeconomia. 3. ed. Brasília: Ipea, 2010, p. 85-96.

LUNDBERG, E. L. Bancos oficiais e crédito direcionado – o que diferencia o mercado de crédito brasileiro? Brasília: BCB, 2011. (Texto para Discussão, n. 258).

MAGALHÃES, L.; BORÇA JUNIOR, G. Financiamento amplo às empresas: crédito bancário, mercado de capitais e setor externo. Rio de Janeiro: BNDES, 2019. (Texto para Discussão, n. 137).

MOREIRA, M. M.; PUGA, F. P. Como a indústria financia o seu crescimento: uma análise do Brasil pós-Plano Real. Rio de Janeiro: BNDES, 2000. (Texto para Discussão, n. 84).

OLIVEIRA, F. N.; OLIVEIRA, P. G. M. An empirical analysis of the financing policies adopted by Brazilian public companies. Revista Brasileira de Finanças, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, 2009.

RITTNER, D. Colaboradores falam até em extinção gradual do BNDES. Valor Econômico, 2018. Acesso em: 7 maio 2019.

RODRIGUES JÚNIOR, W.; MELO, G. M. Padrão de financiamento das empresas privadas no Brasil Brasília: Ipea, 1999. (Texto para Discussão, n. 653).

ROGERS, D., SILVA, W. M., NEDER, H. D., SILVA, P. R. Credit rating and capital structure: evidence from Latin America. Revista Brasileira de Finanças, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, 2013.

SAFATLE, C. Foco do BNDES será em infraestrutura. Valor Econômico, 2019. Acesso em: 7 maio 2019.

SANT’ANNA, A. A.; BORÇA JUNIOR, G. R.; ARAUJO, P. Q. Mercado de crédito no Brasil: evolução recente e o papel do BNDES (2004-2008). In: FERREIRA, F. M. R.; MEIRELLES, B. B. (Org.). Ensaios sobre economia financeira Rio de Janeiro: BNDES, 2009, p. 151-172.

SINGH, A.; HAMID, J. Corporate financial structures in developing countries Washington, DC: International Finance Corporation, 1992. (Technical Paper, n. 1).

SOBRINHO, L. R. B.; SHENG, H. H., LORA, M. I. Country factors and dynamic capital structure in Latin American firms. Revista Brasileira de Finanças, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, 2012.

TYMOIGNE, E.; WRAY, L. R. The rise and fall of money manager capitalism 1. ed. London and New York: Routledge, 2014.

Downloads

Publicado

2022-04-06

Como Citar

NAPPI, J. F. .; BOTELHO, M. dos R. A. .; CRUZ, F. N. da .; MARINS, N. T. Estrutura de capital das empresas não financeiras no Brasil: evidências para 2009-2017. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 31, n. 1, p. 65–86, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8668949. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos