O regramento ambiental de parcelamento do solo como instrumento para a cidade saudável no estado de São Paulo

  • Livia Fernanda Agujaro Companhia Ambiental do Estado de São Paulo https://orcid.org/0000-0001-7583-2416
  • Juliana Fontes Lima Collaço Universidade Estadual de Campinas
  • Adonai Guimarães Pinto Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Parcelamento do solo. Áreas verdes urbanas. Cidade saudável.

Resumo

As Áreas Verdes Urbanas, assim definidas em lei, podem trazer benefícios em termos de qualidade de vida da população pelos serviços ecossistêmicos associados. Em consonância com a Política Nacional de Promoção da Saúde cabe ao poder público apoiar o desenvolvimento de espaços de produção social e ambientes saudáveis, favoráveis ao desenvolvimento humano e ao bem-viver; contribuindo para formação de agendas de pro-moção da saúde. A cidade saudável deve prover qualidade ambiental a seus habitantes, com o zoneamento prevendo equipamentos urbanos que visem aos serviços ambientais e que preservem as funções ecossistêmicas do ambiente. A tendência de implantação de grandes loteamentos fechados, uma realidade frequente no Estado de São Paulo, molda a configuração espacial urbana, enclausurando áreas verdes públicas, impedindo o uso destas pela população em geral e comprometendo suas funções ambientais. Este artigo pretende criar uma reflexão sobre a realidade do licenciamento ambiental de loteamentos urbanos e aspectos legais no Estado de São Paulo que podem impactar na saúde ambiental no que se refere às áreas verdes, bem como avaliar a relação da população com estes espaços, tendo como base vivências na análise técnica para aprovação de projetos habitacionais dos autores, o que contribuirá para a construção de espaços públicos saudáveis mais participativos e integrativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Fernanda Agujaro, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Bióloga. Doutora em Saneamento e Ambiente pela Universidade Estadual de Campinas.

Juliana Fontes Lima Collaço, Universidade Estadual de Campinas

Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Mestre em Saneamento e Ambiente pela Universidade Estadual de Campinas.

Adonai Guimarães Pinto, Universidade Estadual de Campinas

Engenheiro ambiental. Mestrando em Saneamento e Ambiente pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Benini, S. M., & Martin, E. S. (2010). Decifrando as áreas verdes públicas. Formação, 2(17), 63-80. Presidente Prudente [SP].

Bernardini, S. P. (2018). O planejamento da expansão urbana na interface com a urbanização dispersa: uma análise sobre a região metropolitana de Campinas (1970-2006). Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 10(1), 175-185. Curitiba [PR].

Brasil (1979). Lei nº 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6766.htm.

Brasil (2001). Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001. Estabelece diretrizes gerais da política urbana. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm.

Brasil, Ministério da Saúde (2006). Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 60 p. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_promocao_saude.pdf.

Brasil (2012). Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.

Brasil, Ministério da Saúde (2014). Portaria nº 2.466, de 11 de novembro de 2014. Redefine a Política Nacional de Promoção da Saúde. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2446_11_11_2014.html.

Lima, V., & Amorim, M. C. C. T. (2006). A importância das áreas verdes para a qualidade ambiental das cidades. Formação, 1(13), 139-165. Presidente Prudente [SP].

Millennium Ecosystem Assessment (2005). Ecosystems and Human Well-being: Synthesis. Washington: Island Press, 137p.

São Paulo, Secretaria de Estado do Meio Ambiente, & Brasil, MMA, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (1994). Resolução Conjunta nº 02, de 12 de maio de 1994. Regulamenta o corte, a exploração e a supressão de vegetação da Mata Atlântica no Estado de São Paulo. Recuperado de : http://arquivos.ambiente.sp.gov.br/resolucao/1994/1994_Res_Conjunta02.pdf.

São Paulo, Secretaria de Estado do Meio Ambiente (2017). Resolução nº 72, de 18 de julho de 2017. Dispõe sobre os procedimentos para análise dos pedidos de supressão de vegetação nativa para parcelamento do solo, condomínios ou qualquer edificação em área urbana. Recuperado de: https://www.ambiente.sp.gov.br/legislacao/resolucoes-sma/resolucao-sma-72-2017/.

Sperandio, A. M. G., Francisco Filho, L. L., & Mattos, T. P. (2016). Política de promoção da saúde e planejamento urbano: articulações para o desenvolvimento da cidade saudável. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6), 1931-1937. Rio de Janeiro [RJ].

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Agujaro, L. F., Collaço, J. F. L., & Pinto, A. G. (2018). O regramento ambiental de parcelamento do solo como instrumento para a cidade saudável no estado de São Paulo. Labor E Engenho, 12(4), 519-524. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8654209
Seção
Artigos