Banner Portal
Diferenças entre as falas feminina e masculina no Karajá e em outras línguas brasileiras: aspectos tipológicos
PDF

Palavras-chave

Línguas brasileiras. Língua karajá. Gêneroletos. Empréstimos.

Como Citar

BORGES, Mônica Veloso. Diferenças entre as falas feminina e masculina no Karajá e em outras línguas brasileiras: aspectos tipológicos. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 103–113, 2012. DOI: 10.20396/liames.v4i1.1428. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1428. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O Karajá (Família Karajá) é falado por aproximadamente dois mil indígenas (em Goiás, Mato Grosso e Tocantins). Essa língua possui distinções, conforme o sexo do falante, no nível fonético-fonológico, as quais foram descritas por Borges (1997), tais como: a) distinções no ataque de uma ou duas sílabas; b) diferenças no ataque e no núcleo de uma sílaba medial; e c) diferença nos segmentos que compõem as sílabas. As distinções entre as falas do homem e da mulher podem ser encontradas também em empréstimos tomados ao português. Nesse trabalho são apresentadas essas diferenças e são discutidos dados de outras línguas brasileiras, tais como Xavante (também Macro-Jê). A conclusão é que as diferenças entre as falas, no Karajá, parecem ser distintas das que ocorrem em outras línguas brasileiras, que, quando manifestam esse fenômeno, têm distinções mais marcadas no nível morfossintático, como o Kamayurá e o Kokáma (ambas da Família Tupi-Guarani), e em Xavante.
https://doi.org/10.20396/liames.v4i1.1428
PDF

Referências

BALMORI, C. H. (1967). Estudios de Área Lingüística Indígena. Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires, Bucca.

BODINE, A. (1991). Sexocentrismo e pesquisas lingüísticas. In V. Aebischer & C. Forel (orgs.) Falas masculinas, falas femininas? Sexo e linguagem. São Paulo: Brasiliense, pp. 35- 62.

BORELLA, C.C. (2000). Aspectos morfossintáticos da língua Aweti (Tupi). Dissertação de Mestrado em Lingüística. Campinas: Unicamp.

BORGES, M. V. (1997). As falas feminina e masculina no Karajá. Dissertação de Mestrado em Letras e Lingüística. Goiânia: UFG.

DOBSON, R. M. (1988) Aspectos da língua Kayabi. Série Lingüística n° 12. Brasília: SIL.

EVERETT, D. L. (1979). Aspectos da fonologia do Pirahã. Dissertação de Mestrado em Lingüística. Campinas: Unicamp.

JESPERSEN, O. (1921). Language. Its nature, development and origin. New York: The Norton Library, W.W. Norton and Company.

LACHNITT, G. (1988). Damreme ‘uwaimramidzé. Estudos sistemáticos e comparativos de gramática Xavante (Ed. Experimental). Campo Grande: Missão Salesiana de Mato Grosso.

RODRIGUES, A. D. (1986). Línguas brasileiras. Para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola.

SEKI, L. (2000). Gramática do Kamaiurá. Língua Tupi-Guarani do Alto Xingu. Campinas: Editora da Unicamp; São Paulo: Imprensa Oficial.

A LIAMES: Línguas Indígenas Americanas utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Os artigos e demais trabalhos publicados na LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, publicação de acesso aberto, passa a seguir os princípios da licença do Creative Commons. Uma nova publicação do mesmo texto, de iniciativa de seu autor ou de terceiros, fica sujeita à expressa menção da precedência de sua publicação neste periódico, citando-se a edição e a data desta publicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.