Banner Portal
Alguns aspectos da língua Guató
PDF

Palavras-chave

Makro jê. Língua guató. Flexão pessoal. Sistema numeral.

Como Citar

PALÁCIO, Adair. Alguns aspectos da língua Guató. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 163–170, 2012. DOI: 10.20396/liames.v4i1.1433. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1433. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

A língua Guató, falada por remanescentes de um povo indígena do Rio Paraguai (fronteira Brasil-Bolivia), foi classificada geneticamente no tronco Macro-Jê por Rodrigues (1970), mas sem nenhuma relação lingüística mais imediata com qualquer outra língua ou família lingüística conhecida. Sua descrição foi formalizada em Palácio 1984. No presente trabalho, são descritos alguns aspectos daquela língua: a flexão pessoal verbal e o sistema numeral.
https://doi.org/10.20396/liames.v4i1.1433
PDF

Referências

CASTELNAU, Francis de. (1949). Expedição às regiões centrais da América do Sul. Tradução: O. M. de O. Pinto. 6 Vol. São Paulo, Cia. Editora Nacional. (Original de 1850-51, Paris).

COMRIE, B (1978). Ergativity. In: LEHMANN,W. P. (ed.). Syntactic Typology:Studies in the phenomenology of language. Austin: The University of Texas Press, 7:329-394.

COMRIE, B (1981). Language Universals and Linguistic Typology: Syntax and Morphology. Chicago: The University of Chicago Press.

DIXON, R. M. W. (1979). Ergativity, Language, Vol.5. 1:59-138.

GARDE, P. (1968). L’Accent. Vol.5. Le Linguiste. Paris: Presses Universitaires de France.

GREENBERG, J. H. (Ed). (1966a). Universals of Language. 2 ed. Cambridge, Mass.: MIT Press.

GREENBERG, J. H. (1966b).Universals of Language. 2 ed. Cambridge, Mass. MIT Press.Some universals of grammar with particular reference to the order of meaningful elements. 73-113.

JAKOBSON, R.; GUNNAR, C.; FANT, M. & HALLE, M. (1973). Preliminaries to speech analysis: the distinctive features and their correlates . Cambridge, Mass. : MIT Press.

JAKOBSON, R. & HALLE, M. (1975). Fundamentals of Language.2 ed. The Hague: Mouton.

LEHMANN, W. P. (ed.). (1978). Syntactic Typology: Studies in the phenomenology of language.Austin: The University of Texas Press.

MARTIUS, C. F. P. von. (1867). Beiträge zur Ethnographie und Sprachenkunde Amerikas zumal Brasiliens. Vol. 2. Leipzig.

METRAUX, A. (1942). The Native Tribes of Eastern Bolívia and Western Matto Grosso. Smithsonian Institution, Bureau of American Ethnology , Bulletin 134. Washington: United States Government Printing Office.

METRAUX, A. (1946) . The Guató. In: STEWARD, J. (ed). Handbook of South American Indians . Smithsonian Institution, Bureau of American Ethnology, Bulletin 134. Washington: United States Government Printing Office. Vol. 1: 409-418.

MOUTINHO, J.F. (1869). Notícia sobre a Província de Matto Grosso. Typographia Henrique Schroeder.

NIDA, E. (1949). Morphology: The descriptive analysis of words. 2 ed. Ann Arbor: The University of Michigan Press.

PALÁCIO, A.P. (1984). Guató: a língua dos índios canoeiros do rio Paraguai. Tese de Doutorado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, IEL.

PIKE, K.L. (1948). Tone Languages. Ann Arbor: The University of Michigan Press.

RODRIGUES, A. D. (1970). Línguas ameríndias. In: Grande Enciclopédia Delta Larouse. Rio de Janeiro: Editora Delta.

RODRIGUES, A. D. (1986). Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo:Loyola.

RONDON, F. (1938). Na Rondônia Ocidental. São Paulo: Cia. Editora Nacional.

SCHMIDT, M. (1942 a). Estudos de etnologia brasileira. Tradução: Catarina B. Cannabrava. Brasiliana, Gr. Formato, Vol. 2. São Paulo: Cia. Editora Nacional.

SCHMIDT, M. (1942 b). Resultados de mi tercera expedición a los Guatós efectuada en el año de 1928. Revista de la Sociedad Científica del Paraguay. Asunción: vol. 5. 6:41-75.

WILSON, J. (1959). Guató word list. Arquivo de línguas do SIL. Brasília. (Dados não publicados).

A LIAMES: Línguas Indígenas Americanas utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Os artigos e demais trabalhos publicados na LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, publicação de acesso aberto, passa a seguir os princípios da licença do Creative Commons. Uma nova publicação do mesmo texto, de iniciativa de seu autor ou de terceiros, fica sujeita à expressa menção da precedência de sua publicação neste periódico, citando-se a edição e a data desta publicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.