Tapuya connections: language contact in eastern Brazil

Autores

  • Eduardo Rivail Ribeiro University of Chicago

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v9i1.1463

Palavras-chave:

Contacto de línguas. Empréstimo. Tronco makro-jê.

Resumo

ABSTRACT

In eastern Brazil, most indigenous languages were only superficially documented before becoming extinct.  Besides hampering attempts at genetic classification of the languages of the region, the lack of linguistic data seriously limits our knowledge of possible cultural contacts among the several tribes listed by colonial sources.  Notwithstanding that, this paper attempts to provide a few additional pieces for the ethnographic puzzle which is eastern Brazil, focusing on loanwords found in Kipeá, a Karirí language once spoken in the present-day states of Bahia and Sergipe, in northeastern Brazil.  Besides allowing a glimpse into situations of language contact in eastern Brazil, the identification of previously unsuspected loanwords may contribute to a better understanding of phonological aspects of Kipeá.

Keywords: Language contact; Borrowings; Macro-Jê.

 

RESUMO

A maioria das línguas indígenas originalmente faladas no leste brasileiro se extinguiram antes que pudessem ter sido devidamente documentadas.  Além de dificultar os estudos das possíveis relações genéticas entre tais línguas, a falta de dados limita, de maneira significativa, o conhecimento de possíveis contatos culturais entre as tribos da região.  Apesar disto, este artigo tenta fornecer peças adicionais para o quebra-cabeças etnográfico que é o leste brasileiro, concentrando-se no estudo de empréstimos em Kipeá (família Karirí, tronco Macro-Jê), língua outrora falada em áreas hoje pertencentes aos Estados da Bahia e Sergipe.  Além de nos dar uma idéia mais clara de situações de contato lingüístico no leste brasileiro, a identificação de empréstimos antes despercebidos fornece subsídios para uma melhor compreensão de aspectos da fonologia do Kipeá.

Palavras-chave: Contato lingüístico; Empréstimos; Macro-Jê

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Rivail Ribeiro, University of Chicago

Referências

ADAM, Lucien; HENRY, Victor (1880). Arte y vocabulario de la lengua Chiquita, con algunos textos traducidos y explicados compuestos sobre manuscritos inéditos del XVIIIo. Siglo. Paris: Maisonneuve y Cía.

ANONIMOUS (1938). Vocabulario na Lingua Brasilica. Manuscrito Português-Tupí do seculo XVII, coordenado e prefaciado por Plinio Ayrosa. São Paulo: Departamento de Cultura.

ARAÚJO, Gabriel Antunes (2000). Fonologia e morfologia da língua Maxakalí. Dissertação de Mestrado em Linguística, SP. Instituto de Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Campinas.

AZEVEDO, Gilda Maria Corrêa de (1965). Língua Kiriri: descrição do dialeto Kipeá. Dissertação de Mestrado: Universidade de Brasília.

BALDUS, Herbert (1938). Uma ponte etnográfica entre o Xingú e o Araguaia. Revista do Arquivo Municipal, São Paulo, vol. XLIII, p. 7-12.

BARBOSA, A. Lemos (1970). Pequeno Vocabulário Português-Tupi. Rio de Janeiro: Livraria São José.

BROWN, Cecil H. (2006). Glottochronology and the Chronology of Maize in the Americas. In J.E. Staller; R.H. Tykot; B.F. Benz (eds.). Histories of Maize: Multidisciplinary Approaches to the Prehistory, Linguistics, Biogeography, Domestication, and Evolution of Maize, pp. 647-663. Elsevier.

COSTA, Januacele Francisca da (1999). Ya:thê, a Última Língua Nativa no Nordeste do Brasil. Aspectos Morfo-Fonológicos e Morfo-Sintáticos. Tese de Doutorado em Letras. Recife, Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco.

CROWELL, Thomas Harris (1979). A grammar of Bororo. PhD dissertation, Cornell University.

DAVIS, Irvine (1968). Some Macro-Je Relationships. International Journal of American Linguistics 34(1): 42-47.

EHRENREICH, Paul (1894). Materialien zur Sprachenkunde Brasiliens: I. DieSprache der Caraya (Goyaz). Zeitschrift für Ethnologie 26 (20-37): 49-60.

GREENBERG, Joseph (1987). Language in the Americas. Stanford: Stanford University Press. HAAS, Mary R. (1969). The Prehistory of L anguages. (Janua Linguarum, Series Minor, 57.) The Hague: Mouton.

HAM, Patricia; WALLER, Helen E.; KOOPMAN, Linda (1979). Aspectos de língua Apinayé. Brasília: Summer Institute of Linguistics.

IBGE, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1981 [1944]). Mapa etno-histórico de Curt Nimuendajú. Rio de Janeiro: IBGE.

KRIEGER, Wanda B.; KRIEGER, Guenther Carlos (1994). Dicionário escolar Xerente-português, português-Xerente. Rio de Janeiro: Junta das Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira.

LAPENDA, Geraldo (1962). O dialecto Xucuru. Doxa, ano X, No 10:11-23. Recife: Diretório Acadêmico da Faculdade de Filosofia/Universidade do Recife.

LAPENDA, Geraldo (2005). Estrutura da Língua Iatê, 2a. Edição. Recife: Editora UFPE.

LOUKOTKA, C#Èestmír (1931). La familia lingüística Mašakali. Revista del Instituto de Etnología de la Universidad Nacional de Tucumán 2:21-47.

LOUKOTKA, C#Èestmír (1932). La familia lingüística Kamakan del Brasil. Revista del Instituto de Etnología de la Universidad Nacional de Tucumán, 2:493-524.

LOUKOTKA, C#Èestmír (1937). La familia lingüística Coroado. Journal de la Société des Américanistes de Paris, n.s 29:157-214.

LOWIE, Robert H. (1946). The “Tapuya”. In Julian H. Steward (ed.). Handbook of South American Indians, vol. 1: The Marginal Tribes, pp. 553-556. Washington: Government Printing Office.

MAMIANI, Luiz Vincencio (1877 [1699]). Arte de Grammatica da Lingua Brasilica da Naçam Kiriri. 2a. edição. Rio de Janeiro: Bibliotheca Nacional.

MAMIANI, Luiz Vincencio (1942 [1698]). Catecismo da Doutrina Christãa na Lingua Brasilica da Nação Kiriri. Lisboa. (Edição fac-similar, Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional).

MARTINS, Andérbio Márcio Silva (2007). Revisão da família lingüística Kamakã proposta por Chestmir Loukotka. Dissertação de Mestrado. Brasília: Universidade de Brasília.

MARTINS, M. de L. de Paula (1958). Vocabulário Botocudo de Charles Frederick Hartt. Miscellanea Paul Rivet, vol.2: 405-429.

MARTIUS, Karl Friedrich Philip von (1867). Glossaria linguarum Brasiliensium. Beiträge zur Ethnographie und Sprachenkunde Amerikas zumal Brasiliens, II. Leipzig: Friedrich Fleischer.

MCLENDON, Sally (1969). Spanish words in Eastern Pomo. Romance Philology, Volume XXIII, Number 1, p. 39-53.

MONTEIRO, John M. (2001). Tupis, tapuias e historiadores: estudos de história indígena e do indigenismo. Tese de livre docência. Campinas, SP: Departamento de Antropologia/IFCH. Universidade Estadual de Campinas.

NANTES, Bernardo de (1896 [1709]). Katecismo Indico da Lingua Kariris. Lisboa. (Edição fac-similar publicada por Julio Platzmann, Leipzig).

PAYNE, David L. (1991). A classification of Maipuran (Arawakan) languages based on shared lexical retentions. In Desmond C. Derbyshire and Geoffrey K. Pullum (eds.). Handbook of Amazonian Languages, vol. 3, pp. 355-499. Berlin: Mouton de Gruyter.

POMPA, Cristina (2003). Cartas do Sertão: a catequese entre os Kariri no século XVII. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 7, volume 14 (1 e 2): 7-33.

POPJES, Jack; Popjes, Josephine (1986). Canela-Krahô. In Desmond C. Derbyshire and Geoffrey K. Pullum (eds.). Handbook of Amazonian Languages, vol. 1, pp. 128-99. Berlin: Mouton de Gruyter.

POPOVICH, A. Harold; POPOVICH, Frances B. (2005). Dicionário Maxakalí-Português. Cuiabá: Sociedade Internacional de Lingüística.

PROUS, André (1992). Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora UnB.

QUEIROZ, José Márcio Correia de (2008). Aspectos da fonologia Dzubukuá. Dissertação de Mestrado. Recife, Pernambuco: Universidade de Pernambuco.

RIBEIRO, Eduardo R. (2001). Empréstimos Tupí-Guaraní em Karajá. Revista do Museu Antropológico 5/6:75-100.

RIBEIRO, Eduardo R. (2002). O marcador de posse alienável em Karirí: um morfema Macro-Jê revisitado. LIAMES 2: 31-48.

RIBEIRO, Eduardo R. (2006). Macro-Jê. In Brown, Keith (editor-in-chief). Encyclopedia of Language and Linguistics, (2nd edition), volume 7, pp. 422-426. Oxford: Elsevier.

RIBEIRO, Eduardo R. (2009). O Catecismo Purí do Pe. Francisco das Chagas Lima. Cadernos de Etnolingüística, vol. 1, n. 1. Available at: http://www.etnolinguistica.org/issue:vol1n1

RIBEIRO, Roberto da Silva (2005). O catecismo Kiriri: a lei de Deus e o interesse dos homens. Sæculum: Revista de História 13: 39-51. João Pessoa.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna (1985). Evidence for Tupi-Carib relationships. In Klein, Harriet E. Manelis; Louisa R. Stark (eds.), South American Indian Languages: Retrospect and Prospect, pp. 371-403. Austin: University of Texas Press.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna (1996). As línguas gerais sul-americanas. Papia: Revista de Crioulos de Base Ibérica 4: 6-18. Brasília.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna (1999). Macro-Jê. In Robert M. W., Dixon; Alexandra Aikhenvald (orgs.), The Amazonian Languages, pp. 164-206. Cambridge: Cambridge University Press.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna (2000). Ge-Pano-Carib versus Jê-Tupí-Karib: sobre relaciones lingüísticas prehistóricas en Sudamérica. In Luis Miranda, (ed.). Actas: I Congreso de Lenguas Indígenas de Sudamérica, pp. 95-104. Lima: Universidad Ricardo Palma.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna; CABRAL, Ana Suelly Arruda Câmara (2007). Através do léxico Macro-Jê: em busca de cognatos. In Aryon D. Rodrigues; A. S. A. C. Cabral (org.), Línguas e culturas Macro-Jê, pp. 175-179. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

RUDOLPH, Bruno (1909). Wörterbuch der Botokudensprache. Hamburg: Fr. W. Thaden.

SÁ, Aluízio Caetano de (2000). Dicionário de Iatê: Iatê—Português. Águas Belas: Edição do autor.

SEKI, Lucy. 1984. Problemas no estudo em uma língua em extinção. Boletim da ABRALIN, 6: 109-118.

SEKI, Lucy. (1990). Apontamentos para a bibliografia da língua Botocudo/Borum. Cadernos de Estudos Lingüísticos, (18): 115-142.

SEKI, Lucy. (2002). O Krenak (Botocudo/Borum) e as línguas Jê. In Ludoviko dos Santos; Ismael Pontes (org.), Línguas Jê: estudos vários, pp. 15-40. Londrina: Editora UEL.

SEKI, Lucy. (2004). Aspectos da morfossintaxe Krenak: orações independentes. In Wilmar da Rocha D’Angelis (org.). LIAMES (Anais do II Encontro Macro-Jê, 4: 131-148. Campinas: IEL/UNICAMP.

SILVA NETO, Ambrósio Pereira da (2007). Revisão da classificação da família lingüística Puri. Dissertação de Mestrado. Brasília: Universidade de Brasília.

URBAN, Greg (1992). A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas. In Manuela Carneiro da Cunha. História dos Índios no Brasil, pp. 87-102. São Paulo, Companhia das Letras.

VIANA, Adriana M. S. (2004). Sobre a língua Boróro. In Denize Elena Garcia da Silva (org.). Atas do II Encontro Nacional do Grupo de Estudos de Linguagem do Centro-Oeste: integração lingüística, étnica e social, vol. 1: 42-48. Brasília: Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB.

VIANA, Adriana M. S. (2007). Dissimilação de sonoridade em Boróro: uma abordagem com base no princípio do contorno obrigatório. In Aryon D. Rodrigues; Ana S. A. C. Cabral (orgs.), Línguas e culturas Macro-Jê, pp. 57-75. Brasília: Editora Universidade de Brasília/Finatec.

WIESEMANN, Ursula (1978). Os dialetos da língua Kaingáng e o Xokléng. Arquivos de Anatomia e Antropologia 3: 197-217.

Downloads

Publicado

2010-06-01

Como Citar

Ribeiro, E. R. (2010). Tapuya connections: language contact in eastern Brazil. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 9(1), 61–76. https://doi.org/10.20396/liames.v9i1.1463

Edição

Seção

Artigos