As classes morfológicas flexionais da língua kuikuro

Autores

  • Mara Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v8i1.1474

Palavras-chave:

Família karib. Língua kuikuro. Classes verbais. Nominalização. Verbalização.

Resumo

Este artigo tem como foco a organização das classes morfológicas flexionais da língua kuikuro, uma das variantes da língua karib alto-xinguana, que constitui um dos ramos meridionais da família lingüística karib (Franchetto e Meira, 2005). As classes morfológicas organizam a língua kuikuro em conjuntos explicitamente ordenados, que atravessam diversos processos flexionais e derivacionais. A língua kuikuro dispõe de um rico conjunto de morfemas funcionais responsáveis pela flexão aspectual, e o Aspecto é indispensável na formação da palavra verbal no que podemos chamar de Modo Descritivo, não marcado. Os alomorfes dos Aspectos do Modo Descritivo, Pontual, Continuativo e Perfeito se distribuem em cinco classes flexionais exclusivamente morfológicas, não existindo qualquer condicionamento fonológico que possa ser considerado responsável por tal alomorfia. O mesmo fenômeno pode ser observado nas formas que chamamos de “participiais”. A organização dos Aspectos em cinco classes morfológicas flexionais é produto da observação do comportamento de cada alomorfe após os verbos aos quais ele se sufixa. Trata-se de uma propriedade arbitrária da raiz, uma propriedade puramente formal que não indica nenhuma motivação semântica, nem, tampouco, qualquer condicionamento fonológico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mara Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em lingüística pela UFRJ. Participa do projeto Documentação da Língua Carib do Alto Xingu, coordenado pela doutora Bruna Franchetto, com apoio da VolkswagenStiftung, CNPq e FINEP.

Referências

EMBICK, D.; HALLE, M. (2004) On the status of stems in morphological theory. University of Pennsylvania and MIT, ms.

FRANCHETTO, Bruna. (1986) Falar kuikúro. Estudo etnolingüístico de um grupo karibe do Alto Xingu. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Departamento de Antropologia, Museu Nacional, UFRJ.

FRANCHETTO, Bruna. (1995) Processos fonológicos em kuikúro: uma visão auto-segmental. In Leo Wetzels (org.). Estudos fonológicos das línguas indígenas brasileiras, pp. 53-84. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

FRANCHETTO, Bruna. (2005) TAM and verbal inflection in Kuikuro (Alto Xingu, Brazil). Paper presented at Colloque sur La Grammaire des Langues Caribes, CNRS (CELIA), IRD. Paris, 5-9 de dezembro.

FRANCHETTO, Bruna. (2006) Are Kuikuro roots lexical categories? In Ximena Lois; Valentina Vapnarski (eds.). Lexical categories and root classes in Amerindian languages, pp. 33-68. Switzerland AG.: Peter Lang.

FRANCHETTO, Bruna; MEIRA, S. (2005) The Southern Cariban languages and the Cariban family. International Journal of American Linguistics 17:127-190.

FRANCHETTO, Bruna; SANTOS, Mara. (2003) Natureza dos argumentos e mudança de valência a partir de uma classificação (semântica) dos “verbos” kuikuro. In F. Queixalós (org.). Ergatividade na Amazônia II, pp. 101-154. Brasília: Centre d’Études des Langues Indigènes d’Amérique (CNRS, IRD), Laboratório de Línguas Indígenas (UnB).

GILDEA, Spike. (1998) On reconstructing grammar. Comparative Cariban morphosyntax. Oxford: Oxford Universiy Press.

HALLE, M.; MARANTZ, A. (1993) Distributed morphology and the pieces of inflection. In K. Hale; S. J. Keyser (eds.). The View from Building 20. Linguistics Essays in Honor of Sylvain Bromberger, pp. 111-176. Cambridge, Mass.: MIT Press.

HALLE, M. (1994) Some key features of distributed morphology. In A. Carnie; H. Harley (eds). MIT Working Papers in Linguistics 21. Papers on Phonology and Morphology, pp. 275-288. Cambridge, Mass.: MITWPL.

HARLEY, H.; NOYER, R. (1998) Licencing in the non-lexicalist lexicon: nominalizations, vocabulary items and the encyclopaedia. In Heidi Harley (ed.). MITWPL 32. Papers from the Upenn, MIT Roundtable on Argument and Aspect, pp. 119-137. Cambridge: MITWPL.

SANTOS, G. M. F. dos (2002) Morfologia kuikuro: as categorias “nome” e “verbo” e os processos de transitivização e intransitivização. Dissertação de Mestrado em Lingüística. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras.

SANTOS, G. M. F. (2005a) Raízes homófonas em Kuikuro. Comunicação apresentada no XVII Congresso da ABRALIN. Brasília, 17-19 de fevereiro.

SANTOS, G. M. F. (2005d) The inflectional morphological classes in the Kuikuro language (Alto Xingu, Brazil). Paper presented at Colloque sur La Grammaire des Langue Caribes, CNRS (CELIA), IRD. Paris, 5-9 de dezembro.

SANTOS, G. M. F. (2007) Morfologia kuikuro: gerando nomes e verbos. Tese de Doutorado em Lingüística. Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras. Doutorado em Lingüística.

Downloads

Publicado

2010-04-29

Como Citar

SANTOS, M. As classes morfológicas flexionais da língua kuikuro. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 105–120, 2010. DOI: 10.20396/liames.v8i1.1474. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1474. Acesso em: 30 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos