Banner Portal
Estratégias de complementação em Asurini do Xingu: a oração complemento
PDF

Palavras-chave

Línguas da América do Sul. Nominalização. Língua asuriní do xingu. Sintaxe. Morfologia.

Como Citar

PEREIRA, A. A. Estratégias de complementação em Asurini do Xingu: a oração complemento. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 135–147, 2013. DOI: 10.20396/liames.v0i13.1535. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/liames/article/view/1535. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Neste artigo analisamos a oração complemento na língua Asurini do Xingu. Mostramos que a nominalização é a estratégia utilizada para a formação desse tipo de oração na língua. A identificação dos argumentos A, O, Sa e So, na oração complemento, é feita através da valência dos verbose dos diferentes nominalizadores. Constatamos que nesse tipo de oração os argumentos A e O podem ser apagados. As regras de apagamento de constituintes são governadas pelo discurso: se a identificação do referente é clara, ele poderá ser apagado mediante determinadas condições.

https://doi.org/10.20396/liames.v0i13.1535
PDF

Referências

BRANDON, Frank R.; SEKI, Lucy (1981). Interrogativos e complementalizadores em línguas Tupi. Estudos Linguísticos 5: 107-114.

CARDOSO, Valéria Faria (2008). Aspectos morfossintáticos da língua Kaiowá (Guarani). Tese de Doutorado em Linguística. Campinas, São Paulo: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

COMRIE, Benard; HORIE, Kaoru (1995). Complement clause versus relative clause: some khmer evidence. In: Werner Abraham; T. Givón; Sandra A. Thompson (eds.). Discourse grammar and typology, pp. 65-76. Studies in language companion series 27, John Benjamins.

DIXON, R.M.W. (1994). Ergativity. Cambridge: Cambridge University Press.

DIXON, R.M.W. (2006). Complement clause and complementation strategies in typological perspective. In R.M.W. Dixon; Alexandra Y. Aikhenvald (eds.). Complementation: a cross-linguistic typology, pp. 1-48. Oxford: OUP.

DIXON, R.M.W; AIKHENVALD, Alexandra Y. (eds.) (2000). Introduction. In Changing valency: case studies in transitivity, pp. 1-30. Cambridge: Cambridge University Press.

GIVÓN, T. (2001). Syntax: a functional-typological introduction. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, vol 2.

JULIÃO, Maria Risolêta Silva (2009). Nominalização e orações completivas em Anambé. Anais do SILEL. vol. 1: 1-6. Uberlândia: EDUFU.

MOORE, Denny (2006). Cláusulas relativas em Gavião de Rondônia. Boletim Paraense Emílio Goeldi, Ciências Humanas, Belém, vol. 1 (1): 135-143.

NOONAN, Michael (1985). Complementation. In Timothy Shopen (ed.). Language typology and syntactic description. Grammatical categories and the lexicon, vol 2: 42-140. Cambridge: Cambridge University Press.

PACHÊCO, Frantomé Bezerra (2001). Morfologia do verbo Ikpeng (Karíb). Tese de Doutorado em Linguística. Campinas, São Paulo: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

PEREIRA, Antônia Alves (2005). Aspectos morfológicos da língua Asurini do Xingu. Dissertação de Mestrado em Letras. Belém, PA: Laboratório de Linguagem, Universidade Federal do Pará.

PEREIRA, Antônia Alves (2009) Estudo Morfossintático do Asurini do Xingu. Tese de Doutorado em Linguística. Campinas, SP: Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

PEREIRA, Antônia Alves (2010). A Nominalização e a oração relativa no Asurini do Xingu. LIAMES 10: 101-113.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna (1986). Línguas Brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola.

SEKI, Lucy (2000). Gramática do Kamaiurá: Língua Tupi–Guarani do Alto Xingu. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP.

THOMPSON, Sandra. A.; LONGACRE, Robert. E. (1985). Adverbial clauses. In Timothy Shopen (ed.). Language typology and syntactic description. Grammatical categories and the lexicon, vol 2: 171-234. Cambridge: Cambridge University Press.

A LIAMES: Línguas Indígenas Americanas utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Os artigos e demais trabalhos publicados na LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, publicação de acesso aberto, passa a seguir os princípios da licença do Creative Commons. Uma nova publicação do mesmo texto, de iniciativa de seu autor ou de terceiros, fica sujeita à expressa menção da precedência de sua publicação neste periódico, citando-se a edição e a data desta publicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.