À guisa de introdução: nas trilhas da produção científica sobre línguas ameríndias - contribuições do III Simpósio Internacional de Linguística Ameríndia da ALFAL

Autores

  • Marília Lopes da Costa Facó Soares Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v15i1.8641493

Palavras-chave:

Línguas ameríndias. Línguas indígenas. Linguística.

Resumo

Durante o Simpósio, foram apresentados trinta e quatro trabalhos, tendo sido focalizadas, entre outras, as línguas Akroá, Bakairí, Chiquitano, Kamaiurá, Karajá, Karitiana, Kuripako, Lacandón del Sur, Mazahua, Mocoví, Shirian, Tenetehára, Tesapé, Ticuna (Tikuna), Wapixána, Xakriabá, Xavante, Yanomami, Yaqui, Yavarana, Yucateco – pertencentes a diferentes famílias linguísticas e relacionadas a diferentes pontos das Américas...

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Lopes da Costa Facó Soares, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, com atuação em cursos de pós-graduação (Linguística, Antropologia Social e Arqueologia). Doutora na área de Linguística (UNICAMP, 1992), sua tese versou sobre a língua Tikuna, que, falada por um dos maiores grupos indígenas do Brasil, possui também falantes no Peru e na Colômbia. Prossegue com suas investigações sobre essa língua e conhece línguas da família Tupi-Guarani, assim como línguas da família linguística Pano. Possui atuação no campo da educação indígena, com assessoria, por mais de dez anos, a projetos diretamente voltados para populações indígenas. Coordenou, durante oito anos, projetos de colaboração com equipes francesas no âmbito de acordo entre o Brasil e a França. Coordenou e executou ainda trabalhos linguísticos voltados para inventários e acervos de pesquisa e recebeu, no Brasil, prêmios por projetos voltados para línguas indígenas. Como parte de sua formação, quando ainda estudante de graduação (UFRJ), estão os estudos de literatura e a música, sendo que esses últimos incluíram e precederam a própria graduação. Trabalha com povos e línguas indígenas na Amazônia e no Brasil Central.

Downloads

Publicado

2015-05-17

Como Citar

Soares, M. L. da C. F. (2015). À guisa de introdução: nas trilhas da produção científica sobre línguas ameríndias - contribuições do III Simpósio Internacional de Linguística Ameríndia da ALFAL. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 15(1), 5–15. https://doi.org/10.20396/liames.v15i1.8641493

Edição

Seção

Apresentação