O fenômeno de nasalização em línguas Tupí-Guaraní

Palavras-chave: Fonologia, Fenômeno de nasalidade, Línguas Tupí-Guarani, Tipologia fonológica

Resumo

Tupí-Guaraní, tronco Tupí. Para averiguação do processo de nasalidade em línguas Tupí-Guaraní utiliza-se como pressuposto teórico principal a abordagem tipológica de Walker (1998), para verificar e compreender, a partir de uma hierarquia tipológica de harmonia nasal, segmentos que podem ser gatilhos ou alvos do espalhamento nasal. O estudo também utiliza as considerações de Ohala (1993)  e Cohn (1990, 1993) para examinar o processo de nasalização como efeito fonético ou fonológico. A abordagem tipológica permitiu observar o comportamento de consoantes e vogais em relação à nasalidade, possibilitando sua classificação em termos de papéis que desempenham, sejam como gatilhos, alvos, bloqueadores ou transparentes. Além disso, verifica-se também a direcionalidade da nasalização que é predominantemente à esquerda (regressiva). Os resultados mostram que, na família Tupí-Guaraní, há o predomínio de vogais nasais como engatilhadoras, seguidas de consoantes nasais, ou ambas. Os alvos são predominantemente vogais, glides e líquidas; já as obstruintes surdas, em geral, comportam-se como bloqueadoras, mas há línguas em que elas são transparentes ao processo. O domínio da nasalidade nessas línguas é preeminentemente de dois tipos: Local, quando é consoante nasal (N) e a longa distância quando é vogal nasal (Ṽ).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camille Cardoso Miranda, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda do Instituto do Estudo de Linguagens da Universidade Estadual de Campinas (IEL/UNICAMP). 

Gessiane Lobato Picanço, Universidade Federal do Pará

Professora Adjunta do Instituto de Letras e Comunicação (ILC), Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL-UFPA).

Referências

Alves, Juliana Ferreira (2008). Fonética e fonologia da língua Araweté: Uma nova contribuição (Dissertação de Mestrado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília. Disponível em:

https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/3582/1/2008_JulianaFerreiraAlves.pdf

Borges, Luiz Carlos (1991). A língua geral Amazônica: Aspectos de uma fonêmica. (Dissertação de Mestrado em Linguística). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em:

http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/270456/1/Borges_LuizCarlos_M.pdf

Browman, Catherine P. & Goldstein, Louis (1992). Articulatory phonology: An overview. Phonetica 49: 155-180. Disponível em: http://www.haskins.yale.edu/sr/SR111/SR111_03.pdf

Acesso: 10/10/2016

Barbosa, José Natal (1993). Contribuições à analise fonológica do Suruí no Tocantins (Dissertação de Mestrado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília.

Cohn, Abigail C. (1990). Phonetic and phonological rules of nasalization. UCLA Working Papers in Phonetics 76. Los Angeles, University of California, Department of Linguistics. Link: https://escholarship.org/uc/item/1xq3d5hr

Cohn, Abigail C. (1993). A survey of the phonology of the feature [±nasal]. Working Papers of the Cornell Phonetics Laboratory 8: 141-203.

Costa, Consuelo de Paiva Godinho (2007). Apyngwarupigwa: Nasalização em Nhandewa-Guaraní (Tese de Doutorado em Linguística). Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em:

http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/268994/1/Costa_ConsuelodePaivaGodinho_D.pdf

Dooley, Robert (1984). Nasalization in Guaraní. Brasília (DF): Summer Institute of Linguistics, Acervo do CEDAE, IEL – UNICAMP.

Dobson, Rose M. (1997). Gramática prática com exercícios da língua Kayabi. Cuiabá, MT.: Sociedade Internacional de Linguística. Disponível em: https://www.silbrasil.org.br/resources/archives/17087

Dietrich, Wolf (2015). O tronco Tupí e as suas famílias de línguas. Classificação e esboço tipológico. In Volker Noll; Wolf Dietrich (2015). O Português e o Tupí no Brasil, pp. 9-25. São Paulo: Contexto.

Eiró, Jessiléia Guimarães (2001). Contribuição à análise fonológica da língua Tembé. (Dissertação de Mestrado em Linguística) Belém: Universidade Federal do Pará.

Ferguson, Charles A; Hyman, Larry M. & Ohala, John J (eds.) (1975). Nasálfest: Papers from a symposium on nasal and nasalization (Language Universals Project). Stanford, CA: Stanford University.

Gregores, Emma. & Suárez, Jorge A. (1967) A description of colloquial Guaraní (Janua Linguarum, Series Practical 27). The Hague, Paris: Mouton & Co.

Guedes, Marymarcia (1983). Subsídios para uma análise fonológica do Mbyá (Dissertação de Mestrado em Linguística), Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em:

http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270446

Gomes, Ivanise Pimentel (1991). Aspectos fonológicos do Parakanã e morfossintáticos do Awá-Guajá (Tupi) (Dissertação de Mestrado em Linguística). Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco.

González, Hebe Alice (2005). A grammar of Tapiete (Doctor of Philosophy). Pittsburgh. University of Pittsburgh.

http://d-scholarship.pitt.edu/8444/1/HebeGonzalezDissertation.pdf

Harrison, Carl H. & Taylor, John. M. (1971). Nasalization in Kaiwa. In David Bendor-Samuel (ed.). Tupi Studies I (Linguistics and related fields 29), pp. 15-20. Norman, Oklahoma: Summer Institute Linguistics.

Julião, Maria Risolêta Silva (1993). A língua dos índios do Rio Cairari. (Dissertação de Mestrado em Linguística). Belém: Universidade Federal do Pará.

Leite, Yonne Freitas (2003). A nasalidade vocálica em Tapirapé. Letras de hoje 8(34): 49-61. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/article/view/13997

Mello, Antônio Augusto Souza (2000). Estudo histórico da família linguística Tupí-Guaraní – Aspectos fonológicos e lexicais (Tese de Doutorado em Linguística). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Mello, Antônio Augusto Souza (2002). Evidências fonológicas e lexicais para o sub-agrupamento interno Tupí-Guaraní. In Línguas Indígenas Brasileiras: Fonologia, gramática e história. Atas do I Encontro Internacional do Grupo de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL, t. 1, pp. 338-342. Belém: EDUFPA.

Miranda, Camille (2018). Estudo comparativo do fenômeno de nasalização em línguas da família Tupí-Guaraní (Tronco Tupí) (Dissertação de Mestrado em Letras). Belém: Universidade Federal do Pará.

Nascimento, Ana Paula (2008). Estudo fonético e fonológico da língua Guajá. (Dissertação de Mestrado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília.

Ohala, John J. (1981). The listener as a source of sound change. In Carrie Masek; Robert A. Hendrik, and Mary Frances Miller (eds.) Papers from the parasession on language and behavior 17: 178-203. Chicago: Chicago Linguistic Society.

Ohala, John. J (1993). Coarticulation and phonology. Language and Speech 36(2/3):155-170. https://doi.org/10.1177/002383099303600303

Padua, Alexandre Jorge (2007). Contribuições para fonologia da língua Apiaká (Tupí-Guaraní) (Dissertação de Mestrado em Linguística). Brasília: Universidade de Brasília.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna (1984/85). Relações internas na família linguística Tupí-Guaraní. Revista de Antropologia 27/28: 33-53. Disponível em: http://www.etnolinguistica.org/biblio:rodrigues-1985-relacoes.

Acesso em: 08/08/2016.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna (1986). A família Tupí-Guaraní. In Línguas Brasileiras: Para o conhecimento das línguas indígenas, pp. 29-39. São Paulo: Edições Loyola.

Rodrigues, Aryon Dall’Igna; Cabral Ana Suelly Arruda Câmara (2002). Revendo a classificação interna da família Tupí-Guaraní. In Línguas indígenas Brasileiras: Fonologia, gramática e história. Atas do I encontro internacional do grupo de trabalho sobre línguas indígenas da ANPOLL, t. 1, pp. 327-337. Belém: EDUFPA.

Rose, Françoise (2000). Elements de phonétique, phonologie et morphophonologie de l’émérillon (Teko) (Mémoire de D.E.A de Sciences du Langage). Lyon: Université Lumière Lyon II.

http://www.ddl.cnrs.fr/fulltext/Rose/Rose_2000_Phonologie_Emerillon.pdf

Rose, Françoise (2002). Le problème de la nasalité dans l’inventaire phonologique de l’émérillon. Association d’Ethno-linguistique Amérindienne, pp. 147-172. https://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00453556/document

Acesso em: 01 abr. 2017.

Seki, Lucy (2000). Gramática do Kamaiurá: Língua Tupí-Guaraní do Alto Xingu. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Walker, Rachel (1998). Nasalization, neutral segments and opacity effects (Doctor of Philosophy). California: University California, Santa Cruz.

Walker, Rachel. (2000). Nasalization, neutral segments and opacity effects. New York: Garland. Republished by Routledge, New York.

Walker, Rachel (2011). Nasal harmony. In Marc van Oostendorp; Colin J. Ewen; Elizabeth Hume; and Keren Rice (eds.). The Blackwell companion to phonology, vol 3, pp. 1838-1865. Wiley-Blackwell.

doi: https://doi.org/10.1002/9781444335262.wbctp0078

Publicado
2020-04-16
Como Citar
Miranda, C. C., & Picanço, G. L. (2020). O fenômeno de nasalização em línguas Tupí-Guaraní. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 20, e020003. https://doi.org/10.20396/liames.v20i0.8658655