Quantificação e individuação em wa’ikhana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/liames.v21i00.8661280

Palavras-chave:

Wa'ikhana, Distinção massivo/contável, Contagem, Tukano oriental

Resumo

O principal objetivo deste artigo é descrever as propriedades morfossintáticas básicas que permitem distinguir entre nomes massivos e contáveis na língua wa’ikhana (tukano oriental). A discussão, circunscrita ao nível do sintagma nominal, foca em três pontos: o número gramatical, quantificadores e o uso dos numerais como modificadores nominais. Como será mostrado, os nomes massivos se distinguem dos contáveis por não receberem os sufixos de número plural e não ocorrerem em construções com os numerais. Por outro lado, os massivos podem ser individuados e receber uma leitura contável ao se combinar com um sufixo classificador ou com o sufixo -do ‘3npl’. A distribuição dos quantificadores divide os nomes inanimados em 1) os contáveis e os massivos que denotam objetos e 2) os massivos que denotam substâncias granuladas e líquidas. Além da discussão acerca dos nomes contáveis e massivos, o artigo traz uma descrição do sistema numeral do wa’ikhana, abordando sua extensão, o grau da sua convencionalização e a interação entre os numerais e o número gramatical.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kristina Balykova, Universidade Federal do Rio de Janeiro

 Mestre em Linguística (UFRJ), doutorado em andamento em Linguística. University of Texas at Austin, UT Austin, USA.

Referências

Balykova, Kristina (2019). What do oranges and hammers have in common? The classifier ‘round’ in Wa’ikhana and other East Tukano languages. LIAMES. Línguas Indígenas Americanas 19: 1-24, e019013. https://doi.org/10.20396/liames.v19i0.8655262

Barnes, Janet; Malone, Terrell (2000). El Tuyuca. In M. S. G. de Pérez e M. L. R. de Montes (eds.), Lenguas de Colombia: Una visión descriptiva, pp. 437-452. Bogotá: Instituto Caro y Cuervo.

Chierchia, Gennaro (2009). Mass nouns, vagueness and semantic variation. Synthese 174: 99-149.

De Pérez, María Stella González (2000). Bases para el estudio de la lengua Pisamira. In M. S. G. de Pérez and M. L. R. de Montes (eds.), Lenguas de Colombia: Una visión descriptiva, pp. 373-393. Bogotá: Instituto Caro y Cuervo.

Erbaugh, Mary S. (2006). Chinese classifiers: Their use and acquisition. In Ping Li, Li Hai Tan, Eliz-abeth Bates, e Ovid J.L. Tzeng (eds.), Handbook of East Asian Psycholinguistics: Chinese, pp. 39-51. Cambridge: Cambridge University Press.

Gomez-Imbert, Elsa (1982). De la forme et du sense dans la classification nominale en Tatuyo (Langue Tukano Orientale d’Amazonie Colombienne) (Tese de doutorado em linguística). Paris: Université Sorbonne – Paris IV.

Gomez-Imbert, Elsa (2007). Nominal classification in Tukanoan languages. In: W. L. Wetzels (ed.), Language endangerment and endangered languages: Linguistic and anthropological studies with special emphasis on the languages and cultures of the Andean-Amazonian border area, pp. 401-428, Leiden: Leiden University.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censo demográfico 2010. Características gerais dos indígenas. Resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE.

Jackendoff, Ray (1991). Parts and boundaries. Cognition 41(1-3): 9-45.

Jones, Wendell; Jones, Paula (1991). Barasano syntax: Studies in the languages of Colombia 2. Dallas: The Summer Institute of Linguistics and The University of Texas at Arlington.

Kinch, Rodney; Kinch, Pamela (2000). El Yurutí. In M. S. G. de Pérez and M. L. R. de Montes (eds.), Lenguas de Colombia: Una visión descriptiva, pp. 469-487. Bogotá: Instituto Caro y Cuervo.

Lima, Suzi; Rothstein, Susan (2020). A typology of the mass/count distinction in Brazil and its rele-vance for mass/count theories. Linguistic Variation 20(2): 174-218. https://doi.org/10.1075/lv.00015.lim

Metzger, Ronald G. (2000). Marĩ yaye mena carapana, yaia yaye mena español macãrĩcã tuti (carapana – español, diccionario de 1000 palabras). Santafé de Bogotá: Editorial Buena Semilla.

Ramirez, Henri (1997). A fala Tukano dos Ye’pâ-Masa. Tomo 1. Gramática. Manaus: Inspetoria Salesiana Missionária da Amazônia, CEDEM.

Silva, Wilson de Lima (2012). A descriptive grammar of Desano (Tese de doutorado em linguística). Salt Lake City: University of Utah. https://collections.lib.utah.edu/ark:/87278/s6s5016g

Smothermon, Jeffrey R.; Smothermon, Josephine H.; Frank, Paul S. (1995). Bosquejo del Macuna. Santafé de Bogotá: Associación Instituto Lingüístico de Verano.

Stenzel, Kristine (2013). A reference grammar of Kotiria (Wanano). Lincoln: University of Nebraska Press.

Waltz, Carolyn H.; Waltz Nathan E. (2015). Una gramática pedagógica del Piratapuyo. https://www.sil.org/resources/archives/63416

Waltz, Nathan E. (2012). Diccionario bilingüe: Piratapuyo – Español, Español – Piratapuyo. https://www.sil.org/resources/archives/51925

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Balykova, K. (2021). Quantificação e individuação em wa’ikhana. LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 21(00), e021003. https://doi.org/10.20396/liames.v21i00.8661280