Alguns apontamentos para uma história da HIL na França e no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v0i44.8657785

Palavras-chave:

História das ideias linguísticas, Institucionalização, Disciplinarização.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar algumas considerações sobre o processo de institucionalização e disciplinarização no Brasil e na França da História das Ideias Linguísticas (HIL), notadamente daquela que se desenvolve a partir da articulação com a Análise de Discurso de origem francesa (AD). Para tanto, buscar-se-á responder a três perguntas norteadoras: 1) em que consiste a articulação entre HIL e AD?; 2) como se constitui a relação entre o lugar do analista de discurso e o do historiador das ideias linguísticas; e 3) qual a diferença entre História das Ideias Linguísticas e Historiografia Linguística?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís de Araujo da Costa, Universidade Federal Fluminense

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal Fluminense.

 

Referências

ALTMAN, C. (2012). “História, estórias e Historiografia da linguística brasileira”. In: Todas as Letras, v.14, n.1, p.14-37.

AUROUX, S. (2009). A revolução tecnológica da gramatização (1992). Trad. Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Editora da UNICAMP. 2ª. ed.

AUROUX, S. (1988). "Pour une histoire des idées linguistiques". In: Revue de Synthese: IV' S. n.3-4, p.429-441.

BALDINI, L. et. al. (2018). “História das ideias linguísticas e análise do discurso: o corte epistemológico”. In: Fragmentum n.52. Santa Maria: Editora Programa de Pós-Graduação em Letras, UFSM, p.15-33.

COLOMBAT, B.; FOURNIER, J.M et PUECH, C. (2010). Histoire des idées sur le langage et les langues. Paris: Kliincksieck.

FERREIRA, A. C. F. (2018). “A Análise de Discurso e a constituição de uma História das Ideias Linguísticas do Brasil”. In: Fragmentum n.Especial. Santa Maria: Editora Programa de Pós-Graduação em Letras, UFSM, p.17-47.

HENRY, P. (2010). “A História não Existe?”. In: Gestos de Leitura: da História no Discurso. Campinas: Editora da Unicamp, p.23-48.

HORTA NUNES, J. (2008). “Uma articulação da análise de discurso com a história das ideias linguísticas”. In: SCHERER, Amanda E.;

PETRI, V. (Orgs.). Língua, Sujeito e História. v.18. n.37. Santa Maria, UFSM: Programa de pós-graduação em Letras, p.107-133.

KOERNER, K. (1978). “Four types of history writing in linguistics”. In: Toward a historiography of linguistics selected essays. Amsterdam: Jonh Benjamins B.V., p.55-69.

KOERNER, K. (1996). “Questões que persistem em historiografia linguística”. In: Revista Anpoll, n.2, p.45-70.

KOERNER, K. (2014). “História da linguística”. In: Revista Confluência. n.46. Rio de Janeiro, p.9-22.

KUHN, T. (1983). La strutucture des révolutions scientifiques (19621970). Paris: Flammarion.

MARIANI, B. (1998). O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas, SP: UNICAMP.

MITTMANN, S. (2010). “Heterogeneidade constitutiva, contradição histórica e sintaxe”. In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo, v.6, n.1, p.85-101.

ORLANDI, E. (2003). “Vão surgindo sentidos”. In: Discurso Fundador. Campinas, SP: Pontes. 3ª ed.

ORLANDI, E (org.). (2001). História das idéias linguísticas: Construção do saber metalinguístico e a constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes e Cáceres, MT: Unemat Editora.


ORLANDI, E. (2005). “A Análise de Discurso em suas diferentes tradições intelectuais: O Brasil”. In: I Seminário de Estudos em Análise do Discurso (SEAD). Porto Alegre, Anais. Porto Alegre: UFRGS. Disponível em: http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/1SEAD/Confere ncias/EniOrlandi.pdf. Acesso em: 20 de junho de 2015.

ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E. (1996). Língua e cidadania: O português no Brasil. Campinas, SP: Pontes.

ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E. (2002). Institucionalização dos estudos da linguagem: a disciplinarização das ideias linguísticas. Campinas, SP: Pontes.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. (2010). “A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975)”. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da UNICAMP, p.163-252.

PÊCHEUX, M. (2006). Discurso: estrutura e acontecimento. Campinas, SP: Pontes.

PUECH, C. (Org.). (2006). “Histoire des idées linguistiques et Horizons de rétrospection". Vol.1. In: Histoire Epistémologie Langage, t.XXVIII 1. SCHERER, A.E.; SOUSA, L.M.A.; MEDEIROS, V.; PETRI, V. (2014). “O lugar dos estudos franceses na constituição de uma memória da Análise de Discurso no Brasil”. In: Letras, Santa Maria, v.24, n.48, p.13-28.

SWIGGERS, P. (1998). “Filologia E Lingüística: enlace, divórcio, reconciliação”. In: Filologia e Lingüística Portuguesa, n.2, p.5-18.

SWIGGERS, P. (1996). “Jean‑François Thurot”. In: STAMMERJOHANN, H. (Ed.). Lexicon grammaticorum: Who’s who in the history of world linguistics. Tübingen: Max Niemeyer Verlag, p.918‑919.

SWIGGERS, P. (2010). “História e historiografia da linguística: status, modelos e classificações”. In: Revista Eutomia, Ano III, v. 2.

ZOPPI-FONTANA, M. G.; DINIZ, L. (2008). “Declinando a língua pelas injunções do mercado: institucionalização do português língua estrangeira (PLE)”. In: Estudos Lingüísticos, São Paulo, 37 (3), p.89119.

ZOPPI-FONTANA, G. (2013). “Presentación: Análisis del discurso en Brasil: teoría y práctica”. In: Signo y Seña, n. 24, p.3-9.

Downloads

Publicado

2019-12-09

Como Citar

COSTA, T. de A. da. Alguns apontamentos para uma história da HIL na França e no Brasil. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 44, p. 9–34, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i44.8657785. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8657785. Acesso em: 28 out. 2021.

Edição

Seção

Artigo