Instrumentos linguísticos e discursos de disponibilização de/em instrumentos digitais de aprendizagem

  • Cidarley Grecco Fernandes Coelho Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Instrumentos linguísticos, História das ideias linguísticas, Instrumentos digitais de aprendizagem.

Resumo

Pela História das Ideias Linguísticas, este trabalho faz uma análise da relação entre tecnologia e ensino, a partir de um fragmentário de saberes, com sua historicidade sobre a língua, disponíveis em rede digital. Levando em conta que Estado, instituições e saberes se apresentam na divisão dos sentidos, na tensão entre o dito e o não dito, considerando a contradição e o político – a análise busca a opacidade nos discursos de disponibilização de conteúdos educacionais em redes digitais. A análise possibilita refletir sobre o caráter material e o processo de significação dos instrumentos linguísticos pela sua historicidade, como objetos históricos e discursivos – e na sociedade contemporânea significada pelo digital. Compreender os processos de significação desses instrumentos, em sua dispersão, é o objetivo. Além disso, também se e como a materialidade digital passa a (re)significar esses objetos enquanto instrumentos que constituem os saberes linguísticos relacionados ao ensino da língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cidarley Grecco Fernandes Coelho, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda e Mestra em Linguística pela Unicamp.

 

Referências

AUROUX, S. (1992). A Revolução Tecnológica da Gramatização. Campinas: Editora da Unicamp.

BRANCO, P. de M. (2008). Dicionário de Mineralogia e Gemologia. São Paulo: Oficina de Textos.

CASSIN, B. (2008). Googléame: la segunda misión de los Estados Unidos. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica: Biblioteca Nacional.

COELHO, C. G. F. (2016). Discursos sobre a leitura no Brasil: dos documentos oficiais e do livro (no)digital. Campinas: [s.n.]. Dissertação de Mestrado em Linguística – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem.

DIAS, C. (2004). A Discursividade da Rede (de sentidos): a sala de bate-papo hiv. Campinas: [s.n.]. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem.

DIAS, C. (2014). “O Ensino, a Leitura e a Escrita: sobre conectividade e mobilidade”. In: Entremeios. v.9, jul/2014. Disponível em: http://www.entremeios.inf.br/published/198.pdf. Acesso em jan. 2018.

DIAS, C. (2016). “‘Não é só a morte que nivela’: o discurso da cultura digital”. In: ORLANDI, E.; MASSMANN, D. (Orgs.). Cultura e Diversidade. Trilogia Travessia da Diversidade. v.1. Campinas: Pontes Editores.

DIAS, C. (2018). Análise do Discurso Digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes Editores. FERREIRA, A. C. F. (2009). A Linguística entre os nomes da linguagem: uma reflexão na História das Ideias Linguísticas no Brasil. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

DIAS, C. (2015). “O papel e o poder fundador da linguagem na reflexão sobre conhecimento e tecnologia”. In: Entremeios, Seção Estudos, Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem (PPGCL), Universidade do Vale do Sapucaí, Pouso Alegre (MG), v.11, p.75-98.

GUIMARÃES, E. (2002). Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes.

GUIMARÃES, E. (2011). Análise de Texto: procedimentos, análises, ensino. Campinas: Editora RG.

GUIMARÃES, E; MOLLICA, M.C. (Orgs.). (2007). A palavra: forma e sentido. Campinas: Pontes Editores, RG Editores.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. (1996). Língua e cidadania: o português no Brasil. Campinas: Pontes.

GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. (Orgs.). (2002). Institucionalização dos Estudos da Linguagem: a disciplinarização das Ideias Linguísticas. Campinas: Pontes.

GUIMARÃES, E. (2013). “Autoridade da Informação”. In: Revista Línguas e Instrumentos Linguísticos. Editora RG. v.31. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/edicao31/artigo1.pdf. Acesso em dez. 2018.

MARIANI, B. (2004). Colonização Linguística: línguas, política e religião no Brasil (séculos XVI a XVIII) e nos Estados Unidos da América (século XVIII). Campinas: Pontes.

NUNES, J. H. (1996). “Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade”. In: ORLANDI, E. A leitura e os leitores. Campinas: Pontes.

NUNES, J. H.. (2006). Dicionários no Brasil. Análise e História do Século XVI ao XIX. Campinas: Pontes; São Paulo: Fapesp.

NUNES, J. H.. (2008). “O Discurso Documental na História das Ideias Linguísticas e o Caso dos Dicionários”. In: Alfa: São Paulo, 52(1), p.81-100.

NUNES, J. H.. (2002). “Dicionarização no Brasil: condições e processos”. In: NUNES, J. H.; PETTER M.. (Org.). História do Saber Lexical e Constituição de um Léxico Brasileiro. São Paulo/Campinas: Humanistas/Pontes, p.99-119.

ORLANDI, E. (1984). “Segmentar ou recortar?”. Série Estudos. In: Linguística: questões e controvérsias, n.10. Uberada: Fiube.

ORLANDI, E. (1990). Terra à vista. Discurso do confronto: velho e novo mundo. Campinas, Cortez Editora/Editora da Unicamp.

ORLANDI, E. (Org.). (2001). História das Ideias Linguísticas: Construção do Saber Metalinguístico e Constituição da Língua Nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat.


ORLANDI, E. (2002). Língua e Conhecimento Linguístico. A Gramática, o Estado, a Autoria. Campinas: Cortez Editora.


ORLANDI, E. (2006). “Análise de Discurso”. In: LAGAZZI, S.; ORLANDI, E. (Orgs.). Discurso e Textualidade. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. (2007a). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. São Paulo: Pontes Editores.

ORLANDI, E. (2007b). As formas do silêncio. Nos movimentos do sentido. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

ORLANDI, E. (1983). “A escola e suas mediações: como se usa o material didático”. In: Educação & Sociedade. [Revista Quadrimestral de Ciências da Educação]. v.16.


ORLANDI, E.. (2008). Discurso e Texto. 3.ed. Campinas: Pontes.


ORLANDI, E. (2012). Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes.


ORLANDI, E. (2015). “Linguagem, Conhecimento e Informação”. Conferência proferida no evento Cidade Conectada: Discurso, interação e mobilidade. VIII Encontro Saber Urbano e Linguagem. Labeurb/Unicamp: Campinas.

O’REILLY, T. (2005). What Is Web 2.0: design patterns and business models for the next generation of software. Disponível em: https://goo.gl/9rTM45. Acesso em jan. 2018.

PFEIFFER, C. C. (1995). Que Autor é este?. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

PFEIFFER, C. C. (2000). Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. Tese de doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PFEIFFER, C. C. (2011). “Língua, ensino e políticas públicas”. In: Conforte, A.; Valente, A. C. (Orgs.). Saber a Língua, Saber da Língua. Rio de Janeiro: UERJ, v.1, p.97-109.

PFEIFFER, C. C. (2005). “O saber escolarizado como espaço de institucionalização da língua”. In: Sentido e Memória. GUIMARÃES, E.; BRUM-DE-PAULA, M. R. (Org.). Campinas: Pontes Editores.

PFEIFFER, C. C. (2007). “A Linguística nas Associações: um recorte discursivo de sua institucionalização. Uma questão de política linguística”. In: ORLANDI, E. (Org.). Política Linguística no Brasil. Campinas: Pontes Editores, v.1, p.19-34.

PÊCHEUX, M. (1990). “Análise Automática do Discurso (AAD-69)”. In: GADET, F. & HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad.: Bethânia Mariani [et al]. Campinas: Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1999). “Papel da memória”. In: ACHARD, P. et al. (Org.). Papel da memória. Trad. e Intro.: José Horta Nunes. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (1995). Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Trad.: Eni Pulcinelli Orlandi [et al.]. Campinas: Editora da Unicamp. SILVA, M. V. (1998). História da Alfabetização no Brasil: a constituição de sentidos e do sujeito da escolarização. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.
Publicado
2019-12-09
Como Citar
Coelho, C. G. F. (2019). Instrumentos linguísticos e discursos de disponibilização de/em instrumentos digitais de aprendizagem. Línguas E Instrumentos Línguísticos, (44), 78-111. https://doi.org/10.20396/lil.v44i0.8657791
Seção
Artigo