Algoritmizar a língua?

automatização, informatização, materialismo discursiva

Palavras-chave: Análise automática do discurso, História da análise de discurso, Materialismo discursivo.

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender o funcionamento das dificuldades e dos obstáculos decorrentes dos procedimentos automáticos no desenvolvimento da teoria discursiva. Para esta tarefa, o material de análise é composto pelos textos analíticos resultados do projeto da Análise Automática do Discurso (AAD). A pesquisa toma o prisma de investigação da História das Ideias Linguísticas na relação com os princípios da Análise de Discurso, buscando o funcionamento discursivo do material em sua relação com os processos políticoideológicos nas suas formas institucionais, disciplinares e textuais. Na releitura do arquivo disciplinar, cotejando com algumas notas, relatos e contextualizações, são descritos aspectos menos conhecidos sobre a história da AAD, mostrando a força do que é designado neste artigo como um “materialismo discursivo” desenvolvido também pelo seu encontro com a automatização/informatização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Adorno, Universidade Estadual de Campinas

Professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação e em Ciências da Linguagem da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás).

         

Referências

ADORNO DE OLIVEIRA, G. (2015). Discursos sobre o eu na composição autoral dos vlogs. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

ADORNO, Guilherme. (2017). Sujeito, autoria e as materialidades significantes. In: ADORNO, G; JESUS, F. T. Análise de Discurso. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., p. 83-122.

BARBOSA FILHO, F. R. (2016). Língua, arquivo, acontecimento: trabalho de rua e revolta negra na Salvador oitocentista. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

BONNAFOUS, S. (1983). Processus discursifs et structures lexicales: le congrès de Metz (1979) du Parti socialiste. In : Langages, v. 71.

CHISS, J.-L.; PUECH, C. (1999). Le langage et ses disciplines. Paris, Bruxelles: Duculot.

COURTINE, J.-J. (2006). Metamorfoses do discurso político: as derivas da fala pública. São Carlos: Claraluz.

COURTINE, J.-J. (2009). Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar.

FERREIRA, A. C. F. (2013). Uma história da lingüística: entre os nomes dos estudos da linguagem. Campinas: RG Editores.

HENRY, P. (2010). Os fundamentos teóricos da análise automática do discurso de Michael Pêcheux (1969). IN: HAK, T.; GADET, F. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução a obra de Michael Pêcheux. 4 ed. Campinas: Editora da Unicamp.

HENRY, P.; ADORNO, G. (2019). Entrevista com Paul Henry: “Nunca conseguimos encontrar nosso lugar nessas instituições”. In: ADORNO, G. et al. (Orgs.). Encontros na Análise de Discurso: efeitos de sentidos entre continentes. Campinas: Editora da Unicamp, p. 205-244.

LAGAZZI-RODRIGUES, S. (2002) A Língua Portuguesa no processo de institucionalização da lingüística. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. (Orgs.) Institucionalização dos Estudos da Linguagem: a disciplinarização das idéias lingüísticas. Campinas: Pontes, p. 13-22.

LAGAZZI-RODRIGUES, S. (2007). O Político na Lingüística: Processos de representação, legitimação e Institucionalização. In: ORLANDI, E. (Org.). Política Lingüística no Brasil. Campinas: Pontes, p. 11-18.

LECOURT, D. (1980). Para uma crítica da epistemologia. 2 ed. Lisboa: Assírio e Alvim.

LEON, J. (2010). AAD69 : archéologie d’une étrange machine. In : Semen [Online], n 29, 2010. Disponível em http://semen.revues.org/8823 , acesso em 29 set 2015.

LEON, J. (2015). Histoire de l'automatisation des sciences du langage. Lyon : ENS Éditions.

LIMA, M. E. A. T. (1990). A construção discursiva do povo brasileiro: os discursos de Primeiro de Maio de Getúlio Cargas. Campinas: Editora Unicamp.

MALDIDIER, D. (2003). A inquietação do discurso: (re)ler Michel Pêcheux hoje. Campinas: Pontes.

MAINGUENEAU, Dominique (1976). Initiation aux méthodes de l’analyse du discours: problèmes et perspectives. Paris: Hachette.

MAINGUENEAU, Dominique. L’Analyse du Discours. (1997). Paris: Hachette, 2 ed.

MARANDIN, J.-M. (1979). Problèmes d’analyse du discours: essai de description du discours français sur la Chine. Langages, 55.

MAZIÈRE, F. (2007). A Análise de Discurso: história e práticas. São Paulo: Parábola, 2007. ORLANDI, E. (Org.). (2001). História das ideias linguísticas: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres: Unemat Editora, 2001.
ORLANDI, E.; GUIMARÃES, E. (Orgs.). (2002). Institucionalização dos Estudos da Linguagem: a disciplinarização das idéias lingüísticas. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. (Org.). (2007). Política Lingüística no Brasil. Campinas: Pontes. PÊCHEUX, M. (1969). Analyse automatique du discours. Paris: Dunod.

ORLANDI, E. (1974). Sur l’AAD. In : OPPEL, Y. Colloque sur L’Analyse du Discours : Divergences e Convergences. Neuchâtel : Université de Neuchâtel, p. 9-12.

ORLANDI, E. (1975). Les vérités de la palice. Paris: Maspero.

ORLANDI, E. (1976). Hacias el Análisis Automático del Discurso. Madrid: Editorial Gredos.

ORLANDI, E. (2010). A análise de discurso: três épocas. In: GADET, F. HAK, T. (Orgs.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, p. 307-315.

ORLANDI, E. (2011). Análise de Discurso e Informática. In : PÊCHEUX, Michel. Análise de discurso: textos ecolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes, p. 275-282.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. (1975). Mises au point et perspectives à propos de l’analyse automatique du discours. In: Langages, n. 37, 1975.

PÊCHEUX, M. ; LÉON, J. ; BONNAFOUS, S. ; MARANDIN, J.-M. (1982). Présentation de L’Analyse Automatique du Discours (AAD69). In : MOTS, p. 95-123.

PÊCHEUX, M.; GAYOT, G.; (1971). “Recherches sur le discours illuministe au XVIIIe siècle : Louis-Claude de Saint-Martin et les « circonstances »”. In: Annales. Économies, Sociétés, Civilisations. 26e année, n. 3-4, p. 681-704.

PÊCHEUX, M.; WESSELIUS, J. (1977). A Respeito do Movimento Estudantil e das Lutas da Classe Operária: 3 Organizações Estudantis em 1968. In: ROBIN, Régine. História e Lingüística. São Paulo: Cultrix.

PÊCHEUX, M.; HAROCHE, C.; HENRY, P.; POITOU, J.-P. (1979). Un exemple d’ambiguïté idéologique: le rapport Mansholt. Technologies, Idéologies, Pratiques, 2, p. 1-83.

PFEIFFER, C. R. C. (2014). Percursos de institucionalização da Língua Portuguesa e de um saber sobre ela: conhecimento linguístico, Estado, sociedade. In: Bressanin, J. A.; Zattar, N.; Karim, T. M.; Renzo, A. M. Di. (Org.). Linguagem e Interpretação: a institucionalização dos dizeres na história. 1ed.Campinas: RG Editora, v. 1, p. 87-102

ROBIN, R.; ADORNO, G. Entrevista com Régine Robin: “Uma crítica da História, uma vontade de saber como os linguistas que se interessam pelo discurso trabalham”. In: ADORNO, G. et al. (Orgs.). Encontros na Análise de Discurso: efeitos de sentidos entre continentes. Campinas: Editora da Unicamp, p.139-159.

SCHERER, A. E.; ROMAO, L. M. S.; Medeiros, V; SILVEIRA, V. F. P. (2014). O lugar dos estudos franceses na constituição de uma memória da Análise de Discurso no Brasil. Letras (UFSM), v. 48, p. 13-28.
Publicado
2019-12-09
Como Citar
Adorno, G. (2019). Algoritmizar a língua? . Línguas E Instrumentos Línguísticos, (44), 174-197. https://doi.org/10.20396/lil.v44i0.8657798
Seção
Dossiê