O sentido da automatização na análise de discurso

sobre a maquinaria dos sentidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v0i44.8657800

Palavras-chave:

Automatização, Arquivo, Leitura, Discurso Digital.

Resumo

O presente artigo discute os sentidos de automatização nos trabalhos da análise de discurso desenvolvidos pelo grupo de Michel Pêcheux na França ao longo da segunda metade do século XX. Destaca-se aqui principalmente o modo como esses sentidos afetavam as concepções de leitura e arquivo dos trabalhos. Ao final, questionase como a análise de discurso pode questionar a automatização hoje quando se propõe investigar o discurso digital e o modo como aí se relacionam leitura e arquivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Dias, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisaora do Labjor da UNICAMP.

     

Referências

AUREL, D. (1965). La cybernétique et l’humain. Paris: Gallimard. AUROUX, S. (2000). Histoire des idées linguistiques. Tome 3: L’hégémonie du comparatisme. Paris: Mardaga.

BRETON, P. (1991). História da informática. Trad. Elcio Fernandes. São Paulo. Editora Unesp.

CAMARA JR., M. (1961). “Do tradutor ao leitor”. In: SAPIR, E. Linguística como ciência. Trad. Mattoso Câmara Jr. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica.

DIAS, C. (2018). Análise do discurso digital: sujeito, espaço, memória e arquivo. Campinas: Pontes, DIAS, C.. (2012). “Movimento da cibernética, saberes linguísticos e constituição do sujeito”. In: FERNANDES, A. C.; MARTINS, R. (orgs.). Linguagem e tecnologia. Campinas: Editora RG, p. 11-23.

DIAS, C. (2005). “Arquivos digitais: da des-ordem narrativa à rede de sentidos”. In: GUIMARAES, E.; BRUM DE PAULA, M. (orgs.). Sentido e Memória. Campinas: Pontes, p. 41-56.

BACH, E. (1979). “A lingüística estrutural e a filosofia da ciência”. In: Novas perspectivas linguísticas. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

GUILHAUMOU, J. (2009). Linguística e história: percursos analíticos de acontecimentos discursivos. São Carlos: Pedro & João Editores. DUPUY, J-P. (1996). Nas origens das ciências cognitivas. Trad. Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Unesp.

GUILHAUMOU, J.; MALDIDIER, D. (2016). “Efeitos de arquivo”. In: GUILHAUMOU, J. et. al. Discurso e arquivo: experimentações em análise do discurso. Trad. Carolina Fedatto; Paula Chiaretti. Campinas: Editora da Unicamp, p. 115-140.

GUILHAUMOU, J. (2016). “Breve crítica para uma longa história”. In: GUILHAUMOU, J. et. al. Discurso e arquivo: experimentações em análise do discurso. Trad. Carolina Fedatto; Paula Chiaretti. Campinas: Editora da Unicamp, p. 95-114.

GUILHAUMOU, J. “Novos gestos de leitura ou o ponto de vista da Análise de Discurso sobre o sentido”. In: GUILHAUMOU, J. et. al. Discurso e arquivo: experimentações em análise do discurso. Trad. Carolina Fedatto; Paula Chiaretti. Campinas: Editora da Unicamp, p. 235-246.

HENRY, P. (2014). “Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969)”. In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania Mariani et. al. Campinas: Editora da Unicamp, 5ª ed.

HERBERT, T. (2011). “Reflexões sobre a situação teórica das ciências sociais e, especialmente, da psicologia social”. Trad. Mariza Vieira da Silva e Laura Parisi. In: ORLANDI, E. (org.) Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. Campinas: Pontes, p. 21-54.

JAKOBSON, R. (2007). Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix.

LEON, J. (2015). Histoire de l’automatisation des sciences du langage. Lyon: ENS Editions.

MALDIDIER, D. (2003). A inquietação do discurso: (re)ler Michel Pêcheux hoje. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. (1998). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 2ª ed.

ORLANDI, E. (2012). Discurso em análise. Campinas: Pontes.

PAVEAU, M-A; SARFATI, G-E. (2006). As grandes teorias da linguística: da gramática comparada à pragmática. Trad. Rosário Gregolin et. al. São Carlos: Claraluz.

PAVEAU, M-A. (2017). L’analyse du discours numérique: diccionnaire des formes et de pratiques. Paris: Hermann Éditeurs.

PÊCHEUX, M. (1997). “Ler o arquivo hoje”. In: ORLANDI, E. (org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2ª ed.

PÊCHEUX, M.; GADET, F. (2004). A língua inatingível: o discurso na história da Linguística. Trad. Bethania Mariani et. al. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (2011). “Foi “propaganda” mesmo que você disse? Trad. Eni Puccinelli Orlandi. In: ORLANDI, E. (org.) Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. Campinas: Pontes, p. 73-92.

PÊCHEUX, M. (2011). “Leitura e memória: projeto de pesquisa”. Trad. Tânia Clemente de Souza. In: ORLANDI, E. (org.) Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. Campinas: Pontes, p. 141-150.

PÊCHEUX, M.; LÉON, J. (2011). “Análise sintática e paráfrase discursiva”. Trad. Claudia Pfeiffer. In: ORLANDI, E. (org.) Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. Campinas: Pontes, p. 163-173.

PÊCHEUX, M. (2011). “Análise de Discurso e informática”. Trad. Cristiane Dias. In: ORLANDI, E. (org.) Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados. Campinas: Pontes, p. 275-282.

PÊCHEUX, M. et al. (2014). “Apresentação da análise automática do discurso (1982)”. In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethania Mariani et. al. Campinas: Editora da Unicamp, 5ª ed., p. 251-279.

PÊCHEUX, M. (2016). “Abertura do colóquio”. In: CONEIN, B. et. al. (orgs.) Materialidades discursivas. Campinas: Editora da Unicamp, p. 23-29.

ROBIN, R. (2016). A memória saturada. Trad. Cristiane Dias; Greciely Costa. Campinas: Pontes.

SEGAL, J. (2003). Le zéro et le un. Histoire de la notion scientifique d’information au 20e siècle. Paris: Editions Syllepse.

WIENER, N. (1965). Cibernética e sociedade: o uso humano de seres humanos. Trad. José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2ª ed. ZUAZO, N. (2018). Los dueños de internet. Buenos Aires: Debate.

Downloads

Publicado

2019-12-06

Como Citar

DIAS, C. O sentido da automatização na análise de discurso : sobre a maquinaria dos sentidos . Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, n. 44, p. 198–221, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i44.8657800. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8657800. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê