Análise de discurso

um percurso de leitura e de gestos de interpretação

Autores

  • Mariza Vieira da Silva Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v0i44.8657816

Palavras-chave:

Análise de discurso, Texto, Linguagens.

Resumo

Pensar e compreender o discurso pedagógico no processo histórico e político mais amplo da escolarização do português no Brasil, em diferentes conjunturas, em que uma memória histórica estruturada pela escravidão continua funcionando, tem sido nosso objeto de estudo. Neste artigo, visamos analisar duas noções – “texto” e “linguagens”-, introduzidas nos anos 1960/1970 nas práticas escolares, através de políticas públicas e de sua didatização, sob a ideologia da comunicação, marcadas pela dominância do tecnicismo, do pragmatismo e do funcionalismo, sustentados, por sua vez, pelo empiricismo, pelo positivismo, na instrumentalização da(s) língua(s) do Brasil, pressupostos em certas teorias. Objetivamos, neste percurso, fazer uma leitura discursiva, da perspectiva materialista, das formas de subjetivação em seus desdobramentos, que indique caminhos a serem explorados se queremos construir a sempre adiada escola republicana de qualidade como direito de todos os brasileiros em que o ensino do português como língua nacional não silencie a diversidade individual e coletiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariza Vieira da Silva, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Linguística: Análise de Discurso pela Universidade Estadual de Campinas.

         

Referências

AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp.

BRASIL. (2017). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base – Educação fundamental. Brasília: MEC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf Acesso em 04/07/2017.

BRASIL. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF. BRASIL. (1971). Lei nº 5.692. Brasília: DOU. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/internet/legislação/legin.html/textos/visual izarTextohtml. Acesso em 26/12/2009.

CEREJA, W.; VIANNA, C. D. (2018). Português: Linguagens 6º ano. São Paulo: Atual, 9ª ed.

CERTEAU, M. de. (2006). A escrita da história. Trad. Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

CRUZ, A. (2018). Os livros que devoraram meu pai: a estranha e magia história de Vivaldo Bonfim. Alfragide: Editorial Caminho, AS, 11ª ed.

FERNANDES, F. (1975). A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociologia. Rio de Janeiro, Zahar Editores.

FRIGOTTO, G. (2018). “Educação democrática, sem medo e sem mordaça: entrevista”. In: Desidades, n. 21, ano 6, out-dez, p. 94-110.

LECOURT, D. (1978). Pour une critique de l’épistémologie – Bachelard, Canguilhem, Foucault. Paris : Maspero.

LISPECTOR, C. (1986). Paixão segundo GH. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

NÓBREGA, M. da. (1549-1560) Cartas do Brasil. Cartas Jesuíticas 1 - Coleção Reconquista do Brasil (2ª série). Vol. 147. Belo Horizonte: Edit.Itatiaia e São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

ORLANDI, E. P. (1988). “Nem escritor, nem sujeito, apenas autor”. In: ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez; Campinas: Editora da Unicamp, p. 75-84.

ORLANDI, E. P. (1998). “Ética e política linguística”. In: Línguas e instrumentos linguísticos, n. 1. jan./jun. Campinas: Pontes, p. 7-16.

ORLANDI, E. P. (2001). Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2004). “História das ideias X história de vida – Entrevista com Eni Orlandi”. In: Fragmentum, n. 7. UFSM: Santa Maria.

PÊCHEUX, M. (1988). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi et al. Campinas: Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1990). “Análise automática do discurso (AAD-69)”. In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. Bethânia Mariani et al. Campinas: Editora da Unicamp, p. 61-162.

PÊCHEUX, M. (1990a). O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Editora Pontes.

PÊCHEUX, M. (1990a). “Delimitações, inversões, deslocamento”. Trad. José Horta Nunes. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, n. 19, jul./dez. 724. Campinas: IEL/Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1998). “Sobre a (des)construção das teorias linguísticas”. Trad. Celene M. Cruz; Clémence Joüe-Pastré. In: Línguas e Instrumentos Linguísticos, n. 2. Campinas: Pontes, p.07-32.

PÊCHEUX, M.; GADET, F. (1998). “Há uma via para a linguística fora do logicismo e do sociologismo?” In: Escritos: discurso e política, n. 3. Campinas: Nudecri/Labeurb, p. 5-16.

PÊCHEUX, M. (2011). “A língua inatingível”. Trad. Sérgio A. Freire de Souza. In: ORLANDI, E. (org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Editora Pontes, p. 93-106.

PÊCHEUX, M. (2011). “Sobre os contextos epistemológicos da análise de discurso”. Trad. Eni P. Orlandi. In: ORLANDI, E. P. (org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Editora Pontes, p.283-294.

RATIO STUDIORUM (1997). Édition bilingue latin-français. Trad. Léone Albrieux et Dolorès Pralon-Julia. Annotée et commentée par Marie-Madeleine Compère. Paris: Belin.

PFEIFFER, C. C. e SILVA, M. V. da. (2014). “Estado, Ciência, Sociedade. Por entre línguas e teorias”. In: Revista Letras: sujeito, língua, memória, n. 48. Santa Maria: UFSM.

SAUSSURE, F. de. (1974). Curso de linguística geral – organizado por Charles Bally & Scherehaye, Albert. Trad. Antonio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix.

SCHWARCZ, L. M.; GOMES, F. (Orgs.). (2018). Dicionário da escravidão e liberdade – 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, M. V. da. (2002). “Colégios do Brasil: Caraça. 87-99”. In: ORLANDI, E. P.; GUIMARÃES, E. (Orgs.). Institucionalização dos estudos da linguagem: a disciplinarização das ideias linguísticas. Campinas: Pontes, p. 87-99.

SILVA, M. V. (2007). “A escolarização da língua nacional”. In: ORLANDI, E. P. (Org.) Política linguística no Brasil. Campinas: Pontes, p. 141-161.

SILVA, M. V. (2012). “Le mouvement et les déplacements de la disciplinarisation des savoirs linguistiques au Brésil : historicité, sujet et société contemporaine” . In : HEL - Histoire Epistémologie Langage [online]. n. 5. Paris, SHESL. Disponível em: http://htl.linguist.univparis-diderot.fr/num5/num5.html.

SILVA, M. V.; PFEIFFER, C. C. (2014). “Pedagogização do espaço urbano”. In: RUA: Revista do Laboratório de Estudos Urbanos do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade, da Universidade Estadual de Campinas [online]. Edição Especial. Disponível em: http://www.labeurb.unicamp.br/rua.

SILVA, M. V. (2015). História da alfabetização no Brasil: sentidos e sujeito da escolarização. Campinas: Editora da Unicamp.

SILVA, M. V. (2016). “Língua e sujeito: falha e resistência”. In: ORLANDI, E. P.; MASSMANN, D. (Orgs.). Cultura e diversidade, vol. 1. Coleção Trilogia: Travessia da diversidade. Campinas: Pontes, p.19-50.

SILVA, M. V. (2017). “Manuais escolares e saberes linguísticos”. In: Boletin de la sociedad espanõla de historiografia linguística – BSEHL, vol. 11, p. 209-224. On-line: http://www.sehl.es/uacuteltimo-nuacutemero.html

SILVA, M. V. (2018). “Estado, escola, língua: unidades divididas”. In: ORLANDI, E. P.; MASSMANN, D.; DOMINGUES, A. S. (Orgs.). Linguagens, instituições e práticas sociais. Pouso Alegre: Univás, p. 103-117.

SILVA, M. V. (2018a) “La disciplinarisation des savoirs linguistiques dans l’espace scolaire brésilien : le logicisme et le sociologisme” . In: Fragmentum, n. Especial. jul./dez., p. 121-139. Santa Maria: UFSM.

SILVA, M. V. (2019). da. Instrumentalização da língua: a filosofia espontânea e o sujeito pragmático (no prelo). SOARES, M. (1982). Novo Português através de Textos: Livro do Professor, 5ª série. São Paulo: Abril, 5ª ed.

SILVA, M. V. (1982a). Novo Português através de Textos: 5ª série. São Paulo: Abril. TEIXEIRA, A. (1976). “Valores proclamados e valores reais nas instituições escolares brasileiras”. In: Educação no Brasil: textos selecionados. Rio de Janeiro: MEC, p. 7-27.

VIDAL, D. G. (1998). “Da caligrafia à escrita : experiências escolanovistas com caligrafia muscular nos anos 30”. In: Revista Faculdade de Educação, v. 24, n. 1., jan., p. 126-140. São Paulo. Disponível em : http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010225551998000100009. Acesso em 15/7/2019.

VINCENT, G.; LAHIRE, B.; THIN, D. (1994). “Sur l’histoire et la théorie de la forme scolaire”. In : VINCENT, G. (Org.) L’Éducation prisonnière de la forme scolaire? Scolarisation et socialisation dans les societies industrielles. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, p. 11-48.

Downloads

Publicado

2019-12-09

Como Citar

SILVA, M. V. da. Análise de discurso: um percurso de leitura e de gestos de interpretação. Línguas e Instrumentos Línguísticos, Campinas, SP, n. 44, p. 238–269, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i44.8657816. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8657816. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê