Da análise automática do discurso ao discurso do sujeito do desejo

reflexões psicanalíticas sobre a teoria do discurso de Michel Pêcheux

Autores

  • Sérgio Augusto Freire de Souza

DOI:

https://doi.org/10.20396/lil.v0i44.8657819

Palavras-chave:

AAD-69, Psicanálise, Resistência.

Resumo

A análise de Discurso de Michel Pêcheux tem seu momento inaugural com o livro Analyse automatique du discours (AAD-69). Desde seu início, a noção de sujeito se faz presente como organizadora dos processos epistemológicos. Mas não se trata de qualquer noção de sujeito. Convoca-se uma noção de sujeito contingente, interpelado pela ideologia e barrado pelo inconsciente. Este artigo se propõe a acompanhar o surgimento dessa noção e cartografar seus aggiornamentos em relação à teoria. De um lugar descritivo do sujeito do inconsciente, propomos que o barramento ideológico produz resistência pulsional que, em última instância, provoca e permite a desidentificação ideológica. O artigo se divide em três momentos. No primeiro, retomamos a constituição teórica da AD, revisitando brevemente suas fases e seus construtos para compreender como a Psicanálise vai aparecendo no deslocamento da teoria de Pêcheux. Em um segundo tempo, trazemos para a discussão o texto Só há causa daquilo que falha (PÊCHEUX, 1978), em que Pêcheux retifica posições anteriores e enfatiza o valor teórico, político e histórico da falha, evidenciando, com isso, o liame com a presença da Psicanálise em relação ao sujeito. Por fim, concluímos apontando para uma ampliação da análise que vá além das recorrências e que vise também à interpretação das políticas de resistência do sujeito, a partir do aporte da Psicanálise, para que se possa compreender o discurso na sua contradição constitutiva do mesmo e do diferente, em seu duplo plano, o da ideologia e o do inconsciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Augusto Freire de Souza

Graduado em Letras, Língua Inglesa, concluiu o Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Amazonas em 1998 e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas em 2005.

         

Referências

ACHARD, P. (2007). “Memória e produção discursiva do sentido”. In: ACHARD, P.; DAVALON, J.; DURAND, J-L; PÊCHEUX, M.; ORLANDI, E. Papel da Memória. 2. ed. Campinas: Pontes.

ALTHUSSER, L. (1996). “Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado [1969]”. In: ZIZEK, S. Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 105-142.

ALTHUSSER, L. (1984). “Freud e Lacan”. In: ALTHUSSER, L. Freud e Lacan. Marx e Freud. Rio de Janeiro: Graal, p. 47 a 71.

ANDRÉ, J.; FUCHS, C. (1997). Ordinateurs, programmation et langues naturelles. Tours: Meme.

BARTHES, R. (1997). Lição. Lisboa: Edições 70.

CALLIGARIS, C. (2019). Cartas a um jovem terapeuta: reflexões para psicoterapeutas, aspirantes e curiosos. São Paulo: Planeta do Brasil.

CONEIN, B; COURTINE, J. J.; GADET, F.; MARANDIN, J. M.; PÊCHEUX, M. (1981) Matérialités discursives. Lille: Presses Universitaires de Lille.

FREUD, S. (2019). O infamiliar [Das Unheimliche] [1919]. Belo Horizonte: Autêntica.

FREUD, S. (2013). A pulsão e seus destinos [1915]. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica.

GADET, F.; HAK, T. (org) (1997). Por uma análise automática do discurso. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

GADET, F.; LÉON, J.; MALDIDIER, D.; PLON, M. (1997). “Apresentação da conjuntura em linguística, em psicanálise e em informática aplicada ao estudo dos textos na França, em 1969”. In: GADET, F.; HAK, T. (org). Por uma análise automática do discurso. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

HAROCHE, C.; PÊCHEUX, M.; HENRY, P. (2007). “A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem e discurso”. In: BARONAS, Roberto L. (Org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores.

HELSLOOT, N.; HAK, T. (2007). Pêcheux's contribution to Discourse Analysis. FORUM: qualitative social research. Vol 8 n 2, Art 1. Berlin.

HENRY. P. (2013). A ferramenta imperfeita: língua, sujeito e discurso. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP.

HERBERT, T (PÊCHEUX, M.). (1995). Observações para uma teoria geral das ideologias. Rua, 1, Campinas: Editora da Unicamp, p. 63-89.

HERBERT, T. (PÊCHEUX, M.). (2011) “Reflexões sobre a situação teórica das ciências sociais e, especialmente, da psicologia social”. In: ORLANDI, E. (Org.). Análise de discurso: Michel Pêcheux. Textos escolhidos por Eni Orlandi. Campinas: Pontes, p. 21-54.

LACAN, J. (1982). O Seminário, livro 20 –mais, ainda... . Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LACAN, J. (1998). O seminário, livro 11 – os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LACAN, J. (2005). O Seminário, livro 10 – a angústia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

LACAN, J. (2005). “O simbólico, o imaginário e o real”. In: LACAN, Jacques. Nomes-do-Pai. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

MALDIDIER, D. (Org.) (1990a). La inquietude du discours: textes de Michel Pêcheux choisis e présentés par Denise Maldidier. Paris: Éditions des Cendres.

MALDIDIER, D. (1990b). “(Re)lire Michel Pêcheux aujoud’hui”. In: MALDIDIER, D.(Org.). La inquietude du discours: textes de Michel Pêcheux choisis e présentés par Denise Maldidier. Paris: Éditions des Cendres.

MARIANI, B. (2012). “Larissas: ou quando a falta do sentido faz sentido outro”. (2012). In: MARIANI, B.; ROMÃO, L. M. S.;

MEDEIROS, V.(orgs). Dois campos em (des)enlaces: discursos em Pêcheux e Lacan, Rio de Janeiro: 7Letras. MAZIÈRE, F. (2007). A análise do discurso: história e práticas. São Paulo: Parábola.

NARZETTI, C. (2012). O projeto teórico de Michel Pêcheux: de uma teoria geral das ideologias à Análise do Discurso. São Paulo: Annablume; Manaus: Fapeam.

ORLANDI, E. (1999). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, E. (1996). Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, Vozes.

PÊCHEUX, M. (1990). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX, M. (1997). “A Análise de Discurso: três épocas”. In: GADET, F.; HAK, T. (org). Por uma análise automática do discurso. 3 ed. Campinas: Ed. Unicamp, p. 61- 162.

PÊCHEUX, M. (1988). “Só há causa daquilo que falha ou o inverno político francês: início de uma retificação”. In: PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1990). “Remontons de Foucault à Spinoza”. In: MALDIDIER, D. (Org.). La inquietude du discours: textes de Michel Pêcheux choisis e présentés par Denise Maldidier. Paris: Éditions des Cendres.

PÊCHEUX, M. (1988). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp.

PÊCHEUX, M. (1997). “Análise Automática do Discurso - AAD-69”. In: GADET, F.; HAK, T. (org). Por uma análise automática do discurso. 3 ed. Campinas: Ed. Unicamp, p. 61- 162.

PÊCHEUX, M.; GADET, F (2011). “A língua inatingível”. In: PÊCHEUX, M. Análise de discurso: textos escolhidos por Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Pontes.

PÊCHEUX M.; FUCHS, C. (1997). “A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas”. In: GADET, F.; HAK, T.(org). Por uma análise automática do discurso. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp p.163-252.

SAFATLE, V. (2007). Lacan. São Paulo: Publifolha.

SOUZA, S. A. F. (2014). Análise de discurso: procedimentos metodológicos. Manaus: Census.

SOUZA, S. A. F. (2006). Conhecendo análise de discurso: linguagem, sociedade e ideologia. Manaus: Valer.

TFOUNI, L.; PROTTIS, M.; BARTIJOTTO, J. (2017). ... lá onde o amor é tecido de desejo ...: lalangue e a irrupção do equívoco na língua. Cad. Psicanál. (CPRJ), Rio de Janeiro, v. 39, n. 36, p. 141-159, jan./jun.

Downloads

Publicado

2019-12-09

Como Citar

SOUZA, S. A. F. de. Da análise automática do discurso ao discurso do sujeito do desejo: reflexões psicanalíticas sobre a teoria do discurso de Michel Pêcheux. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 44, p. 317–339, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i44.8657819. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8657819. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê