Banner Portal
Uma proposta poscolonial para a produção de materiais didáticos de português como língua adicional
PDF

Palavras-chave

Poscolonialidade
Política linguística
Materiais didáticos de português como língua adicional.

Como Citar

BIZON, A. C. C. .; DINIZ, L. R. A. . Uma proposta poscolonial para a produção de materiais didáticos de português como língua adicional. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 43, p. 155–191, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i43.8658345. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658345. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

Embora os processos mais recentes de globalização, marcados pela compressão espaço-tempo, venham desafiando as racionalidades totalizantes e dicotômicas da modernidade, convivemos, ainda hoje, com práticas que ecoam tais racionalidades e limitam a atuação de determinados atores sociais (SANTOS, 2000). Por exemplo, no campo do ensino de línguas, especificamente, em livros didáticos de Português como Língua Adicional, reconhecemos efeitos do multiculturalismo liberal, criticado por Maher (2007). Concebendo materiais didáticos como instrumentos de política linguística, este artigo objetiva fornecer, à medida que focalizamos uma unidade didática por nós produzida, subsídios para a operacionalização de uma proposta poscolonial no desenho desses materiais. Nossas análises indicam que, entre os principais recursos mobilizados nessa operacionalização, encontram-se os seguintes: (i) ordem metodológica que parte das condições concretas de interação verbal (BAKHTIN, 2004); (ii) transformação de ausências em presenças (SOUSA SANTOS, 2002); (iii) investimento na materialidade linguística; (iv) legitimação do português brasileiro, sem assumir posicionamentos nacionalistas que subalternizem outros portugueses; (v) abertura de possibilidades para a educação do entorno (MAHER, 2007).

https://doi.org/10.20396/lil.v0i43.8658345
PDF

Referências

AUROUX, S. (1992). A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Unicamp.

AUROUX, S. (1997). “A hiperlíngua e a externalidade da referência”. In: ORLANDI, E. (Org.) Gestos de leitura. Da história no discurso. Campinas: Unicamp, p. 245-255.

AUTHIER-REVUZ, J. (1982). “Hétérogénéité montrée et hétérogénéité constitutive, éléments pour une approche de l'autre dans le discours”. In: DRLAV, n°26, p. 91-151.

AVELAR, J. (2006). “Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro”. In: Revista de Estudos da Linguagem, v. 14, n. 2, p. 99-143. Belo Horizonte: FALE / UFMG. Disponível em: . Acesso em: 15 de julho de 2019.

AZEVEDO, I. C. M.; PIRIS, E. L. (2018). “Tradition of foreign language teaching and learning: focusing on the Brazilian Portuguese as a Foreign Language textbook”. In: Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 18, n. 2, p. 417-443. Belo Horizonte: FALE / UFMG. Disponível em: . Acesso em: 15 de julho de 2019.

BAKHTIN, M. (1997). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BAKHTIN, M. (2004). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

BIZON, A. C. C. (2013). Narrando o Celpe-Bras e o convênio PEC-G: a construção de territorialidades em tempos de internacionalização. Tese. Doutorado em Linguística Aplicada. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: . Acesso em: 15 de julho de 2019.

BIZON, A. C. C.; CAVALCANTI, M. C. (2015). “Globalização e internacionalização: democracia vertical de um convênio estudantil brasileiro?”. In: SANTOS, B. S.; CUNHA, T. (orgs.) Actas Colóquio Internacional Epistemologias do Sul: aprendizagens globais Sul-Sul, Sul-Norte e Norte-Sul. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/269528. Acesso em: 15 de julho de 2019.

BIZON, A. C. C.; DINIZ, L. R. A. (no prelo). Projeto de alinhamento dos cursos e harmonização curricular para os Centros Culturais Brasileiros em países de língua oficial espanhola. Brasília: Ministério das Relações Exteriores / UNESCO.

BIZON, A. C. C.; DINIZ, L. R. A.; FONTÃO, E. (no prelo [a]). Mano a Mano: português para falantes de espanhol – Básico (volume 1). Abingdon: Routledge.

BIZON, A. C. C. (no prelo [b]). Mano a Mano: português para falantes de espanhol – Intermediário (volume 2). Abingdon: Routledge.

BIZON, A. C. C. (no prelo [c]). Mano a Mano: pronúncia e gramática em Português como Língua Estrangeira. Abingdon: Routledge.

BLOMMAERT, J. (2010). The sociolinguistics of globalization. Nova Iorque: Cambridge University Press.

BOURDIEU, P. (1982). ¿Qué significa hablar? Economia de los intercambios linguísticos. Madrid: Akal.

CARNEIRO, A. S. R. (2019). “O Programa Leitorado do governo brasileiro: ideologias linguísticas e práticas de ensino em um contexto situado”. In: Línguas e instrumentos linguísticos, n. 43. Campinas: Labeurb/Unicamp, pp. 259-289. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/index.html

CAVALCANTI, M. C. (2013). “Educação linguística na formação do professor de línguas: intercompreensão e práticas translíngues”. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo: Parábola, p. 221-226.

DINIZ, L. R. A. (2008). Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Dissertação. Mestrado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/271065/1/Diniz_LeandroRodriguesAlves_M.pdf. Acesso em: 15 de julho de 2019.

DINIZ, L. R. A. (2009). “Políticas de línguas em livros didáticos brasileiros de ensino de Português como Língua Estrangeira”. In: ZOPPIFONTANA, M. G. (Org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p. 59-77

DINIZ, L. R. A. (2010). “Representações da língua portuguesa em livros didáticos brasileiros de ensino de português como língua estrangeira”. In: CELADA, M. T.; FANJUL, A. P.; NOTHSTEIN, S. (Orgs.). Lenguas en un espacio de integración: acontecimientos, acciones, representaciones. Buenos Aires: Biblos, p. 129-144.

DINIZ, L. R. A. (2012). Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/271080. Acesso em: 15 de julho de 2019.

DINIZ, L. R. A.; BIZON, A. C. C. (2015). “Discursos sobre a relação Brasil/África 'lusófona' em políticas linguísticas e de cooperação educacional”. In: Línguas e instrumentos linguísticos, n. 36, p. 125-165. Campinas: IEL / Unicamp. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/edicao36/artigo6.pdf. Acesso em: 15 de julho de 2019.

DINIZ, L. R. A.; SILVA, E. R. da. (2019). “Remarks on the diversity of theoretical perspectives in language policy research”. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 19, n. 2, p. 249-263. BeloHorizonte: FALE / UFMG. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-63982019000200249&tlng=en. Acesso em: 15 de julho de 2019.

FABRÍCIO, B. F. (2006). “Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso”. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola

FANJUL, A. P. (2012). “Os gêneros ‘desgenerizados’. Discursos na pesquisa sobre o espanhol no Brasil”. Bakhtiniana, v. 7, n. 1, p. 46-67. São Paulo: LAEL / PUC-SP. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2176-45732012000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 15 de julho de 2019.

FURLAN, C. C.; BOLOGNINI, C. Z. (2009). “Os índios e os livros didáticos de Português como Língua Estrangeira”. In: ZOPPIFONTANA, M. G. (Org.). O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p. 79-94.

GAIOTTI, C. (2007). “¿Con qué dialogan los manuales de lengua extranjera? Imaginarios sociales, ideología y contexto”. In: KLETT, E. (Org.). Recorridos em didáctica de las lenguas extranjeras. Buenos Aires: Araucaria.

HALL, S. A (2006). A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A

LIMA, E. E. O. F.; IUNES, S. A. (1999). Falar… ler… escrever… português. Um curso para estrangeiros. São Paulo: EPU

MAHER, T. M. (2007). “A educação do entorno para a interculturalidade e o plurilinguismo”. In: KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.) Linguística Aplicada: faces e interfaces. Campinas: Mercado de Letras, p. 255-270.

MARCUSCHI, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola.

MARIANI, B. (2004). Colonização linguística. Campinas: Pontes.

MENDES, E. (coord.) (2013a). Brasil Intercultural - Língua e cultura brasileira para estrangeiros. Ciclo básico (níveis 1 e 2). Buenos Aires: Casa do Brasil.

MENDES, E. (coord.) (2013b). Brasil Intercultural - Língua e cultura brasileira para estrangeiros. Ciclo intermediário (níveis 3 e 4). Buenos Aires: Casa do Brasil.

MENDES, E. (coord.) (2014). Brasil Intercultural - Língua e cultura brasileira para estrangeiros. Ciclo avançado (níveis 5 e 6). Buenos Aires: Casa do Brasil.

MENDES, E. (2018). Brasil Intercultural - Língua e cultura brasileira para estrangeiros. Ciclo Avançado Superior (níveis 7 e 8). Buenos Aires: Casa do Brasil.

MITTELSTADT, D.; SANTOS, L. G. (2012). “A gente e nós e o seu tratamento em um livro didático de português como língua adicional”. Cadernos do IL, v. 44, p. 433-456. Porto Alegre: Instituto de Letras /UFRGS. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/cadernosdoil/article/view/28049. Acesso em: 15 de julho de 2019.

MORELLO, R.; SEIFFERT, A. P. (2019). “Multilinguismo e ensino nas fronteiras”. Línguas e instrumentos linguísticos, n. 43. Campinas: Labeurb/Unicamp, pp.217-236. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/index.html

NOTHSTEIN, S.; RODRÍGUEZ, M.; VALENTE, E. (2010). “Qué significa enseñar una lengua extranjera para la integración regional? Representaciones del portugués en el material didáctico de la escuela media argentina”. In: CELADA, M. T.; FANJUL, A. P.; NOTHSTEIN, S. (Orgs.). Lenguas en un espacio de integración regional: acontecimientos, acciones, representaciones. Buenos Aires: Biblos, p. 145-163.

ORLANDI, E. P. (1987). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (1990). Discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (1990). Discurso do confronto: Velho e Novo Mundo. São Paulo: Cortez; Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (Org.). (2001). História das Idéias Lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas/Cáceres: Pontes/Unemat.

PATEL, S. A.; CAVALCANTI, M. C. (2013). “O caso do português em Moçambique”. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). O português no século XXI: cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, p. 274-296.

PÊCHEUX, M. (2002). O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes.

PONCE, M. S. O. de; BURIL, A.; FLORISSI, S. (2000). Tudo bem 1. São Paulo: SBS.

QUIJANO, A. (2005). “Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina”. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 117-142.

ROJO, R. (2005). “Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas”. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTAROTH, D. (Orgs.). Gêneros: teorias métodos, debates. São Paulo: Parábola.

RUBIO SCOLA, V. I. (2019). “Tensiones ideológicas en materiales didácticos de portugués en Argentina – globalización, lusofonía, Mercosur”. Línguas e instrumentos linguísticos, n. 43. Campinas: Labeurb/Unicamp, pp. 237-258. Disponível em: http://www.revistalinguas.com/index.html

SANTOS, M. (2000). Por uma outra globalização. Do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record.

SHOHAMY, E. (2006). Language policy: hidden agendas and new approaches. Abingdon: Routledge.

SOUSA SANTOS, B. (2000). A crítica da razão indolente. Contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez.

SOUSA SANTOS, B. (2002). “Por uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 63, p. 237-280. Coimbra: Centro de Estudos Sociais / Universidade de Coimbra. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Sociologia_das_ausencias_RCCS63.PDF. Acesso em: 15 de julho de 2019.

SOUZA, J. P. C. de. (2014). Letra e música: uma proposta para o ensino de canção na aula de Português como Língua Adicional. Tese. Doutorado em Linguística Aplicada. Porto Alegre: UniversidadeFederal do Rio Grande do Sul. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/753. Acesso em: 15 de julho de 2019.

VERTOVEC, S. (2007). “Super-diversity and its implications”. In: Ethnic and Racial Studies, v. 30, n. 6, p. 1024-1054.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2009). “O português do Brasil como língua transnacional”. In: ______. (Org.) O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p. 13-41.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2010). “Ser brasileiro no mundo globalizado. Alargando as fronteiras da língua nacional”. In: DI RENZO, A. M. et al (orgs). Linguagem e história: múltiplos territórios teóricos. Campinas: RG, p. 129-152.

ZOPPI-FONTANA, M. G.; DINIZ, L. R. A. (2008). “Declinando a língua pelas injunções do Mercado. Institucionalização do português língua estrangeira”. In: Estudos Lingüísticos, v. 37, n. 3, p. 89-119. São Paulo: Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.gel.hospedagemdesites.ws/estudoslinguisticos/volumes/37/EL_V37N3_10.pdf. Acesso em: 15 de julho de 2019.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.