Banner Portal
O programa leitorado do governo brasileiro
PDF

Palavras-chave

Programa leitorado
Ensino de português como língua adicional
Políticas linguísticas.

Como Citar

CARNEIRO, A. S. R. . O programa leitorado do governo brasileiro : ideologias linguísticas e práticas de ensino em um contexto situado. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, SP, n. 43, p. 259–289, 2019. DOI: 10.20396/lil.v0i43.8658373. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/lil/article/view/8658373. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

O Programa Leitorado do governo brasileiro seleciona professores para atuar em instituições estrangeiras de ensino superior ensinando a língua portuguesa e promovendo a cultura brasileira. O primeiro objetivo deste artigo é delinear a configuração política e institucional recente do Programa Leitorado a partir de um determinado modelo hegemônico de nação e o seu papel na construção de expectativas em torno da atuação do leitor. O segundo objetivo é relatar minha experiência como leitor na África do Sul entre 2015 e 2017, apontando tensões em torno desse modelo nas práticas de ensino em um contexto específico de atuação. Ao final, discuto como essa experiência indica a necessidade de o leitor buscar caminhos alternativos para a construção de práticas de ensino que possam ser mais sensíveis às experiências de mobilidade e transnacionalidade vivenciadas pelos estudantes em diferentes contextos.

https://doi.org/10.20396/lil.v0i43.8658373
PDF

Referências

ALMEIDA, P. R. (2019). Organograma do Itamaraty no Governo Bolsonaro. Disponível em: http://diplomatizzando.blogspot.com/2019/01/organograma-doitamaraty-no-governo.html. Acesso em: 22 de maio de 2019.

ASSIS-PETERSON, A. A.; COX, M. P. I. (2007). “Transculturalidade e Transglossia: para compreender o fenômeno das fricções linguísticoculturais em sociedades contemporâneas sem nostalgia.” In: BORTONI-RICARDO, S. M; CAVALCANTI, M. C. (Orgs.). Transculturalidade, Linguagem e Educação. Campinas: Mercado de Letras, p. 23-43.

APPADURAI, A. “Disjuncture and difference in the global culture economy.” In: Theory, Culture, and Society. v. 7, 1990, p. 295-310.

BASTOS, E. R. (2006). As criaturas de Prometeu: Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. São Paulo: Global.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. (2003). Voices of modernity: language ideologies and the politics of inequality. Cambridge: Cambridge University Press.

BLOMMAERT, J. (1999). The debate is open. In: BLOMMAERT, J. (Ed.), Language ideological debates. Berlin, New York: Mouton de Gruyter, p. 1-38.

BOURDIEU, P. (1977) “L'économie des échanges linguistiques.” In: Langue française, n°34, p. 17-34.

BRASIL. (1999). Ministério das Relações Exteriores. Gabinete do Ministro. Portaria n.º 2, de 29 mar. 1999. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 01 abr. 1999, Seção 1., p. 278. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/1097638/dou-secao-1-01-04-1999-pg-29. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2006). Ministério das Relações Exteriores. Gabinete do Ministro. Portaria Interministerial nº 01, de 20 de março 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 mar. 2006, 2006, Seção 1, p. 28. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/505063/dousecao-1-22-03-2006-pg-28. Acesso em: 20 de maio 2019.

BRASIL. (2015). Ministério das Relações Exteriores. Nota 87. Discurso do Ministro das Relações Exteriores durante almoço com Embaixadores do Grupo Africano residentes em Brasília - Brasília, 20 de março de 2015. Atualizado em 20 mar. 2015. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8387:discurso-do-ministro-das-relacoes-exterioresdurante-almoco-com-embaixadores-do-grupo-africano-residentes-embrasilia-brasilia-20-de-marcode2015&catid=42&lang=ptBR&Itemid=280. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2016a). Ministério das Relações Exteriores. Diplomacia Cultural. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/ptBR/diplomacia-cultural. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2016b). Ministério das Relações Exteriores. Organograma Itamaraty. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/images/organograma/20160810-Organograma-port.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2016c). Ministério das Relações Exteriores. História dos Centros Culturais Brasileiros. Disponível em: http://redebrasilcultural.itamaraty.gov.br/images/Arquivos_PDF/Historia_dos_Centros_Culturais.pdf. Acesso em: 29 de maio de 2019.

BRASIL. (2018a). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Programa Leitorado. Disponível em: http://capes.gov.br/cooperacaointernacional/multinacional/programa-leitorado. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2018b). Ministério das Relações Exteriores e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Programa Leitorado para instituição universitária estrangeira – Edital 37/2018. Disponível em: http://capes.gov.br/images/stories/download/editais/19112018_Edital_37_MRE_Leitorado.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2018c). Ministério das Relações Exteriores. Rede de Leitorados. Disponível em: http://redebrasilcultural.itamaraty.gov.br/menu-a-rede/menuleitorados. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2019a). Ministério das Relações Exteriores. O ministro e demais autoridades. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/ptBR/o-ministro-e-demais-autoridades. Acesso em: 20 de maio de 2019.

BRASIL. (2019b). Ministério das Relações Exteriores. Rede Brasil Cultural - Apresentação. Disponível em: http://redebrasilcultural.itamaraty.gov.br/menu-a-rede/menuapresentacao. Acesso em: 20 de maio de 2019.

CARDOSO, L. (2000). "Cáspita" "By Jove!". Trad. Isabel Moutinho. In: SEIXO, M. A.; NOYES, J.; ABREU, G.; MOUTINHO, I. (Eds.), The Paths of Multiculturalism: Travel Writings and Postcolonialism: Precedings for the Mossel Bay Workshop of the XVIth Congress of the International Comparative Literature Association/ As Rotas do Multiculturalismo: Escritos de Viagem e Pós-Colonialismo. Lisbon: Edições Cosmos, p. 455-462.

CARNEIRO, A. S. R. (2014). Políticas linguísticas e identidades sociais em trânsito: língua(gem) e construção da diferença em TimorLeste. Tese. Doutorado em Linguística Aplicada. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

CARNEIRO, A. S. R. (2019). “O Leitorado Brasileiro da Universidade da Cidade do Cabo, África do Sul: uma experiência com o ensino de Português como Língua Adicional em um contexto pós-colonial”. In: Calidoscópio, n. 1, v. 17, p. 121-144. São Leopoldo: Unisinos.

DINIZ, L. R. A. (2010). Mercado de línguas: a instrumentalização brasileira do português como língua estrangeira. Campinas: RG/FAPESP.

DINIZ, L. R. A. (2012). Política linguística do Estado brasileiro na contemporaneidade: a institucionalização de mecanismos de promoção da língua nacional no exterior. Tese. Doutorado em Linguística. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

DINIZ, L. R. A.; STRADIOTTI, L.; SCARAMUCCI, M.V. R. (2009). “Uma análise panorâmica de livros didáticos de português do Brasil para falantes de outras línguas.” In: DIAS, R.; CRISTOVÃO, V. L. (Orgs.). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, p. 265-304.

FARACO, C. A. (2012). “Lusofonia: utopia ou quimera? Língua, história e política.” In: LOBO, T., CARNEIRO, Z., SOLEDADE, J., ALMEIDA, A., e RIBEIRO, S. (Orgs.) Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA. p. 31-50.

FERREIRA, L. M. L. (2014) “O leitorado brasileiro na Tailândia: uma contribuição para o debate a respeito do papel do professor-leitor.” In: Revista do GEL, n. 1, v. 11, p. 10-29. Grupo de Estudos Linguísticos (GEL) do Estado de São Paulo.

FLANZER, V. (2010). Clica Brasil - Portuguese Language and Culture for Intermediate Students. Disponível em: http://laits.utexas.edu/clicabrasil/. Acesso em: 20 de maio de 2019.

FOLHA DE SÃO PAULO (2019). Batizado Guimarães Rosa, instituto de promoção da cultura brasileira terá sede em cinco cidades. São Paulo, 22 de maio de 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/05/batizado-guimaraesrosa-instituto-de-promocao-da-cultura-brasileira-tera-sedes-em-5-cidades.shtml. Acesso em: 25 de maio de 2019.

FREYRE, G. (2006). Casa Grande e Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51a Ed., São Paulo: Global.

GOMES, A. C. (1996). História e historiadores: a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

GUMPERZ, J.; HYMES, D. (1972). Directions in sociolinguistics. The ethnography of communication. New York: Basil Blackwell. HELLER, M.; MARTIN-JONES. M. (Orgs.) (2001). Voices of authority: education and linguistic difference. Westport, CT: Ablex. JACQUEMET, M. (2005). “Transidiomatic practices: language and power in the age of globalization.” In: Language & Communication, v. 25, p. 257-277.

JOUËT-PASTRÉ, C. et. al. (2012) Ponto de Encontro: Portuguese as a World Language. New Jersey: Pearson Prentice Hall. LIMA, E. E. O. F. et al. (2009). Novo Avenida Brasil (Vol. 2). São Paulo: EPU.

MCCARTY, T. L. (2004). “Dangerous difference: A critical–historical analysis of language education policies in the United States.” In: TOLLEFSON, J. W.; TSUI, A. B. M. (Eds.). Medium of Instruction Policies: Which Agenda? Whose Agenda? Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, p. 71-93.

MCCARTY, T. L. et al. (2010). Novo Avenida Brasil (Vol. 3). São Paulo: EPU. MESQUITA, G. (2013). “Gilberto Freyre e o Estado Novo: a trajetória de uma relação ambígua”. In: Cadernos do Desenvolvimento, n. 12, v. 8, p. 207-229. Rio de Janeiro: Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento.

MILROY, J. (2011). “Ideologias linguísticas e as consequências da padronização.” In: LAGARES, X.; BAGNO, M. (Orgs.) Políticas da norma e conflitos linguísticos. São Paulo: Parábola, p. 49-87.

MODERN LANGUAGE ASSOCIATION. (2007). Foreign Languages and Higher Education: New Structures for a Changed World. Disponível em: https://www.mla.org/Resources/Research/Surveys-Reports-andOther-Documents/Teaching-Enrollments-and-Programs/ForeignLanguages-and-Higher-Education-New-Structures-for-a-ChangedWorld. Acesso em: 20 de maio de 2019.

MOITA-LOPES, L. P. (Org.) (2015). Global Portuguese: Linguistic Ideologies in Late Modernity. Oxon, New York, Routledge.

MORELO, B.; COSTA, E.; KRAEMER, F. F. (Orgs.) (2018) Ensino e aprendizagem de língua portuguesa e cultura brasileira pelo mundo: experiências do programa de leitorado do Brasil. New Jersey: Boavista Press.

NYE, J. (2004). Soft Power: the means to success in world politics. New York: Public Affairs.

OLIVEIRA, L. M. (2017) Programa de leitorado: diálogo entre política externa e formação de professores de PFOL no Brasil. Tese. Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa. São Paulo: Universidade de São Paulo.

ORTIZ, R. (2010). Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense.

PORTUGAL. (2019). Ministério dos Negócios Estrangeiros. Camões – Instituto da Cooperação e da Língua. África do Sul. Disponível em: https://www.instituto-camoes.pt/activity/onde-estamos/africa-do-sul. Acesso em 20 de maio de 2019.

RIBEIRO, E. J. J.; MORAES, R. F. (2015). “De BRIC a BRICS: como a África do Sul ingressou em um Clube de Gigantes.” In: Contexto internacional, n. 1, v. 37, p. 255-287. Rio de Janeiro: PUC-Rio. RIBEIRO, R. F. (2016). “San Tiago Dantas e a política externa para o desenvolvimento na década de 1950.” In: NEIBA, v. 5, p. 1-10. Rio de Janeiro: UERJ.

SÁ, D. S. (2009). “O leitorado brasileiro em Manchester: política linguística e o ensino de português como língua estrangeira.” In: Cadernos de Letras da UFF, v. 39, p. 31-40. Niterói: UFF.

SIGNORINI, I. (2006). “A questão da língua legítima na sociedade democrática: um desafio para a linguística aplicada contemporânea.” In: MOITA LOPES, L. P. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 169-189.

SIGNORINI, I. (2008). “Metapragmáticas da língua em uso: unidades e níveis de análise.” In: SIGNORINI, I. (Org.) Situar a lingua[gem]. São Paulo: Parábola, p. 117-148.

SIGNORINI, I. (2013). “Política, língua portuguesa e globalização.” In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) O Português no século XXI. Cenário geopolítico e sociolinguístico. São Paulo: Parábola, p. 74-100.

SILVA, D. B. da. (2010) O passado no presente: história da difusão e promoção da língua portuguesa no exterior. In: Congresso Nacional de Linguística e Filologia, 14, Rio de Janeiro (RJ). Anais... Rio de Janeiro: Cifefil, 2010. v. XIV, p. 3018-3034. Disponível em: http://www.filologia.org.br/xiv_cnlf/ tomo_4/3018-3034.pdf. Acesso em: 20 de maio de 2019.

TAVARES, A. (2012). Português XXI 1 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TAVARES, A. (2014). Português XXI 2 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TAVARES, A.; SOUZA, R. B. (2014). Português XXI 3 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TOLLEFSON, J. W.; PÉREZ-MILANS, M. (Orgs.) (2018). The Oxford handbook of language policy and planning. Oxon: Oxford University Press.

UNIVERSITY OF CAPE TOWN. (2009). The Strategic Plan for the University of Cape Town - 2010-2014. Atualizado em 2 dez. 2015. Disponível em: https://www.uct.ac.za/downloads/uct.ac.za/about/goals/uct_strategic%20goals.pdf. Acesso em: 15 de maio de 2019.

WOOLARD, K. A. & SCHIEFFELIN, B. B. (1994). “Language ideology” In: Annual Review of Anthropology. 23, p. 55-82.

WORTHAM, S. (2008) Linguistic Anthropology of Education. Disponível em: https://repository.upenn.edu/gse_pubs/180 Acesso em: 22 de outubro de 2018.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2009) O português do Brasil como língua transnacional. In: ______. (org.) O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p. 13-41.de maio de 2019.

TAVARES, A. (2012). Português XXI 1 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TAVARES, A. (2014). Português XXI 2 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TAVARES, A.; SOUZA, R. B. (2014). Português XXI 3 – Nova Edição (Livro do Aluno + CD Áudio + Caderno de Exercícios). Lisboa, Lidel.

TOLLEFSON, J. W.; PÉREZ-MILANS, M. (Orgs.) (2018). The Oxford handbook of language policy and planning. Oxon: Oxford University Press.

UNIVERSITY OF CAPE TOWN. (2009). The Strategic Plan for the University of Cape Town - 2010-2014. Atualizado em 2 dez. 2015. Disponível em: https://www.uct.ac.za/downloads/uct.ac.za/about/goals/uct_strategic%20goals.pdf. Acesso em: 15 de maio de 2019.

WOOLARD, K. A. & SCHIEFFELIN, B. B. (1994). “Language ideology” In: Annual Review of Anthropology. 23, p. 55-82.

WORTHAM, S. (2008) Linguistic Anthropology of Education. Disponível em: https://repository.upenn.edu/gse_pubs/180. Acesso em: 22 de outubro de 2018.

ZOPPI-FONTANA, M. G. (2009) O português do Brasil como língua transnacional. In: ______. (org.) O português do Brasil como língua transnacional. Campinas: RG, p. 13-41.

A revista Línguas e Instrumentos Linguísticos utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.